Caetano Veloso, João Gilberto e Gal Costa juntos em 1971

Segunda pérola de João Gilberto que ressurge em 2021 pelas mãos do produtor e pesquisador Pedro Fontes. Ele primeiro foi linkado por André Paste, que mostrou João na França, no fim dos anos 80, tocando sozinho um hino da Mangueira. Agora é o GG Albuquerque que pinça uma gravação feita na TV Tupi no início dos anos 70, quando João se dispôs a gravar com Caetano Veloso e Gal Costa num momento em que Caetano ainda estava no exílio. Ele voltou ao país para o aniversário de 40 anos do casamento dos pais, em um movimento armado por Maria Bethania, que conseguiu autorização com os militares para que ele pudesse retornar, ao menos temporariamente. Além da festa familiar na Bahia, a visita também rendeu um especial feito para a TV Tupi, em São Paulo, quando João, Gal e Caetano gravaram uma hora e meia de clássicos da música brasileira com a participação do guitarrista Lanny Gordin tocando violão. É justamente este material que Pedro teve acesso e disponibilizou em seu canal no YouTube. Infelizmente, a última parte da gravação se perdeu, mas seus dois primeiros terços reúnem pérolas como “Retrato em Branco e Preto”, “Chega de Saudade”, De Noite na Cama”, “Você Já Foi à Bahia?”, “Baby”, “Saudosismo”, “Falsa Baiana”, “Asa Branca”, “Saudosismo”, “Desafinado” e tantas outras.

Clássico é pouco – ouça aqui. Continue

Canta João Gilberto: “Tem xinxim e acarajé…”

E essa pérola desenterrada pelo Pedro Fontes e destacada pelo André Paste em seu blog Fuleiragem? Nosso pai João Gilberto descortina na França, em 1989, uma versão maravilhosa para “Caymmi Mostra Ao Mundo O Que A Bahia E A Mangueira Tem”, samba-enredo com o qual a Mangueira venceu do carnaval de 1986 no Rio de Janeiro.

Uma maravilha pra ser ouvida repetidas vezes… Continue

Passarim fora de órbita

passarim30

Quando Tika, Kika, João Leão e Igor Caracas se juntaram para homenagear o disco que Tom Jobim lançou em 1987, mal sabiam o quanto esta união iria durar. “Estamos há três anos tocando o projeto que criamos sobre o álbum Passarim e nesse projeto reduzimos os arranjos de um disco gravado com orquestrações e coro para nossa formação de quatro integrantes – quatro vozes, bateria, piano, guitarra e sintetizador”, Kika relembra o início de Passarim30. “Fizemos uma pesquisa de timbres, escolhemos as frases mais marcantes do disco, tiramos as linhas vocais com fidelidade e gostamos do resultado, da sonoridade que alcançamos”. Agora o quarteto começa a gravitar em direção a outro mestre da música brasileira, João Gilberto, ídolo dos quatro, que é revisitado através de sua versão para “O Astronauta”, de Carlos Pingarrilho e Marcos Vasconcellos, lançada em primeira mão aqui no Trabalho Sujo no dia do primeiro aniversário sem sua presença entre nós, já que João morreu no ano passado.

“João Gilberto é uma grande referência pra nós, todos temos uma ligação muito forte com a obra dele. Quem lembrou de ‘Astronauta’ foi a Tika, que estava tirando essa harmonia no violão”, Kika continua. “Pensamos que a letra tinha um subtexto de despedida, ficamos imaginando o João Gilberto como sujeito da canção – ele agora mora só no pensamento ou então no firmamento… – e então decidimos que seria um presente pra ele, que se despediu ano passado quase em silêncio, sem muitas homenagens, sem uma nota oficial sequer. Concordamos que ele foi o maior artista brasileiro de todos os tempos, quisemos fazer nossa interpretação para ficar mais perto dele, como uma maneira de dizer que temos saudade e que sabemos o valor de tudo que ele deixou pra nós. O clipe é assinado por Guilherme ‘Guime’ Destro, que recolheu imagens do recôncavo baiano, filmadas numa vila de pescadores chamada Santiago do Iguape em Cachoeira, na Bahia, imagens que remetem às origens da nossa cultura e diversidade artística, além de já ser uma homenagem ao nosso homenageado, que é também baiano.”

O resultado, produzido por Victor Rice, é o primeiro registro fonográfico do grupo, que só havia se apresentado ao vivo, e traz o imaginário musical de João numa bossa nova setentista que acena para os timbres elétricos do soul e o jazz, mas sem perder o minimalismo e as harmonias ousadas do mestre baiano. “A mágica do João Gilberto está na interação da voz dele com o violão, na escolha dos acordes e tempos”, Kika continua falando sobre a versão. “Procuramos preservar ao máximo a harmonia dele e certas jogadas de tempo que ele faz. A maior dificuldade é a mesma de revisitar qualquer música da bossa nova, recriar algo que muitos julgam intocável, por isso temos um cuidado com a escolha do repertório, em não trazer temas que já foram exaustivamente revisitados.”

O registro faz com que o grupo pense para além da homenagem que vinha fazendo. “Há um tempo estamos trabalhando essa ideia de expansão do Passarim30”, continua a cantora. “Nós vemos um potencial enorme em um grupo formado por instrumentistas que são também compositores, produtores, cantores e têm o seu trabalho solo. Praticamente desde o início do projeto nós sempre demos um jeito de incluir alguma música autoral em nossos shows. Procuramos compor em parceria também, o que pode gerar um trabalho completamente autoral no futuro, mas esse primeiro passeio do grupo fora da obra do Tom com João Gilberto é uma consequência natural dessa nossa busca.” Além de “Astronauta”, o grupo também gravou “Borzeguim”, do Tom Jobim, que será lançada em breve.

Vida Fodona #644: Festa-Solo (25.5.2020)

vf644

Toda segunda, às 21h, no twitch.tv/trabalhosujo

Velvet Underground – “Cool It Down”
Astrud Gilberto – “Beginnings”
Yo La Tengo – “Moby Octopad”
Gilberto Gil – “Indigo Blue”
Anelis Assumpção – “Chá de Jasmim”
Otto – “Soprei”
Metronomy – “She Wants”
Beatles – “Lovely Rita”
Rapture – “Miss You”
John Cale + Terry Riley – “The Protege”
Cocteau Twins – “Cherry-Coloured Funk”
Walter Franco – “Cena Maravilhosa”
Jim James – “We Aint Getting Any Younger Pt. 2”
Memory Tapes – “Green Knight”
Washed Out – “Feel It All Around”
Garotas Suecas – “Bucolismo”
Unknown Mortal Orchestra – “Swim And Sleep (Like A Shark)”
Doors – “My Wild Love”
Syd Barrett – “Baby Lemonade”
Siba – “O Inimigo Dorme”
Bill Withers – “Everybody’s Talkin'”
Van Morrison – “Astral Weeks”
Jupiter Apple – “Welcome to the Shade”
João Gilberto – “Undiú”
Letuce – “Animadinha”
Isaac Hayes – “Never Can Say Goodbye”
Bruno Schiavo – “Orégano”
Pelados – “O Fim”
Thiago França – “Dentro da Pedra”
Miles Davis – “So What”
Lambchop – “The Old Gold Shoe”
Nina Becker – “Toc Toc”
David Bowie – “Life on Mars?”
Fagner – “Traduzir-se”
Angel Olsen – “Sister”

 

Vida Fodona #637: Uma forma pouco convencional

vf637

Outro programa gravado ao vivo.

Massive Attack – “Be Thankful for What You Got”
Curtis Mayfield – “Gimme Your Love”
Ana Frango Elétrico – “Chocolate”
Tame Impala – “It Might Be Time”
Brian Eno – “St. Elmo’s Fire”
Carole King – “I Feel the Earth Move”
Pink Floyd – “Free Four”
Josyara + Giovani Cidreira – “Molha”
Rocket Juice & The Moon – “Poison”
Gilberto Gil – “Feliz por um Triz”
Arnaldo Baptista – “Hoje de Manhã Eu Acordei”
Silver Jews – “Random Rules”
Daft Punk + Julian Casablanca – “Instant Crush”
Teenage Fanclub – “Verisimilitude”
Tim Maia – “Manhã de Sol Florida, Cheia de Coisas Maravilhosas”
Lulina – “N”
Washed Out – “Eyes Be Closed”
Happy Mondays – “Loose Fit”
Itamar Assumpção – “Beijo na Boca”
João Gilberto – “Estate”
Nill – “Minha Mulher Acha Que Eu Sou o Brad Pitt”
Kanye West – “Love Lockdown”

Na comunidade Acabou Chorare

novos-baianos

Com a passagem de Moraes Moreira, o Canal Brasil publica em seu YouTube a edição do programa O Som do Vinil, apresentado por Charles Gavin, dedicada ao clássico Acabou Chorare, dos Novos Baianos, com entrevista com todos os integrantes da banda, numa deliciosa recriação do universo único desse disco mágico e da relação do grupo com seu mestre João Gilberto.

O gótico, quem diria, começou com a bossa nova

joaogilbertoisdead

“Isso não é um mashup, isso é um manifesto!”, escreve Paulo Beto, o mentor do Anvil FX, na descrição do curto clipe “Bossa Morta (João Gilberto is Dead)”, que publicou nesta sexta-feira, ao sobrepor “Garota de Ipanema” na voz e violão de João Gilberto sobre a bateria, guitarra e efeitos que abrem o marco zero da estética gótica na música pop dos anos 80, a eterna “Bela Lugosi is Dead”, do Bauhaus. Não é uma coincidência, a bateria sincopada que dá o tom de toda a música e que transforma, naquele momento, a banda de Peter Murphy numa espécie de Joy Division com quadris, é nitidamente inspirada no andamento de uma das células rítmicas mais conhecidas da história de nossa música.

Isso é maravilhoso na música, sua influência inconsciente, que se esgueira e fica (tipo “Louie Louie”, que era um cha cha cha, mas isso é outro história).

Todo o Show: João Gilberto no Festival de Águas Claras

joao-gilberto-aguas-claras

Se você não viu O Barato de Iacanga, documentário sobre as mitológicas edições do maior festival hippie que já aconteceu no Brasil, pare tudo que está fazendo e assista agora – tem no Netflix, corre enquanto é tempo. Mas se você já assistiu ao filme, sabe que um dos pontos máximos é a inesperada e antológica participação de João Gilberto na terceira edição do Festival de Águas Claras, que o maior nome da história da música brasileira considerava um de seus melhores shows. O mais legal é descobrir que esse show está inteirinho no YouTube, aumenta o volume…

Rei Sem Coroa – Repertório Inexplorado de João Gilberto

reisemcoroa-ccsp

Parte do repertório dos shows de João Gilberto nunca foi gravada – canções que ouvia no rádio quando ainda morava na Bahia, que não chegou a registrar em disco e que eram lapidadas, lentamente, em seus shows pelo mundo. O espetáculo Rei Sem Coroa, idealizado por Paulo Carvalho e Kassin com as presenças das cantoras Nina Becker e Mãeana, estreia neste sábado no Centro Cultural São Paulo, às 19h, e traz justamente este repertório inexplorado do maior nome da nossa música (mais informações aqui).

Arthur Nestrovski explica João Gilberto

ArthurNestrovski

Em quatro vídeos feitos pela Piauí, o diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Arthur Nestrovski, sintetiza a importância do maior artista brasileiro, João Gilberto, que morreu há um mês.