Vida Fodona #708: Phil Spector (1939-2021)

Só música foda.

A ordem das músicas segue abaixo: Continue

A primeira vez de “Sympathy for the Devil” ao vivo

jagger

Os Rolling Stones liberaram online a primeira performance de seu clássico “Sympathy for the Devil” ao vivo, quando a tocaram pela primeira vez no mitológico especial Rock and Roll Circus, que gravaram no final de 1968, logo após terem lançado o disco Beggar’s Banquet, mas que só foi oficializado quase trinta anos depois, em 1996 (falei desse clássico num CliMatias dia desses). Nesta primeira versão, que ficou de fora da versão final do especial, não só assistimos à estreia como a vemos tocada com apenas uma guitarra, uma vez que o fundador dos Stones, Brian Jones, limita-se a tocar maracas. E pelas performances de Mick Jagger e Keith Richards dá pra cravar que este é o momento em que os dois assumem as personalidades que iriam ditar os rumos da banda pelas décadas seguintes. Jagger em especial está brilhante, numa apresentação histórica desde o início – sem contar quando ele tira a camisa para revelar um certo desenho tatuado no peito.

E cuidado pra não perder o John Lennon fritando perto dos cinco minutos do vídeo.

Falando sobre Lennon

johnlennon-heatwave

O Wilson Farina me chamou para participar de seu programa Heatwave, que ele apresenta na rádio Antena Zero, em homenagem aos 80 anos do beatle John, dá uma sacada:

Paul McCartney abre o coração sobre John Lennon

johnpaul

Paul McCartney nunca falou de forma tão franca sobre John Lennon como nesta entrevista que deu para o filho caçula do parceiro, aproveitando as festividades do 80° aniversário do beatle morto em 1980. A entrevista também teve como convidados o primogênito de John, Julian, e o padrinho de Sean, Sir Elton John, que fizeram parte da primeira parte da entrevista, que pode ser ouvida aqui. Mas ao colocar Sean para conversar com Paul e ouvir de um dos melhores amigos de seu pai e seu grande dupla como eles se conheceram ainda jovens, a atitude que eles tinham em relação à música e como eles foram inventando os Beatles durante o processo é um momento ímpar na história da banda, principalmente para Sean, que pela primeira vez pode conhecer alguém que lhe falou sobre sua avó, Julia, mãe de John, que morreu antes dos Beatles fazerem sucesso, deixando uma lacuna imensa na vida de seu pai. A entrevista começa aos 10 minutos do vídeo abaixo.

Sean: A parceria de meu pai para compor canções com Paul McCartney é incomparável na história do rock and roll. É um grande tema para os fãs dos Beatles em todo o mundo e pode não ser nenhuma surpresa que seja, de fato, um grande assunto para mim também. Quando Paul e eu nos reunimos para conversar sobre papai, falamos sobre muitas coisas que eu nunca tinha ouvido antes. Comecei perguntando a ele quando foi que ele percebeu que papai era um cara especial.
Paul: Sim, bem, o engraçado sobre seu pai é que eu o tinha visto algumas vezes, porque percebi mais tarde o que era, minha rota de ônibus, ele pegaria aquele ônibus, mas ele iria ver a mãe dele que morava na minha área. E então ele pegaria o ônibus de volta para a casa de sua tia Mimi. Então, eu o vi algumas vezes e pensei: ‘Uau, você sabe, ele é um cara de visual interessante’. E então eu também o vi em uma fila de peixe com batatas fritas e disse: ‘Oh, aquele cara fora do ônibus’. Estou falando comigo mesmo, em minha mente, e pensei: ‘Eu vi aquele cara fora do ônibus, oh, ele é muito legal’. Sim, você sabe, ele é um cara cool.
Sean: E você sabia que ele já era músico?
Paul: Não, eu não sabia nada sobre ele, exceto que ele parecia muito cool. Ele tinha costeletas compridas, cabelos oleosos penteados para trás e tudo.
Sean: Aquele era o tipo de olhar do Teddy Boy na época?
Paul: Sim, exatamente. Era o visual do Teddy Boy, sim.
Sean: Esse era seu visual também ou você era mais um cara do rock?
Paul: Acho que todos nós estávamos tentando fazer um pouco disso naquele ponto, você sabe, então se você notou alguém que estava tentando fazer isso, você pensou, ‘Oh, sim, provavelmente se dão bem com ele’, mas eu não sabia nada sobre ele. E eu não sabia quem ele era, aceitando que o tinha visto no ônibus e na loja de peixes e batatas fritas. Mas aí meu amigo Ivan, que eu conheci na escola, era amigo do John e me levou para a festa da aldeia, me apresentou lá. Então foi tipo, ‘Oh, esse é aquele cara que eu tenho visto.’ E então, obviamente, eu sabia que ele era um músico porque ele estava na pequena banda, The Quarrymen, e eu tive que andar com eles no intervalo.
Sean: E .. estamos falando sobre nenhum amplificador de guitarra, tinha aquela espécie de skiffle com tábua de lavar.
Paul: Era muito pré-rock and roll. Havia o tipo de música antiquado, que era a música do meu pai, algumas das quais eu gostava e curtia. E então houve o skiffle que meio que quebrou isso. Era o novo tipo de música para nós. Era tipo meio bluesy, folky, mas você só tinha que ter um violão, não precisava de muito equipamento. E para o baixo, eles usavam uma barril de chá … todo o chá vinha da Índia ou de algum lugar, e você tinha um cabo de vassoura no topo e um barbante. Então o grupo deles era bem básico, um tipo de coisa acústica.
Sean: Foi bom, entretanto? Quero dizer, você achou que eles soavam bem?
Paul: Achei o John bom. Achei que o grupo não era tão bom. Sabe, não achei que fossem ruins.
Sean: Porque seu pai tocava trompete e você meio que tinha uma família musical de verdade. Quer dizer, certo, você estava mais exposto ao jazz?
Paul: Eu tive sorte, meu pai tocava muito pela casa e era uma família muito musical. Toda a família se reunia para cantar as canções de Ano Novo, você sabe, eram ocasiões muito grandes. E o engraçado sobre isso é que eu pensava que todos tinham famílias como a minha, comuns e que gostavam de se visitar, cantar, tocar piano e outras coisas. Só mais tarde que percebi, provavelmente vendo pela vida de seu pai, como ele teve uma criação difícil em comparação à minha.
Sean: Minha avó Juliet tocava banjo e ukulele. Você se lembra de como ela era? Na verdade, nunca falei com ninguém que tivesse conhecido minha avó pessoalmente. Como ela era?
Paul: Esta é uma das tristezas sobre a vida, você sabe, que você simplesmente teria a amado. Ela era uma boneca, ela era apenas uma senhora muito cool. Ela tinha longos cabelos ruivos e era muito espirituosa, e ela meio que fazia piadas e coisas do tipo. E ela tocava um pequeno banjo e ensinou alguns acordes a John. Então, quando eu o conheci, ele costumava tocar esse tipo de acordes de banjo e então tivemos que trocar para guitarra. Mas ela era adorável e ele a idolatrava e era tão triste que ele não morasse com ela e suas meias-irmãs. Mas sim, ela era uma senhora fantástica, muito divertida e íamos até a pequena casa de moradia popular em que ela morava, que ficava na área onde eu morava, que não era tão próspera quanto as pessoas na colina onde John morava.
Sean: Certo, ele estava na Avenida Menlove.
Paul: Ele estava na Menlove Avenue e eu, uma avenida chamada Madison Avenue.
Sean: O que foi chique, relativamente chique.
Paul: Sim, em comparação com o resto de nós dos Beatles. Ele era o mais chique.
Sean: Isso é tão engraçado porque as pessoas realmente não pensavam dessa forma, eu acho que elas pensaram no início.
Paul: Exatamente. Bem, você sabe, toda aquela coisa de herói da classe trabalhadora e tudo isso. Mas não, então John viria me visitar e aí caminhávamos uma ou duas milhas até onde ficava a casa de Julia. E faríamos apenas uma visita, era numa pequena fileira de terraços, moradia popular, muito modesta. E era só uma visita. Então ela fazia uma xícara de chá com sanduíches para nós e ficávamos conversando. É muito, muito óbvio para mim que John absolutamente a amava e ela absolutamente o amava. Então, como eu disse, ela era divertida. Ela estava realmente pronta para brincar. Era espirituosa. E suspeito que foi daí que ele tirou muito de sua sagacidade.
Sean: E Julia era, ela sabia que vocês estavam começando uma banda, ela apoiava isso … e o seu pai? Será que todos os pais gostavam – ou achavam que era uma perda de tempo?
Paul: Sim, acho que ela achou divertido, uma ideia divertida, sabe, porque ela podia, ela mesma era um pouco musicista. Então, e meu pai era o outro que tinha sido músico em uma pequena banda, então ele me apoiou muito e íamos lá para ensaiar, mas às vezes levávamos nossas guitarras para a casa de Julia e meio que tocávamos um pouco algo e ela amou. Ela foi muito favorável.
Sean: Eu sempre tive a impressão que papai sentiu, e pode ser expresso de maneiras diferentes ao longo dos anos que de alguma forma ele não era oficialmente um músico verdadeiro ou algo assim e que todo mundo era. Quer dizer, havia aquele sentimento de que ele pensava, você sabe, eu não sou um músico de verdade?
Paul: Acho que nenhum de nós estava, para falar a verdade. E eu acho que foi uma coisa muito boa e forte sobre nós, na verdade, curiosamente. Todos nós tivemos que aprender juntos. A sensação mais próxima de John como se ele não fosse um músico de verdade poderia ser que na mania do skiffle, quando todo mundo estava tocando acordes de guitarra, ele só conhecia alguns acordes de banjo, mas isso durou apenas uma ou duas semanas. E eu apenas mostrava a ele acordes que eu sabia, o que era muito básico, mas era uma ótima ligação apenas aprendendo acordes um do outro. E eu acho que no minuto em que ele conheceu esses acordes, ele era tão bom quanto qualquer um e ele pode ter ficado um pouco chateado por não ser meio que treinado musicalmente, mas nenhum de nós foi. E eu acho que esse foi um dos pontos fortes dos Beatles, que nenhum de nós sabia o que estávamos fazendo, então tivemos que descobrir a raiz por nós mesmos e cada um de nós descobriu juntos ao mesmo tempo, então foi adorável. Isso significava que, quando começamos a gravar ou tocar ao vivo, todos éramos novos nisso e todos aprendemos na mesma velocidade … o que eu acho que quando gravamos com George Martin mais tarde significou que John e eu poderíamos trazer uma música e apenas tocar, [canta] ‘Se houver alguma coisa que você queira’, e então George e Ringo imediatamente pegariam. Não houve nenhum tipo de ‘Oh, espere um minuto, mostre-me, deixe-me anotar esses acordes’. Foi como, não, não, não, não, nós crescemos juntos, então apenas lemos um ao outro.
Sean: E eu me lembro da história de você aprendendo B7 ou algo assim e isso foi uma espécie de grande avanço.
Paul: Foi um avanço, um grande avanço … é uma espécie de acorde um pouco complicado naquele conjunto de acordes, porque A, A e E não são tão ruins.
Sean: Mas você não pode tocar blues se não tiver aquele último acorde, pode.
Paul: Você precisava ter aquele último acorde, então era verdade. Quer dizer, é uma memória distante para mim agora e já contei essa história tantas vezes que começo a achar que não é verdade. Mas é verdade que realmente pegamos um ônibus para a casa de um cara, que alguém disse: ‘Oh, não, esse cara é bom. Ele conhece B7, ‘e nós fomos e aprendemos com ele. Foi bom que não soubéssemos muito porque você tinha que apenas dizer, ‘Oh, é este acorde’ e mostrar a ele este acorde, ‘Sim, ok’, e mesmo com esses tempos complicados nas coisas, eu não não sei como ‘Here Comes The Sun,’ há um [notas de cantarolando].
Paul: Se você tentar e anotar isso, todos nós não teríamos nos incomodado, mas nós apenas pensamos, ‘Ok, vai, sim, babada babada papapapapa.’
Sean: Sim, não, e meu pai escreveu algumas músicas com compassos estranhos, como Good Morning. Sim. Quero dizer, Happiness Is A Warm Gun tem um monte de mudanças de andamento diferentes e outras coisas, o que é bastante progressivo, na verdade, para um músico entre aspas, não é músico ou autodidata.
Paul: Eu acho que o importante não era quem era mais sofisticado que o outro ou o que seja. E pode haver alguma verdade que musicalmente eu tinha uma vantagem porque meu pai tinha nos mostrado algumas coisas e eu aprendi os acordes da guitarra um pouco antes do John, mas não era tanto isso, a sofisticação, eram as atitudes. Então, minha atitude seria: é isso que eu quero fazer. E então John traria outra vantagem. Então, o que foi ótimo foi a combinação dessas duas atitudes, você sabe, e eu olho para trás agora como, como um fã. Eu penso, ‘Uau, que sorte eu tive em encontrar este estranho Teddy Boy fora do ônibus que acabou tocando música como eu, e nós ficamos juntos e cara, nós nos complementamos’, há um pouco de yin yang. Dizem que com os casamentos os opostos se atraem e eu acho, quero dizer, não éramos loucamente opostos, mas eu tinha algumas coisas que ele não tinha e ele tinha algumas coisas que eu não tinha, então quando você os juntou, isso fez algo extra.
Sean: Realmente. Quando eu olho para vocês, como um fã, quando vocês escreveram Ontem parece um cometa real, como um cometa do espaço sideral. É realmente um grande avanço musical para vocês. Também sempre achei que isso poderia ser verdade. Ouvi dizer que isso acontecia com meu pai escrevendo Strawberry Fields. Você se lembra de ter sentido algo especial sobre ele escrever isso ou tocá-lo para você?
Paul: Oh, sim, sim. Na verdade, é engraçado, ouvi no rádio chegando esta manhã.
Sean: Sério?
Paul: Sim, eu pensei que isso fosse um sinal … É engraçado quando você ouve algo no rádio e não tem analisado recentemente, foi ótimo ouvir mais ou menos o que fizemos. Quer dizer, eu sabia o que era Strawberry Fields, era este lugar bem ao lado de onde John morava que tinha sido um antigo orfanato do Exército de Salvação e costumávamos espiar por cima do muro e olhar para os portões de lá … Na época eu foi lá que foi encerrado. E John dizia: ‘Oh, olhe, você sabe que este é Strawberry Fields. E havia, costumava haver todas as crianças brincando lá e outras coisas. ‘Então, quando chegamos para fazer a música juntos, John – era essencialmente uma música de John – e ele meio que a trouxe. Mas era uma peça adorável e eu muito, acho que muito à frente de seu tempo, com todas as letras eu penso, ‘Sim, eu não, talvez, olá.’ Foi realmente, como uma espécie de grande poema e suponho que a outra coisa é que quando você analise, é John contando seus problemas, você sabe. Todos nós meio que pensamos sobre a vida e pensamos: ‘Isso é verdade ou é? Eu não sei, talvez, bem, fulano, ‘mas ele colocou de forma muito sucinta na música.
Sean: Sim, vocês parecem estar inventando esse tipo de composição interpessoal e reflexiva de música. Foi algo que vocês aprenderam um pouco com Dylan ou ouvi dizer que não sei se é verdade?
Paul: Certamente aprendemos muito com Dylan e eu sei que tive um de seus primeiros LPs em casa antes dos Beatles. Eu costumava tocá-lo bastante, então fiquei profundamente envolvido com ele e acho que seu pai também, mas essa foi apenas uma das influências. Tem muito mais porque Strawberry Fields e Penny Lane, são nós que nos lembramos de nossa juventude. E é uma coisa engraçada que costumávamos dizer quando éramos um pouco mais velhos, quero dizer, mais velhos, tipo 20 ou algo assim – muito jovens, como bebês, você sabe – mas pensávamos que éramos tipo os homens do universo e grandes homens por então, à medida que envelhecemos um pouco. Se alguma vez houve um problema com uma música ou gravação, costumamos dizer: ‘O que nosso eu de 17 anos pensaria?’ E gostamos de nos referir, porque essa foi a idade mais sábia que consideramos, você sabe, ’17 anos , nah, é um monte de merda! ‘
Sean: Certo, você tinha tudo planejado.
Paul: Sim, ‘Isso é ótimo, precisa de mais bateria ou’, você sabe, apenas pensamento muito básico. É um momento muito emocionante. E eu digo com Strawberry Fields ou Penny Lane lá, eu diria Penny Lane e falaria sobre a barbearia, John saberia exatamente o que eu quis dizer porque era seu terminal de ônibus onde ele tinha que ir, se ele estivesse vindo do centro da cidade , ele provavelmente teria que ir para Penny Lane e depois mudar para subir a Menlove Avenue. Portanto, éramos muito íntimos daquele lugar. E o mesmo que digo com Strawberry Fields. Esses foram lugares de nossos lindos dias de nossa juventude. E então, quando estávamos escrevendo mais tarde, talvez cinco anos depois ou algo assim, foi ótimo escrever sobre essas coisas. Acho sempre bom escrever sobre memórias.
Sean: Eu preciso, não sei se tenho permissão para dizer, mas tive pequenos vislumbres de algumas das brincadeiras do estúdio do período Let It Be e isso me fez pensar tipo, ‘Uau’. Você sabe, crescendo sempre houve esse mito de que as coisas eram um pouco mal-humoradas ou o que quer que fosse e havia esse mito em torno do filme e tudo mais. Mas, na verdade, o que me surpreendeu foi que vocês, então e ao longo de sua carreira, sempre parecem estar se divertindo muito. É muito leve, vocês estão brincando e se divertindo, eu acho, isso é verdade? Você acha que foi meio mito? E olhando para trás, você se sente assim, você percebeu como parecia muito mais divertido ou algo assim porque eu me lembro de ter visto em uma entrevista com você dizendo.
Paul: Acho que foi o fato de os Beatles estarem se separando, o que foi um momento muito difícil para nós. Foi como um divórcio, então é muito difícil organizar seus pensamentos e apenas ser alegre. E na época em que Let It Be surgiu, essa se tornou a história do filme e então isso, juntamente com o fato de que havíamos terminado, deixou uma espécie de nuvem sombria na sala … Eu sempre acreditei naquela. Então, por anos, quando as pessoas dizem, ‘Oh, sobre Let It Be’, eu digo, ‘Sim, eu realmente não gostei’, porque foi um período tão sombrio, mas depois conversando com Peter Jackson quando ele estava olhando para as 58 horas de outtakes. Eu disse, ‘Bem, você sabe, como é?’ Tipo de coisa que esperava que ele dissesse: ‘Bem, é muito sombrio. Vocês estão discutindo o tempo todo. ‘Ele disse:’ Não ‘, disse exatamente o que você acabou de dizer:’ É incrível ‘. Ele disse:’ Você é alegre e outras coisas ‘. E me mostrou alguns trechos e é ótimo. E isso realmente me deixou feliz, porque eu sei há anos, eu pensei, ‘Oh, Deus, os Beatles se separaram e foi amargo. E estávamos discutindo, ‘o que acontece no divórcio.
Sean: Lembro-me de você dizer que viu uma foto de vocês … Acho que é da sessão [Abbey Road], e vocês estão obviamente tão perto como se estivessem escrevendo alguma música juntos e isso os lembrou.
Paul: Foi uma foto que Linda tirou e realmente me deu esperança nessa foto. Antes da coisa de Peter Jackson, era como uma pequena foto que eu segurei. Na verdade, tivemos uma exposição onde as fotos da Linda foram ampliadas e eu comprei uma delas e é muito grande dessa coisa de que você está falando, eu e o John escrevendo. E você pode ver que gostamos um do outro e que estamos sorrindo, e vou escrever algo, então estamos empenhados em fazer algo artístico, algo interessante. E eu digo que toda vez que me sinto um pouco para baixo, eu olho para a imagem e digo, ‘Não, essa é a realidade.’ E então estou amando o fato de que Peter Jackson descobriu mais dessa realidade.
Sean: Estou animado com isso. E vocês notoriamente começaram a escrever, eu acho, mais e mais independentemente conforme os álbuns progrediam, mas ainda havia algum tipo de contribuição ou influência acontecendo de qualquer maneira, você diria?
Paul: Acho que sim … a razão pela qual originalmente escrevemos separadamente foi porque vivíamos separados. Nos primeiros dias, estávamos em turnê o tempo todo, então estávamos meio que morando juntos. Uma vez que a turnê diminuísse, e poderíamos fazer uma turnê por ano ou algo assim, teríamos muito tempo para estar em casa. E então você pegaria uma guitarra ou algo assim e digamos que escrevi Yesterday ou algo assim, John escreveria Strawberry Fields, então você estava escrevendo separadamente, então você juntou para o álbum. Mas você obteria alguma colaboração para terminar a música e trazê-la para o estúdio e então colaborar no estúdio. Mas o interessante é que desde que os Beatles se separaram e não escrevemos juntos ou mesmo gravamos juntos, acho que cada um de nós se referia aos outros quando estávamos escrevendo coisas. Costumo fazer isso, estou escrevendo algo e digo, ‘Oh, Deus, isso é horrível,’ … e acho que o que John diria? E você vai, ‘Sim, você está certo. É horrível. Você tem que mudar. ‘E então eu vou mudar. E eu sei por relatos de que ele fez coisas semelhantes a isso, você sabe, se eu tivesse lançado um álbum, ele diria, ‘Puta merda, tenho que entrar no estúdio, tem que tentar fazer melhor do que Paul.’
Sean: Sim, eu sempre senti que, mesmo no Imagine, ele tem aquela música que é o ponto de interrogação do How. E há um acorde nele, acho que não sei qual tonalidade, mas é quando você toca como um dó maior sobre o ré na base e é como um som mais jazzístico e sempre senti que isso era algo pelo qual ele teria sido mais influenciado pelos seus ouvidos. Parece que ele prestou atenção em você, sabe, durante toda a carreira dele em mim, mas não sei. Quer dizer, não posso perguntar a ele, mas parece que se eu apenas ouvir os acordes e melodias, [ele] parecia ciente do que você estava fazendo comigo, até parecia ainda estar um pouco em sincronia. Escutei seu primeiro álbum solo, McCartney, e sua Plastic Ono Band. De certa forma, eles estão conectados a mim, talvez eu esteja me alongando, mas eles estão conectados porque ambos são tão crus e despojados de uma maneira diferente e eu sinto que eles não soam como os Beatles da mesma forma em o jeito que eles são mais nus e eu realmente amo os dois, mas parece que você não era como, você não tinha se distanciado completamente, necessariamente, como se ainda houvesse uma espécie de, você está no mesmo página para mim.
Paul: Sim, bem, você sabe que se você conhece alguém desde o início da sua adolescência até o final dos seus vinte anos, é um tempo terrivelmente longo para estar colaborando com alguém e você passa a se conhecer e mesmo quando estão separados ‘ ainda estamos pensando um no outro, vocês ainda estão se referindo um ao outro. Então eu gosto de pensar assim. Eu sempre digo às pessoas, uma das coisas boas para mim é que depois de todas as porcarias dos Beatles e todas as discussões e negócios, diferenças de negócios na verdade, que mesmo depois de tudo isso estou tão feliz por ter recuperado junto com seu papai que realmente teria sido uma dor de cabeça para mim se não tivéssemos nos reunido, foi tão adorável que o fizemos. E realmente me dá uma espécie de força saber disso.
Sean: Sim, bem, que você meio que tocou na base novamente. Quero dizer, até mesmo, eu vi entrevistas com ele na época em que ele está prestes a ir ver você e ele parece realmente genuinamente feliz por estar prestes a ver você. Acho que ele diz algo como, ‘Bem, na verdade estou prestes a ter uma reunião com ele, Paul, estou a caminho’, ou algo assim, e ele meio que brinca, mas parece feliz por ver você. Eu posso dizer que vocês eram amigos de verdade.
Paul: Eu acho muito do que ele fez, obviamente, Imagine and Instant Karma é ótimo e o legal é que, quando eu escuto os discos, posso imaginá-lo no estúdio e dizer, ‘Oh ok, eu sei o que ele é feito. Ele acabou de dizer ao engenheiro: “Me dê um pouco de Elvis echo .. Bog echo.” ‘Bog é o banheiro em Liverpool, mas nós apenas o chamamos de bog echo … Mas posso imaginá-lo dizendo,’ Eu quero isso ‘e entrando no fones de ouvido com isso e gravando muitas das coisas dele dessa forma.
Sean: Eu também ouvi que ele estava inseguro sobre sua voz, como eu ouvi dizer que quando ele estava fazendo as gravações solo, ele abaixava o vocal, ia ao banheiro e voltava e que os engenheiros gostariam snuck it back up. É engraçado que ele tenha esse tipo de insegurança, embora também pareça muito confiante, não é?
Paul: Sim, exatamente. Bem, a confiança era o escudo … Eu aprendi que desde o início era que se você tem dificuldades em sua vida, pode haver dois caminhos. Você pode simplesmente se deitar e desistir ou colocar um escudo e se proteger do mundo dessa forma. Então, desde o minuto em que conheci John, eu soube que era isso que estava acontecendo, que ele tinha essa inteligência que o protegeria disso. E então a questão é, sabe, inseguranças, acho que tantas pessoas, não consigo pensar em ninguém que não tenha inseguranças, então eu posso me identificar com isso. E tenho certeza de que John não acharia ótimo o suficiente. Lembro-me de fazer um vocal em Eleanor Rigby e dizer a George Martin, ‘Deus, isso é terrível, oh, eu sou terrível’, e ouço agora e digo, ‘Oh não, é muito bom. Eu gosto disso.’
Sean: Muito bom, sim. Está certo.
Paul: Mas você sabe, estamos todos cheios de inseguranças e então … se você olhar para isso racionalmente, você pensa, ‘Espere um minuto. Tem esse cara “John Lennon” que é como um gênio, inteligente, espirituoso, confiante e tudo. Por que ele teria inseguranças? ‘, Porque somos todos seres frágeis e eu faço isso comigo mesmo. Eu penso, ‘Deus, se eu não tenho prêmios suficientes, devo apenas olhar para esses prêmios ir. “Sim, você está bem”, mas não está. Não funciona assim, você como artista eu acho que você está sempre questionando, pensando, eu poderia fazer isso melhor ou poderia … e então às vezes você apenas ouve e pensa, ‘Oh não, está tudo bem , ‘mas acho que éramos todos um pouco assim.
Sean: Como vocês decidiram ser compositores porque eu pensei que geralmente a maioria dos grupos não necessariamente escreveria seu próprio material. Foi Buddy Holly quem realmente começou isso?
Paul: Sabe, era independente de tudo isso. Eu comecei assim que comprei uma guitarra, meu instinto natural foi tentar aprender as músicas que eu gostava, pequenas músicas de blues ou skiffle, mas além disso eu tentei escrever pequenas coisas e descobri que John também tentou. Então o que eu faria é, eu estava apenas falando com alguém sobre mim e eles disseram, ‘Quais são seus hobbies?’ Você sabe, dizendo, ‘Oh, eu não sei, eu amo desenhar e gosto de escrever canções, eu tente escrever músicas ‘, e em vez desses dias em que alguém poderia dizer,’ Oh, você faz, isso é interessante ‘, as pessoas iriam’ Oh, sim, ok, você gosta de futebol? ‘e ninguém pegaria essa música – escrever coisas até conhecer John e então dizer: ‘Bem, você sabe que escrevi algumas músicas’, ele disse, ‘Eu também’. Então, tínhamos apenas de forma independente, tendo nossas guitarras, nos pareceu uma boa ideia tentar fazer algo nosso e eram musicas bem básicas, mas quando nos juntávamos costumávamos ir até minha casa e tocar essas musicas, e tínhamos isso antes de Buddy e então quando Buddy apareceu, os Everlys vieram, pegamos muito do estilo deles e os colocamos em nosso estilo, mas na verdade começamos a flertar com a composição de canções independentes umas das outras, sem majo r influências, apenas o fato de ser uma guitarra, nós amamos esse novo tipo de música e então estávamos experimentando.
Sean: Você escreveu Love Me Do antes dos Beatles?
Paul: Sim, nós fizemos isso. Fizemos alguns antes dos Beatles, na verdade – Love Me Do, One After 909. Isso foi bem na minha sala da frente em nossa casinha e eu a vi de pé lá. Eu comecei isso e trabalhamos juntos, então tínhamos isso antes dos Beatles estourarem.
Sean: É incrível como essas músicas são tão fortes e ainda se mantêm hoje. Você tem alguma música descartável que você não goste, que foi meio ruim? Ou era tipo, você apenas descobriu o ouro desde o início?
Paul: Sim … algumas músicas não eram muito boas.
Sean: Bem, é bom ouvir, na verdade, honestamente.
Paul: Havia alguns que eram claramente jovens compositores que não sabiam muito bem como fazer isso. Havia um chamado Just Fun. Como vai … Estou com minha guitarra aqui. É como ‘Eles dizem que nosso amor é apenas divertido …’ [canta algumas das músicas]. Ok, apenas diversão, então.
Sean: Uau. Isso soa quase como uma música country.
Paul: Bem, sim, houve muita influência country em nossas primeiras coisas aqui … Então, eventualmente, começamos a escrever músicas um pouco melhores e então gostamos tanto do processo de aprendizagem juntos que realmente decolou e se tornou um grande sucesso que foram os Beatles.
Sean: Com certeza, mas há muitas bandas que foram bem-sucedidas e ótimas, mas vocês, especialmente, pareciam sempre evoluir e crescer exponencialmente se eu olhar para a história deles desde o primeiro álbum até Abbey Road e Let It Be in e então você passa a escrever um oratório e outras coisas. De onde vocês conseguiram esse tipo de impulso único para continuar expandindo? Quando eu ouço Why and She’s So Heavy, parece que mesmo no final dos Beatles meu pai ainda estava expandindo sua habilidade, tipo, de onde isso veio, porque nem todo mundo daquela geração fazia a mesma coisa?
Paul: Ok, número um, estávamos bem. Ali. Número dois, nós crescemos juntos. Desde crianças, demos os primeiros passos juntos. Aprendemos a andar juntos, depois aprendemos a correr. E o fato de cada um de nós estar influenciando o outro era muito importante. E estávamos aprendendo, não apenas sobre músicas e coisas sobre a vida, tínhamos vindo de Liverpool para Londres e então estávamos vendo a cena londrina juntos. Mesmo que não morássemos juntos, conversávamos sobre tudo e as mesmas influências. Nós talvez iríamos aos mesmos clubes e faríamos isso e aquilo. E então todas essas influências sempre estiveram lá. E o fato de termos percorrido essa jornada juntos significava que, ‘Ei, vamos apenas continuar e, quem sabe, podemos melhorar’. E assim fizemos e se eu fizesse algo um pouco à frente da curva, então John surgiria com algo que estava um pouco à frente da minha curva. E então eu pensava, ‘Bem, que tal isso?’ E havia muita competição amigável.
Sean: Você sente que se absorveram de uma maneira que a outra pessoa os influenciou a se tornar quem você acabou sendo como artista?
Paul: Sim, quero. Sim. Realmente muito. E como você diz quem sabe, quero dizer, eu estava procurando ser professora. E não sei o que John estava olhando, talvez um artista ou algo que não sei, e acho que resgatamos um ao outro.
Sean: Dito isso … há algum disco solo do pai que você meio que se lembra de ter pensado, ‘Oh, ele está fazendo um bom trabalho nisso’. Como eu imagino que você gostaria de Mind Games, a música ou algo assim, mas isso é apenas na minha cabeça ou Sonho Número Nove. Há alguma música ou disco que você lembra de ser fã dele quando ele estava fazendo carreira solo?
Paul: Sim, quero dizer, muitas vezes me perguntam sobre minhas músicas favoritas, e sempre incluo Beautiful Boy.
Sean: Acho que é um acorde seis maior, que ele deve ter aprendido com você, porque você tem um 6 maior no início de Fool On The Hill. E eu acho que você fez um 6 antes dele. Sempre penso assim.
Paul: [risos] Eu inventei o 6 maior!
Sean: Você inventou o acorde 6 maior.
Paul: Não, você sabe, eu adoro isso. Eu amo o que eu faço. Eu digo Feliz Aniversário, John. Um menino adorável, adorável e é ótimo falar com você, Sean, que também é um garoto adorável, nesta ocasião. É ótimo cara.
Sean: Muito obrigado. Eu realmente aprecio, tem sido muito divertido, especialmente ouvir sobre o papai e ouvir sobre minha avó também é bom. Então esse foi Watching the Wheels do álbum Double Fantasy do meu pai e da minha mãe. E é aí que nosso programa termina. Eu realmente gostei de fazer isso e espero que vocês também tenham gostado. Desejo um feliz aniversário ao meu pai. As pessoas podem envelhecer, mas a boa música nunca. Obrigado por dedicar seu tempo para aprender um pouco mais sobre John Lennon aos 80 anos.

Vida Fodona #681: John Lennon, 80 anos e 1 dia

vf681

Duas horas e meia com o mestre…

John Lennon – “Isolation”
John Lennon – “Imagine”
John Lennon – “Watching the Wheels”
Beatles – “I’m a Loser”
John Lennon – “Nobody Loves You (When You’re Down and Out)”
Beatles – “Nowhere Man”
Beatles – “You’ve Got To Hide Your Love Away”
John Lennon – “I Found Out (Home Recording, 1970)”
John Lennon – “Crippled Inside”
John Lennon – “It’s So Hard”
Beatles – “The Ballad Of John And Yoko”
John Lennon – “Ain’t That a Shame”
John Lennon – “Gimme Some Truth”
Beatles – “I’m Only Sleeping”
Beatles – “I’m So Tired”
John Lennon – “How?”
John Lennon – “Aisumasen (I’m Sorry)”
John Lennon – “Woman”
John Lennon – “Love”
Beatles – “Real Love”
John Lennon – “Instant Karma! (We All Shine On)”
Beatles – “Don’t Let Me Down”
John Lennon – “Mother”
Beatles – “Julia”
John Lennon – “Dear Yoko”
John Lennon – “Oh Yoko!”
Beatles – “If I Fell”
John Lennon – “Bring It on Home to Me” / “Send Me Some Lovin'”
John Lennon – “I Want You (She’s So Heavy)”
John Lennon – “Mind Games”
John Lennon – “#9 Dream”
Beatles- “Lucy In The Sky With Diamonds”
Beatles – “Tomorrow Never Knows”
Beatles – “I Am The Walrus”
Beatles – “She Said She Said”
John Lennon – “Whatever Gets You Thru the Night”
John Lennon – “Nobody Told Me”
John Lennon – “How Do You Sleep?”
John Lennon – “Cold Turkey”
Beatles – “Yer Blues”
Beatles – “Help!”
Beatles – “Strawberry Fields Forever”
John Lennon – “God”
John Lennon – ” (Just Like) Starting Over”

“¿Qué pasa, New York?”

Foto: Bob Gruen (divulgação)

Foto: Bob Gruen (divulgação)

Pouco antes da pandemia nos enclausurar em casa, pude conversar com o fotógrafo norte-americano Bob Gruen, cujas fotos que fez John Lennon em Nova York são tema de uma exposição no MIS-SP, que foi suspensa até o fim desta quarentena estranha. Amigo pessoal de John, Bob passou quase todos os anos 70 perto do beatle e o ajudou a criar uma imagem que o distanciasse do grupo que o consagrou, fazendo retratos que hoje se confundem com a própria imagem pública de John. A entrevista rendeu uma matéria para o site da revista Zum – confere lá.

Máquina do Tempo: 1° a 30 de abril

marvin-gaye
1° de abril de 1984 – Morre Marvin Gaye

claranunes
2 de abril de 1983 – Morre Clara Nunes

jayz
3 de abril de 2008 – Jay-Z funda sua gravadora

beastie-boys
4 de abril de 1992 – Os Beastie Boys tocam com instrumentos pela primeira vez

kurt-cobain
5 de abril de 1992 – Kurt Cobain tira a própria vida

capitol-records
6 de abril de 1956 – A gravadora Capitol inaugura sua lendária sede

billieholiday
7 de abril de 1915 – Nasce Billie Holiday

massiveattack
8 de abril de 1991 – Massive Attack lança Blue Lines

fonautografo
9 de abril de 1860 – O som é registrado pela primeira vez

George-Harrison-Stu-Sutcliffe-John-Lennon
10 de abril de 1962 – Morre Stu Sutcliffe, o quinto beatle

Metallica-Mustaine
11 de abril de 1983 – Dave Mustaine é expulso do Metallica

rem-murmur
12 de abril de 1983 – R.E.M. lança seu primeiro álbum

catchafire
13 de abril de 1973 – Bob Marley lança Catch a Fire

public-enemy-nation-of-millions
14 de abril de 1988 – Public Enemy lança It Takes a Nation of Millions to Hold Us Back

rockforlight
15 de abril de 1983 – Bad Brains lança Rock for Light e inventa o hardcore

mc5
16 de abril de 1969 – O MC5 é expulso da gravadora Elektra

mccartney
17 de abril de 1970 – Paul McCartney lança seu primeiro disco solo


18 de abril de 2013 – Morre Storm Thorgerson, designer do Pink Floyd

leadbelly
19 de abril de 1937 – A revista Life descobre Lead Belly

avicii
20 de abril de 2018 – Morre o DJ Avicii

robert-smith
21 de abril de 2018 – Nasce Robert Smith

troggs
22 de abril de 1966 – Os Troggs lançam “Wild Thing”

yhf-wilco
23 de abril de 2002 – Wilco finalmente lança Yankee Hotel Foxtrot

fullmoonfever
24 de abril de 1989 – Tom Petty finalmente lança seu primeiro disco solo

parklife
25 de abril de 1994 – Blur lança o clássico do britpop Parklife

studio54
26 de abril de 1977 – É inaugurado o Studio 54, a meca da disco music

inhisownwrite
27 de abril de 1964 – John Lennon lança seu primeiro livro

itunes
28 de abril de 2003 – Apple lança a primeira loja de música online

gonzaguinha
29 de abril de 1991 – Morre Gonzaguinha


30 de abril de 1978 – Rock Against Racism reúne 100 mil em Londres

Máquina do Tempo: 1° a 31 de março

darksideofthemoon
1° de março de 1973 – O Pink Floyd lança The Dark Side of the Moon

mamonas
2 de março de 1996 – Morrem os Mamonas Assassinas

likeaprayer
3 de março de 1989 –Madonna lança o polêmico clipe de “Like a Prayer”

timewarner
4 de março de 1989- TimeWarner torna-se a maior empresa de mídia do mundo

creem
5 de março de 1969 –É lançada a revista Creem

chorao
6 de março de 2013 –Morre Chorão

bluemonday
7 de março de 1983 –New Order lança “Blue Monday”

bob-dylan
8 de março de 1965 –Bob Dylan lança “Subterranean Homesick Blues”

biggie
9 de março de 1997 –Notorious B.I.G. é assassinado

sexpistols-
10 de março de 1977 –Os Sex Pistols anunciam “God Save the Queen” em frente ao palácio de Buckingham

dejavu
11 de março de 1970 –Crosby Stills Nash & Young lançam Déjà-Vu

vu-n
12 de março de 1967 –Velvet Underground lança seu primeiro disco

temptations
13 de março de 1961 –Os Temptations fazem teste para entrar na Motown

3 feet high
14 de março de 1989 –De La Soul lança o clássico 3-Feet High and Rising

tim-maia
15 de março de 1998 –Morre Tim Maia

otis-redding
16 de março de 1968 –“(Sittin’ On) The Dock of the Bay” é o primeiro hit póstumo

greatest-hits
17 de março de 1958 –É lançada a primeira coletânea chamada “Greatest Hits”

chuck-berry
18 de março de 2017 –Morre Chuck Berry

il-guarany
19 de março de 1870 –Carlos Gomes estreia a ópera O Guarani na Itália

leeperry
20 de março de 1936 –Nasce Lee “Scratch” Perry

rock_around_the_clock
21 de março de 1956 –O filme Rock Around the Clock estreia nos cinemas

miranda--
22 de março de 2018 –Morre Miranda


23 de março de 2003 –“Lose Yourself” é o primeiro rap a ganhar o Oscar de melhor canção

elvis-exercito
24 de março de 1958 –Elvis se alista no exército

john-yoko-bed-in
25 de março de 1958 –John e Yoko realizam o primeiro bed-in

dylan-bootlegseries
26 de março de 1991 –Bob Dylan começa a oficializar seus discos pirata

Renato_Russo
27 de março de 1960 –Nasce Renato Russo

blondie
28 de março de 1981 –O primeiro rap a chegar no topo das paradas é do Blondie

brian-johnson
29 de março de 1980 –Brian Johnson entra no lugar de Bon Scott no AC/DC


30 de março de 1967 –A capa de Sgt. Pepper’s é fotografada

hendrix-fire
31 de março de 1967 –Hendrix incendeia sua guitarra pela primeira vez

Máquina do Tempo: 1° a 31 de dezembro

filth-fury
1° de dezembro – Os Sex Pistols falam “fuck” pela primeira vez na TV, Neil Young é processado pela gravadora por mudar seu som e Kenny G segura uma nota por 45 minutos

jjorgeben70
2 de dezembro – Rod Stewart chega ao topo plagiando Jorge Ben, Bowie lança seu primeiro single e o porco inflável do Pink Floyd escapa

brianepstein
3 de dezembro – Os Beatles conhecem Brian Epstein, é exibido o 1968 Comeback Special de Elvis e Bono recupera seu laptop perdido – com o disco novo do U2

deeppurple
4 de dezembro – Um incêndio inspira a faixa-símbolo do Deep Purple, o Led Zepellin anuncia seu fim e morre Frank Zappa

bobmarley
5 de dezembro – Bob Marley faz show dois dias depois de ser vítima de um atentado, Black Flag lança o primeiro disco e Adele ultrapassa Amy Winehouse

altamont
6 de dezembro – O festival de Altamont encerra os anos 60 de forma trágica, morre Leadbelly e Elvis Costello se casa com Diana Krall

otisredding
7 de dezembro – Otis Redding finaliza sua faixa-símbolo, os Beatles fecham sua Apple Store e Bowie aparece em público pela última vez

sargentelli
8 de dezembro – Nasce Sargentelli, morre John Lennon e o Metallica toca na Antártida

charlie-brown-natal
9 de dezembro – Vince Guaraldi põe jazz na trilha de Charlie Brown, o Chic chega ao topo das paradas e Ozzy sofre um acidente

cbgb
10 de dezembro – A fundação do CBGB’s, a morte de Otis Redding e a queda que quase matou Frank Zappa

velvet-underground-
11 de dezembro – O primeiro show do Velvet Underground, Jerry Lee Lewis casa-se com prima de 13 anos e Mariah Carey leva o ringtone de ouro

thedoors
12 de dezembro – O último show dos Doors, Ace Frehley quase morre eletrocutado num show e Mick Jagger vira Sir

pattismith
13 de dezembro – Patti Smith lança Horses, o semanário inglês Melody Maker acaba e Beyoncé lança um disco-surpresa

clash
14 de dezembro</strong> – O Clash lança London Calling, Os Embalos de Sábado à Noite estreia no cinema e morre Ahmet Ertegun


15 de dezembro – Dr. Dre lança The Chronic, morre Glenn Miller e Taylor Swift chega ao topo com seu 1989


16 de dezembro – O fim do The Who, o hit de Billy Paul e o seguro na língua de Miley Cyrus


17 de dezembro – Elvis Costello é banido do Saturday Night Live, Dylan chega à Inglaterra pela primeira vez e morre Captain Beefheart

keith-richards
18 de dezembro – Nasce Keith Richards, os Beatles iniciam sua última temporada em Hamburgo e Rod Stewart toca para 35 milhões de pessoas

madonna
19 de dezembro – Madonna ultrapassa Coldplay, Lady Gaga, Jay-Z e Kanye West, o roadie de Henry Rollins morre assassinado e Elton John emplaca seu primeiro hit nos EUA

adele
20 de dezembro – Adele chega ao topo de 2012, Joan Baez é presa por protestar contra a guerra e morre Reginaldo Rossi

psy
21 de dezembro – “Gangnam Style” é o primeiro clipe a bater um bilhão de views no YouTube, Elvis se encontra com Nixon e morre Júpiter Maçã

almirante
22 de dezembro – Morre o sambista e pesquisador Almirante, o pensamento vivo de Ronald Reagan em disco e a quase morte de um Motley Crue


23 de dezembro – É inaugurada a rádio pirata mais conhecida da história, Brian Wilson sofre um colapso nervoso e Ice Cube é expulso do N.W.A.


24 de dezembro – O último show dos Sex Pistols na Inglaterra, o primeiro show dos New York Dolls e o Nirvana começa a gravar seu primeiro disco

whitechristmas
25 de dezembro – “White Christmas”, o single mais vendido de todos os tempos volta ao topo das paradas e morrem Dean Martin, James Brown e George Michael


26 de dezembro – Paul McCartney “morre” em um acidente de carro e os Beatles o trocam por um sósia, The Wall chega ao topo das paradas de discos e morre Curtis Mayfield

showboat
27 de dezembro – Show Boat inaugura o musical moderno, Leonard Cohen lança seu primeiro álbum e o Led Zeppelin, seu segundo


28 de dezembro – Dennis Wilson, dos Beach Boys, morre afogado no mar, Elvis Presley toma LSD e um câncer violento mata Lemmy

cassia
29 de dezembro – Morre Cássia Eller, o casal do Jefferson Airplane se separa e Aimee Mann casa-se com Michael Penn

frank-sinatra
30 de dezembro – Sinatra torna-se o primeiro ícone adolescente do mundo, o fim do Emerson Lake & Palmer e George Harrison é esfaqueado

rodstewart
31 de dezembro – Rod Stewart faz o maior show ao ar livre do mundo, o fim do Max’s Kansas City e Paul McCartney torna-se Sir

Máquina do Tempo: 1° a 30 de novembro

billboard
1° de novembro – O lançamento da revista Billboard, o dia que o mundo conheceu o disco Abbey Road, a morte de Yma Sumac e o aniversário de Pabllo Vittar

youresovain
2 de novembro – Carly Simon lança “You’re So Vain”, a primeira vez do termo “Beatlemania” é a prisão do pai de Marvin Gaye

Vanilla-Ice
3 de novembro – “Ice Ice Baby” levando o rap ao topo das paradas pela primeira vez, a volta dos Righteous Brothers e censura a shows de rock!

good-vibrations
4 de novembro – Os Beach Boys lançam “Good Vibrations”, My Bloody Valentine lança o Loveless e morre Fred “Sonic” Smith

d2
5 de novembro – Aniversário de D2, Thaíde e Mr. Catra, a estreia do programa de Nat King Cole e a morte de Link Wray


6 de dezembro – Taylor Swift lança 1989, os Sex Pistols estreiam ao vivo (por dez minutos!) e os Monkees lançam um filme lóki

ary-barroso
7 de novembro – O nascimento de Ary Barroso, o último show de Aretha Franklin e a morte de Leonard Cohen

led-zeppelin-iv
8 de novembro – O lançamento do quarto disco do Led Zeppelin, David Bowie no programa da Cher e o filme que deu um Oscar pro Eminem

rolling-stone
9 de novembro – É lançada a revista Rolling Stone, o disco 36 Chambers do Wu-Tang Clan, John conhece Yoko e Bowie toca ao vivo pela última vez

queen
10 de novembro – A gravação do clipe de “Bohemian Rhapsody”, o primeiro rap a entrar na lista dos mais vendidos e Chaka Khan com Prince, Stevie Wonder e Melle Mel

twovirgins
11 de novembro – John & Yoko lançam Two Virgins, Bill Haley chega ao topo das paradas e Dylan lança seu primeiro livro

likeavirgin
12 de novembro – Madonna lança o disco Like a Virgin, o estúdio Abbey Road é fundado e o Velvet Underground faz seu primeiro show

qotsa-bataclan
13 de novembro – Atentado terrorista no show do Eagles of Death Metal, “Feelings” ganha o disco de ouro e morre Ol’ Dirty Bastard

Black-or-White
14 de novembro – Michael Jackson lança o clipe de “Black Or White”, Ray Charles chega pela primeira vez ao topo e Pete Townshend assume que é bissexual

millivanilli
15 de novembro – Empresário do Milli Vanilli assume que dupla é uma fraude, Janis Joplin é presa por xingar um guarda e os Dire Straits dominam as paradas

candeia
16 de novembro – A morte de Candeia, a prisão do baterista do Clash e os Stones tocam na festa privê de um bilionário

Composer Heitor Villa-Lobos at the Piano
17 de novembro – Morre o maestro Heitor Villa-Lobos, o primeiro disco das Spice Girls e Patti Smith ganha o National Book Award

genesis-lamb-lies-down
18 de novembro – Genesis lança o clássico The Lamb Lies Down on Broadway, morre Danny Whitten da Crazy Horse de Neil Young e o Nirvana grava seu Acústico MTV

michael-varanda
19 de novembro – Michael Jackson pendura o filho bebê na varanda, Carl Perkins grava “Blue Suede Shoes” e Zappa conclui sua ópera Joe’s Garage

keithmoon
20 de novembro – Keith Moon passa mal e fã termina o show tocando bateria com o Who, Isaac Hayes chega ao topo e Bo Diddley é banido da TV

petergrant
21 de novembro – A morte de Peter Grant, o empresário que fez o Led Zeppelin acontecer, Olivia Newton John emplaca “Physical” e os Beatles lançam Anthology

MichaelHutchence
22 de novembro – A morte acidental do líder do INXS, Michael Hutchence, o início da carreira de Simon & Garfunkel e Pearl Jam apenas em vinil

Jerry-Lee-lewis-mugshot
23 de novembro – Jerry Lee Lewis é preso após baixar armado na casa de Elvis Presley, Pink Floyd nas paradas de sucesso e morre Adoniran Barbosa

Freddie-Mercury
24 de novembro – Morre Freddie Mercury, Howlin’ Wolf toca na Inglaterra e o Crowded House encerra suas atividades

bodyguard
25 de novembro – Estreia Guarda-Costas o filme que catapultou a carreira de Whitney Houston, surge a primeira gravadora online e morre Nick Drake

hacienda
26 de novembro – O clube Haçienda é leiloado, o Cream faz seu último show e Richey Edwards, dos Manic Street Preachers, é declarado morto

justifymylove
27 de novembro – O clipe de “Justify My Love” é banido da MTV, Hendrix comemora aniversário num show dos Stones e o Pavement termina ao vivo

elton-lennon
28 de novembro – John Lennon toca pela última vez ao vivo (ao lado de Elton John), Kurt Cobain zoa o Top of the Pops e Britney dá a volta por cima

susanboyle
29 de novembro – O fenômeno Susan Boyle cumpre a promessa em seu primeiro álbum, morre George Harrison e Taylor Swift substitui a si mesma no topo

cartola
30 de novembro – Morre Cartola, Michael Jackson lança Thriller, Madchester chega ao Top of the Pops e Joey Ramone vira um quarteirão em NY