Guy Fawkes para as massas

guy-fawkes-0-

Tantas máscaras do V de Vingança… de onde elas vêm? O Extra descobriu uma das fábricas que vem abastecendo os Guy Fawkes brasileiros (“a máscara do anônimos”) e fez uma galeria de fotos em seu site. Tem umas aí embaixo.

Continue

Para nos lembrar do 5 de novembro, Alan Moore canta: “The Decline of English Murder”

Foi só falar no mestre dos magos que ele apareceu com força total. Nesta segunda-feira ele lança seu primeiro single, com a faixa “The Decline of English Murder”, com rendas revertidas para o pessoal do Occupy Wall Street – não custa lembrar que o 5 de novembro (além de aniversário do Fred) também é a data-chave do V de Vingança, obra de Moore celebrada tanto pelos Occupy quanto pelos Anonymous. O Guardian fez um vídeo com a música, usando cenas do grupo em ação – e o Bleeding Cool providenciou as letras, ambos abaixo:

Continue

4:20

4:20

Anonymous facilita pra quem quiser fazer downloads de filmes e discos da Sony

Colocaram tudo num só site, mas basta visitá-lo pra ver que o problema dos grandes estúdios é como eles têm tão pouco que preste…

Impressão digital #0086: Um balanço de 2011

A primeira novidade do Link em 2012 é que minha coluna saiu do Caderno 2 e passa a frequentar as páginas do caderno de segunda. E como essa é a última edição do ano, Impressão Digital nova só no ano que vem.

A revolução digital tem de sair da tela
No Ano Novo, resta tirar a cara de dentro do computador

Em setembro deste ano, quando transformou mais uma mudança de interface do Facebook em evento público, Mark Zuckerberg entrou no palco um tanto estranho. Em alguns segundos, deu para notar que não era Zuckerberg – e sim o ator do programa humorístico Saturday Night Live que o interpreta, Andy Sandberg, fingindo ser o criador da maior rede social do mundo.


Mark Zuckerberg e Andy Sandberg

Não há como saber se Steve Jobs, em seus últimos dias de vida, viu a performance, mas se o fez, deve ter grunhido, ao mesmo tempo em que ficava pasmo com a ingenuidade de Zuckerberg e o ridicularizava em pensamento.

Isso porque doze anos atrás, antes das apresentações de Steve Jobs se tornarem um fenômeno para além do círculo de carolas da Apple, ele havia feito essa mesma piada, ao convidar o ator Noah Wyle para apresentar a Macworld de 1999. Noah havia acabado de interpretar Jobs num filme feito para TV naquele mesmo ano – o cult Piratas do Vale do Silício – e o criador da Apple não pestanejou ao colocá-lo no palco para fazer o seu papel.


Steve Jobs e Noah Wyle

Mas diferente do que aconteceu com Zuckerberg, anos depois, o encontro do original com a cópia não foi um cumprimento boçal (“mas eu sou o verdadeiro Zuckerberg!”) e sim outra caricatura de Steve Jobs, dessa vez, feita por ele mesmo. Logo que Wyle começa a se entusiasmar com um “produto novo realmente ótimo”, Steve o interrompe para entrar no palco e lhe explicar como é o jeito certo de imitá-lo. Era o Jobs hiperbólico encontrando o Jobs control freak no mesmo palco. E o original conseguia ter mais carisma ainda que o antigo protagonista do Plantão Médico.

Corta para 2011. O principal nome do mundo digital é um nerd sem carisma, o cacique de uma tribo de 800 milhões de pessoas que passam o dia em frente a uma tela dizendo o que curtem. Zuckerberg bem que tentou, mas está longe de conseguir ocupar a vaga deixada por Steve Jobs. E isso é um problema, porque o mundo digital de Jobs e Mark eram relativamente parecidos – ambos queriam obrigar seus públicos a se firmar em torno de uma mesma marca, habitando um ambiente eletrônico administrado por uma empresa que faz o que quiser com dados pessoais de seus consumidores.

O Facebook de Zuckerberg já é conhecido por isso e o ano terminou com o próprio Mark postando em seu blog um pedido de desculpas em relação aos “erros” cometidos no passado – quando o site mudava os termos de uso sem avisar seus usuários, por exemplo. A Apple de Jobs também teve de se desculpar publicamente sobre a denúncia de que os passos dos donos de iPhone estavam sendo vigiados pela própria empresa. É o Big Brother capitalista – em que uma empresa, e não um governo, acompanha cada pequeno passo dado.

A ausência de carisma de Zuckerberg não é um exemplo isolado – é só o mais emblemático. Nenhum dos grandes nomes do mundo digital hoje, no Vale do Silício ou fora dele, proporciona o fator de admiração instigado por Jobs. Nem Larry e Sergey do Google, nem Steve Ballmer da Microsoft, nem ninguém do Twitter, da Zynga, da Sony ou da Rovio.

Os executivos voltaram a ter cara de executivos e o popstar digital – a era de ouro de Jobs e Gates – parece ter ficado no século 20.

Isso também não é exclusividade das empresas de tecnologia. Os líderes do século 21 pouco inspiram. É um fenômeno que tem a ver com a frustração e a angústia que alimenta o oba-oba da curtição no Facebook ou o consumismo desenfreado da era pós-iPhone.

Todos querendo preencher um vazio espiritual na marra, em grandes quantidades. Milhares de amigos, dúzias de gigabytes, milhões de MP3, não-sei-quantos de memória RAM ou de banda larga.

Acontece que ao mesmo tempo em que 2011 viu o fim do grande produto da Apple – o próprio Steve Jobs –, também assistiu a esse mesmo vazio sendo preenchido longe das biosferas digitais. Milhares de pessoas tomaram as ruas em centenas de cidades ao redor de todo o mundo para reclamar dessa insatisfação generalizada.

Começou logo em janeiro com a Primavera Árabe, passou pelos protestos na Espanha, pelos tumultos na Inglaterra e culminou com o movimento Occupy, que a princípio ocupava apenas o Zuccotti Park, perto de Wall Street, em Nova York, e depois tornou-se global. Até mesmo as marchas realizadas na Avenida Paulista e o infame Churrascão da Gente Diferenciada em Higienópolis, em São Paulo, fazem parte dessa recusa planetária, que usa o próprio Facebook e as câmeras em telefones celulares para divulgar o que está acontecendo – a favor e contra.

Muitos desses protestos começaram especificamente a partir de denúncias feitas na internet. Fatos que foram simples como o vídeo online que deu origem à maior manifestação popular na Rússia desde o fim da União Soviética ou arbitrários como a decisão do governo de Hosni Mubarak de cortar a internet do Egito.

Esse movimento popular planetário sem liderança, sem ideologia e sem vínculos partidários acabou se tornando uma espécie de materialização da própria lógica da internet – em que ninguém controla ninguém.

Portanto, foi natural e incontornável a identificação do levante com o discurso do grupo de hackers Anonymous, que teve seu símbolo agregado definitivamente aos novos manifestantes.

E a máscara do terrorista inglês Guy Fawkes, redesenhada por David Lloyd no libelo libertário em quadrinhos V de Vingança, de Alan Moore, deixou de ser um ícone na tela como era na época em que representava apenas os Anonymous para ganhar as ruas do planeta. Todo mundo se identificando com um não-símbolo, o logotipo do anonimato.

Junte as pontas. Esses dois acontecimentos distintos – a morte de Steve Jobs e a série de protestos populares pelo planeta – parecem não ter comunicação entre si, mas o fato é que sem um líder carismático o suficiente para ser admirado, as multidões vão exigir cada vez mais. E vão começar a entender que a lógica fechada que querem impor à internet – e à rotina offline – é oposta às inovações culturais que a tecnologia digital têm proporcionado ao mundo. O direito autoral deve ser flexibilizado; o direito ao anonimato, preservado; o acesso ao conhecimento, mantido. Alianças e parcerias fazem parte da natureza do ser humano antes ou depois da internet.

É quando descobriremos que a revolução digital não termina na tela – e sim quando alcançamos quem está do outro lado dela. A essência desse zeitgeist materializado que entrou em nossas vidas reside em seu nome. A internet é uma rede de interconexões que não está limitada apenas a quando estamos na frente do computador. Somos praticamente anfíbios e habitamos o mundo seco (offline) e o molhado (online) ao mesmo tempo. Mas ainda estamos encantados com a descoberta do respirar debaixo d’água que é viver na internet. Resta agora começar a tirar a cara de dentro do computador e perceber que a vida a nosso redor. 2012 nos espera. Será um ano memorável e sairemos todos melhores do que entramos.

Feliz Ano Novo.

Link – 19 de dezembro de 2011

2011 do começo ao fimQuando a internet distraiTransferência de poder • A revolução digital tem de sair da telaO nosso occupyMês 122011: Um ano intensoApple mais perto do Brasil, a rede social da Microsoft, o livro de Jobs, a velocidade dos Hermanos…

Anonymous x Irmandade Muçulmana

O novo alvo do grupo de hackers Anonymous é a Irmandade Muçulmana que, segundo o grupo, “está esperando tomar o poder no Egito para tornar uma nova revolução impossível”, comparando o grupo com a Igreja da Cientologia e frisando a separação entre a Irmandade Muçulmana e o islamismo. Segue a íntegra do anúncio, em inglês, que agenda o ataque para a próxima sexta-feira:

Citizens of the World,

We are Anonymous.

Ever since its revolution that shook the world, Egypt has had its fate undecided. Predators who seek to control are waiting to strike at the right moment. They are waiting to take over the country and make it so that another revolution is impossible. We cannot allow this.

The Muslim Brotherhood has become a threat to the revolution Egyptians had fought for, some with their lives. They seek to destroy the sovereignty of the people of Egypt as well as other nations including the United States.

We will not allow this to happen.

The Muslim Brotherhood is a threat that must be dealt with.

This is not a threat towards the religion of Islam. The Muslim Brotherhood, as well as terrorist organizations affiliating with the religion, defiled and destroyed the very essence of what the religion preaches. Therefore, the Muslim Brotherhood does not represent the true ideas of Islam. In our collective, many of us are Muslim, yet we fight against the corruption in society and the injustice that comes with it.

Infused with its blatant, corrupt ways, the Brotherhood is now a threat to the people.

Therefore, Anonymous has decided to destroy the Muslim Brotherhood. We shall proceed to dismantle any form of its organization from the Internet. Nothing will stop us. We will show no mercy.

Operation Brotherhood Takedown, engaged.

We are Anonymous.
We are Legion.
We do not Forgive.
We do not Forget.
Expect Us.

Vi no Examiner. Não custa lembrar que, na semana passada, o braço mexicano do Anonymous ameaçou entregar os nomes dos envolvidos no tráfico de drogas local, mas voltou atrás pouco depois

Não custa lembrar também que até há pouco mais de um ano sequer sabíamos da existência do Anonymous. Aliás, há pouco mais de um ano estávamos começando a nos acostumar a ouvir falar num certo Julian Assange…

4:20

Atari Teenage Riot em pleno 2011

Não imaginávamos que, quando eles deixaram de ser a música do futuro (por volta de 2001), eles poderiam voltar a ser ouvidos – e fazer sentido – dez anos depois, concordando com os Anonymous e os Occupy. Palmas pro Alec Empire.


Atari Teenage RiotBlack Flags (feat. Boots Riley) (MP3)