O fim do Sonic Youth

Eis que o show do SWU foi mesmo o último da banda. Pelo menos de sua biografia oficial. Lee Ranaldo, na Rolling Stone:

You just came back from a tour of South America with Sonic Youth and as you said, Kim and Thurston just recently broke up. How did that affect that tour? Was it something that had been going on for a while, or was this a sudden thing for you?
Well, it’s not as sudden for me as it’s been in terms of the press and what not. Actually, the tour went really well. It really didn’t affect it all that much. It was a pretty good tour overall. I mean, there was a little bit of tiptoeing around and some different situations with the traveling– you know, they’re not sharing a room anymore or anything like that. I would say in general the shows went really well. It kind of remains to be seen at this point what happens to the future. I think they are certainly the last shows for a while and I guess I’d just leave it at that.

Are you optimistic about the future of the band?
I’m feeling optimistic about the future no matter what happens at this point. I mean, every band runs its course. We’ve been together way longer than any of us ever imagined would happen and it’s been for the most part an incredibly pleasurable ride. There’s still a lot of stuff we’re going to continue to do. There’s tons and tons of archival projects and things like that that are still going on, so there are so many ways in which we are tied to each other for the future both musically and in other ways. I’m just happy right now to let the future take its course and I guess I’m kind of thankful that I’ve got this other project that kind of came about on its own. It wasn’t kind of like, well, “Oh the band is ending for a while and I’ve got to figure out what to do.” It kind of naturally happened in the course of things so that was a nice way for that to come about. I played my first show the day after Kim and Thurston announced [their separation.] That was completely weird.

Quem assistiu ao último show dos caras?

Thurston Moore, Kim Gordon e o futuro do Sonic Youth

Duas fotos (uma oficial, do Marcus Hermes, e outra da cobertura da Soma, da Caroline Bittencourt)…

…e uma pergunta: e agora?

Fui ao SWU só pra assistir ao show do Sonic Youth (os vídeos tão subindo, hehe). Entrei na muvuca quando eles começaram a segunda música e zarpei fora ouvindo o Primus tocando ao fundo. Havia o boato, ainda não confirmado, de que aquele seria o último show da banda. Não importava – era um show do Sonic Youth, vê-los era uma obrigação.

O que ninguém soube responder foi se aquela, de fato, era a última apresentação do grupo – afinal, seu casal central, Thurston Moore e Kim Gordon, não é mais um casal (há quem culpe a banda da filha deles, mas acho que é maldade). Mas não parecia um último show. O nível de catarse e despojamento instrumental foi característico de outras apresentações da banda. Não houve sinal de despedida definitiva, no máximo o “nos vemos em breve” dito por Thurston Moore no final, que não decifra nada – ele podia estar falando de sua carreira solo. Houve quem sentisse uma tensão no palco entre os dois e quem notasse que Kim ainda estava usando aliança. Tive a impressão de estar vendo um show normal dos caras e tenho a sensação de que eles não fariam sua última apresentação longe de casa, em Nova York.

Mas isso sou eu. Alguém sabe de mais algo?

Todo o show: Sonic Youth ao vivo no SWU 2011

Agora sim!

Todo o show: Faith No More ao vivo no SWU 2011

Só fui pra ver o Sonic Youth, mas tá aí o show da tchurma do Mike Patton.

Neil Young cantando no SWU

Ele foi fazer uma palestra no dia do seu aniversário e só cantou “parabéns a você” pra Terra (wtf) em sua apresentação no SWU.

Peguei o vídeo num texto do Claudio Tognolli em que ele espinafra o conceito de sustentabilidade:

Um fantasma ronda o mundo: a farsa de que o superaquecimento global só ocorre por fatores endógenos, ou a emissão de poluentes na terra. No Brasil só há dois intelectuais que apontam a ideologia por detrás disso: Gildo Magalhães dos Santos Neto, da História, e Aziz Ab Saber, da Geografia, ambos da USP. Fatores extra-terra conduzem ao superaquecimento: como as fases de hiper-expansão do sol, a cada seis mil anos, como a que ora vivemos. Os vikings, antes de descerem Mar do Norte abaixo, paravam, para construir seus barcos, num local chamado Terra Verde, por acaso Groenlândia, que vem de “Green Land”. A natureza na Terra Verde era laboriosa em construir madeiras de primeira cepa. Mas ela se congelou. Uai: por que se congelou? A quem interessa dizer que a Terra pode acabar por superaquecimento gerado por fatores apenas “internos”? Interessa a uma elite neoliberal. Há 80 anos começaram a tramar a ideia de que oferecer um literal e figurativo fim do mundo pelo superaquecimento era a forma de congelar os futuros países desenvolvidos. Queriam, e ainda querem, que Brasil, Índia e China sejam eternos exportadores de matéria prima. Trata-se da mais nova-velha ideologia: fazer o povão engolir goela abaixo que o desenvolvimento já atingiu os seus limites. Querem ver na Amazonia um território “internacional”. Eis todo o babalaô do ex-vice dos EUA, Al Gore, com aquela cascata (comprada por ele de uma assessoria de imprensa), lastreado em seu “Uma verdade inconveniente”.

O festival SWU (“Starts with you” ou “Começa com você”), que movimentou milhões com inserções pagas, mas disfarçadas na mídia, é um subproduto desse tipo de golpe. Não é para menos que Neil Young abriu o cascatol cantando “parabéns” para a Terra. Querem tornar o rock algo passivo, com babacas defendendo a todo o custo a preservação da terra, e o conseqüente congelamento do desenvolvimento do parque industrial brazuca. Querem-nos eternos exportadores de grãos. Querem-nos enxergando que o superaquecimento global só se dá por fatores da terra e do homem. Isolam a Terra do resto do universo. Veja você: até James Lovelock, criador da famosa Hipótese Gaia (segundo a qual o ser humano é um dos “órgãos” do corpo que é a Mãe Terra), agora defende a energia nuclear. E expõe ao osso os babacas do Partido Verde (que usam em suas propagandas políticas os moinhos de vento eólicos). Saiba você: um moinho de vento eólico consome dez mil toneladas de concreto para ser construído. Em toda a sua existência, o moinho de vento eólico jamais produzirá energia limpa que compense a poluição gerada para poder produzir as milhares de toneladas de concreto que o erigiram…

E ele continua lá no Brasil 247.

Enquanto estive fora: Sonic Youth no SWU 2011

Por enquanto, a única atração anunciada pelo festival que faz valer sair de casa… Mas alguém sabe se é mesmo o show do Daydream Nation ou mais um show de turnê? Eniuei, é muito pouco provável que eu não vá.

Sonic Youth no SWU?

Diz o Lucio… Dedos cruzados.

Neil Young no Brasil

Fudeu galera, o Estadão confirmou Neil Young no SWU e ainda está especulando Dylan a sério. Agora não tem desculpa: todo mundo pra Paulínia.

Bob Dylan no SWU 2011

Que papo é esse?