Galaxie 500 + Mercury Rev

dean-britta-mercury-rev

Que combinação: Dean Wareham & Britta Phillips (Dean & Britta, ora pois) juntos com Jonathan Donahue & Grasshopper (do Mercury Rev) tocando “Snowstorm” e “Car Wash Hair” em Nova York, em 2010. Assista abaixo:

Continue

Vinteonze: Uma dimensão paralela onde tudo é legal o tempo todo

Sobrevivemos à festa de 15 anos do Trabalho Sujo para falar dos shows de Arthur Verocai e do casal Dean & Britta, de uma geral na Virada Cultural 2011 (além de dicas para melhorar este conceito – e de graça, hein prefeitura!), Lima Barreto, “Revolution 9” ao vivo, Santiago, subcomandante Marcos, Fringe e Michael Chabon (Maps and Legends e The Yiddish Policemen’s Union são os livros referidos), tudo ao som da mixtape I Can Hear the Sounds You Don’t Remember, que o Bruno Morais fez para distribuir na supracitada festa, disponível para donwload no site da Dani. Ouvidos à obra.


Ronaldo Evangelista & Alexandre Matias – “Vinteonze #0005“ (MP3)

De volta ao velho Galaxie 500

Outro show incrível foi o de sexta passada que, com a mesma banda que visitou os screentests de Andy Warhol capitaneada pelo casal Dean & Britta, homenageou a banda original de Dean, o Galaxie 500. Foi um show autenticamente emotivo, solene e intenso – como era o velho G500. E a proximidade entre público e palco oferecida na Choperia do Sesc Pompéia fez que músicos e fãs pudessem estar sintonizados na mesma freqüência. Filmei algumas músicas – e meu vídeo favorito é o de “Night Nurse”, por motivos pessoais.


“Temperature’s Rising”


“Decomposing Trees”


“Strange”


“Tugboat”


“Listen the Snow is Falling”


“4th of July”


“Moon Palace”


“Night Nurse”


“Ceremony”

Vida Fodona #280: Do jeito que ela deve ser ouvida

Voltando a se equilibrar…

Marcelo Camelo – “Acostumar”
Lulina – “13 de Junho”
Lykke Li – Sadness is a Blessing””
Kassin – “Pra Lembrar”
Radiohead – “The Butcher”
Bluebell – “Triz”
Vetiver – “Can’t You Tell”
Wavves – “Horse-Shoes”
Yuck – “Get Away”
Superchunk – “Crossed Wires”
Dean Wareham & Britta Philips – “Night Nurse”
Circo Motel – “Sunshine”
Breakbot + Ruckazoid – “Fantasy”
Daft Punk – “End of Line (Boys Noize Remix)”
Santigold + Karen O – “Go”
Streets – “Trust Me”

Venha.

13 Most Beautiful… Songs for Andy Warhol Screen Tests

E pra quem não pode ir ontem, tem esse consolo via YouTube…


Richard Rheem


Ann Buchanan


Paul America


Edie Sedgwick / Billy Name


Susan Bottomly


Dennis Hopper


Mary Woronov


Nico / Freddy Herko


Ingrid Superstar


Lou Reed


Jane Holzer

Dean Wareham e Britta Philips tocando para Andy Warhol

O show de ontem foi lindo.


“Richard Rheem” / “Ann Buchanan” / “Teenage Lightning and Lonely Highways”


“It Don’t Rain on Beverly Hills”


“Herringbone Tweed” / “I Found it Not So”


“I’ll Keep it With Mine”


“Eyes in My Smoke”


“I’m Not a Young Man Anymore”


“Knives From Bavaria”


“Tiger Lily”

E hoje, quem vai?

Dean Wareham e Britta Phillips no Brasil

E fechando a lista de shows anunciados pra agora, olha que boa surpresa: o casal Dean Wareham e Britta Philips toca no Sesc em abril. São dois shows. Um deles se chama 13 Most Beautiful: Songs for Andy Warhol’s Screen Tests, em que os dois tocam sobre os clássicos testes de tela do Warhol, em que ele ficava filmando os rostos de gente que associava à sua prole, como o Velvet Underground e Dennis Hopper. Sente o drama:

O segundo show chama-se Dean Wareham plays Galaxie 500 songs e é exatamente isso: canções da banda que pôs Dean no mapa, mas… tocadas apenas por Dean? Britta sempre toca com ele…

E eles tocam até música dos outros:

Pra quem tá boiando na importância do show, uma aulinha: a aliança entre o Velvet Underground e Andy Warhol, em Nova York no meio dos anos 60, fez que o rock ganhasse uma aura impensável anos antes, quando os Beatles chutaram o balde cantando iê-iê-iê – e deu um sabor bem nova-iorquino à maturidade que o rock atingiu quase nos anos 60, quando Londres e a San Francisco viraram techicolor e Dylan, os Beatles e os Stones ganharam tons sépia (Dylan em Woodstock, Stones country e Let it Be, respectivamente). Nova York ganhou o preto e branco artsy dos filmes de Warhol e do free jazz, misturando-o à eletricidade típica do rock, ao mesmo tempo que a expandia-a para além do ritmo e do solo.

O cânone inaugurado pelo Velvet continuou por vias tortas com os Modern Lovers e o Television, sendo absorvido completamente quinze anos depois por uma nova geração, personificada no Sonic Youth. E antes do Yo La Tengo assumir o bastão com a entrada de James McNew na banda, no início dos anos 90, foi o Galaxie 500 quem manteve acesa a chama dessa música especificamente nova-iorquina.

Com três discos, a banda se tornou o grupo indie mais importante dos EUA ao lado dos Pixies, no final dos anos 80, americanizando uma tendência de retomar microfonia e doçura iniciada pelos irmãos Reid no Jesus & Mary Chain, na Inglaterra. E depois de sua existência, Dean formou o Luna, que contou com a ex-dubladora do desenho animado Jem e futura esposa Britta na formação a partir do ano 2000 – o grupo até tocou no Brasil em 2002, se não me engano… De qualquer forma, a vinda dos dois é uma ótima oportunidade para toda uma geração amamentada com roquinho fuleiro (já já falo do novo dos Strokes, do Arctic Monkeys e do Vaccines, guentaê) descobrir uma banda completa.

De brinde, um hit do casal que o Luciano sempre tocava nos primeiros anos da GB…

Mais informações sobre os shows aqui.

As 300 melhores músicas dos anos 00: 198) Dean & Britta – “Ginger Snaps”