Vida Fodona #660: Festa-Solo (20.7.2020)

vf660

Mais uma semana começando com Festa-Solo no twitch.tv/trabalhosujo (sempre às 21h) – semana passada foi assim…

Radiohead – “Jigsaw Falling Into Place”
Spoon – “WhisperI’lllistentohearit”
Pixies – “Gouge Away”
Rapture – “Miss You”
Holy Ghost – “Wait and See”
Destiny’s Child – “Jumpin’ Jumpin'”
Tom Tom Club – “Genius of Love”
Laid Back – “White Horse”
Konk – “Your Life (Party Mix)”
Chemical Brothers – “Got To Keep On”
Hot Chip – “Flutes”
Grimes – “Genesis”
Harmony Cats – “Margarida (Felicidade)”
Anita Ward – “Ring My Bell”
Indeep – “Last Night A D.J. Saved My Life”
Slits – “I Heard It Through The Grapevine”
Yoko Ono – “Walking On Thin Ice (Radio Edit)”
Ting Tings – “Great DJ”
Elastica x Rapture – “WAYUH Connection”
Sunshine Underground – “Dead Scene”
New Young Pony Club – “Ice Cream”
Cassiano – “Onda (Poolside & Fatnotronic Edit)”
Paulinho da Viola – “Roendo as Unhas (Victor Hugo Mafra Re-Edit)”
BaianaSystem – “Playsom”
Daniela Mercury – “Nobre Vagabundo”
Moraes Moreira – “Cara e Coração”
A Cor do Som – “Zanzibar”
Fafá de Belém – “Emoriô”
Emilio Santiago – “Bananeira”
Bixiga 70 – “Deixa a Gira Girar”
Tincoãs – “Cordeiro de Nanã”
Erasmo Carlos – “Mané João”
Tim Maia – “Coroné Antonio Bento”
Luiz Gonzaga – “Respeita Januário”
Gilberto Gil – “Eu Só Quero um Xodó”
Dominguinhos – “Lamento Sertanejo”
Elis Regina – “Atrás da Porta”

Vida Fodona #464: Essa beleza de música

vf464

Mais um daqueles…

Luiz Gonzaga – “Sabiá”
Lorde – “Don’t Tell’Em”
Lykke Li – “Hold On, We’re Going Home”
M83 – “Midnight City”
Les Sins + Nate Salman – “Why”
Azealia Banks – “Chasing Time”
Stardust – “Music Sounds Better With You”
Belle & Sebastian – “The Party Line”
Criolo + Tulipa Ruiz – “Cartão de Visita”
Thiago Pethit – “Romeo (Adriano Cintra Remix)”
Hood Internet – “Backseat Shake Off”
Mark Ronson + Bruno Mars – “Uptown Funk”
Jamie Lidell – “Runaway”
Gang of Four + Alison Mosshart – “Broken Talk”
Kendrick Lamar – “i”

Vamo lá?

On the run #128: Les Mains Noires – Dirty Brazilian Jazz

DirtyBrazilianJazz

O francês Fred Thiphagne, que mora em São Paulo e toma conta da ótima loja online Goma Gringa, também é dono do excelente blog Les Mains Noires, de onde despacha mixtapes de tempos em tempos. É o caso desta Dirty Brazilian Jazz, que mistura discos dos anos 40, 50 e início dos 60 sob esse rótulo estranho de “jazz sujo” para tratar de uma compilação de xotes, pontos, sambas, marchas e baiões que encanta pelo conjunto doce e ingênuo de gravações, que reúne nomes que são bem conhecidos até de quem não é de colecionar disco, como Altamiro Carrilho, Luiz Gonzaga, Inezita Barroso e Ataulfo Alves. E como bom garimpeiro de músicas, o gringo ainda compartilha duas fontes digitais de sua exploração musical: o acervo do Instituto Moreira Salles e o site do Instituto Memória Musical Brasileira.

Les Mains Noires – Dirty Brazilian Jazz (MP3)

A ordem das faixas segue abaixo:

Continue

100 anos de Luiz Gonzaga

Um dos artistas mais importantes da música brasileira completaria cem anos hoje. Para celebrar, o Jarmeson, do Coquetel Molotov, fez um tumblr reunindo playlists dando uma bela geral na carreira do Velho Lua. Dá uma sacada lá.

Continue

O dia em que os Beatles tocaram “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga

Tudo mentira, mas essa história que o Edmundo publicou no Estadão é genial.

Não era mais possível falar das flores no país tropical, mas ainda havia algum alento. Se quatro rapazes ingleses mostraram que era possível existir sargentos preocupados com corações solitários, o sonho ainda não havia acabado. Esperar o próximo disco dos Beatles era uma válvula de escape prazerosa. O que poderia vir depois de Sgt. Pepper’s? Conseguiria o grupo superar a obra em todo revolucionária?

Com as notícias da tensão entre os integrantes, as especulações sobre o que viria a ser o Álbum Branco causava ansiedade geral. Foi quando veio a bomba: os Beatles gravariam Asa Branca, lançada pelo velho Luiz Gonzaga.

“Ninguém sabia ao certo de onde veio a informação, mas sei que me disseram por aí e foi gente séria que falou”, garantiam todos que contavam a história num telefone sem fio que não demorou para ganhar destaque no rádio e na TV e páginas de quase toda a imprensa brasileira.

O próprio Gonzagão e seu parceiro Humberto Teixeira na autoria do lamento contra a desgraça da seca na vida dos caboclos do norte se surpreenderam. O velho Lua, que não se cansava de destilar ressentimento contra o iê-iê-iê que coroou outro rei em um trono que fora seu, mostrava um autêntico orgulho de tamanha honraria. “Os meninos ingleses têm muito sentimento e não avacalham a música. A toada deles parece bastante com as coisas do Nordeste. Até as gaitas de fole lembram a nossa sanfona”, publicou a revista Veja numa reportagem sobre a volta ao sucesso do sanfoneiro por causa da gravação de sua canção pelos artistas mais famosos do planeta. “Agora que eu quero ver se os Beatles vencem mesmo”, provocou, evocando os mais de 2 milhões de discos em quase 30 anos.

O clima era de festa e o orgulho brazuca foi às alturas. Mas cadê a Asa Branca tocada pelos Beatles? Após a euforia inicial, a imprensa começou a fazer o seu dever e foi perguntar à gravadora. Ninguém sabia de nada e um desmentido publicado alguns dias depois no Estado dava mais um toque surreal: “O empresário dos Beatles, Don Kass, desmentiu ontem que o conjunto inglês tivesse gravado Asa Branca, de Luiz Gonzaga, ou mesmo convidado Baden Powell para ensinar-lhes a tocar berimbau, como foi diversas vezes noticiado. Explicou que Paul McCartney compôs um samba, ainda sem nome, que será incluído no próximo long-play do conjunto”.

A essa altura, Gonzagão já sabia que tudo não passava de uma cascata inventada pelo agitador cultural, compositor e pai da pilantragem, Carlos Imperial, como conta Denilson Monteiro na biografia do homem que era mestre em espalhar lendas, nem sempre com a melhor das intenções.

Mas dessa vez, a causa de Imperial era nobre: resgatar o prestígio de Gonzaga ante um público que o desprezava. Imperial tinha uma tese de que havia semelhanças musicais entre o rock e o baião e depois de convencer um desconhecido grupo de rock que acompanha Ronnie Von a gravar Asa Branca, usou o tape para espalhar a notícia sobre os Beatles. Vendo que a mentira ficara fora de controle até para um pilantra de primeira grandeza como ele, procurou Gonzaga para contar a verdade e esclarecer a coisa publicamente. O sanfoneiro, que também gostava de contar das suas, não quis nem ouvir. Agradeceu ao Gordo, mandou às favas os pudores e aproveitou a maré. “Aquilo foi mentira, foi cascata bem favorável para mim”, declarou à edição brasileira da revista Rolling Stone: “Ganhei dinheiro, ganhei programa, dei entrevistas”.

Muito bom. A foto da página saiu do Instagram dele.

The Gonzagão Experience

Muito foda. Do ilustrador paraibano Shiko.

E o filme, hein? Quem viu? Vale a pena?

Chamego junino


Foto: Juciara Castro

Festa junina é uma das melhores tradições do Brasil. Saca essa coleta que o Jamerson providenciou. Coisa fina…

Mestre Ambrósio – “Baile Catingoso”
Sivuca – “Feira de Mangaio”
Trio Nordestino – “Procurando Tu”
Jackson Do Pandeiro – “Cremilda”
Luiz Gonzaga – “Balança a Rede”
Baiano & Os Novos Caetanos – “Forró”
Arnaud Rodrigues – “Na Praia de Boa Viagem”
Forro de Cana – “Dila”
Zé Neguinho do Coco – “Eu Digo Que Fui Pra Lá”
Selma do Coco – “Dá-lhe Manoel”
Clemilda – “Dançando Xote”
Genival Lacerda – “Caldinho de Mocotó”
Sandro Becker – “Julieta”
Tom Zé – “Xique Xique”
Tim Maia – “Coroné Antonio Bento”
Forro in the Dark (feat. Bebel Gilberto) – “Wandering Swallow”

Você sabe quem foi Humberto Teixeira?

O filme O Homem que Engarrafava Nuvens tenta contar direito a história deste cearense cujo nome não é lembrado por ninguém…