Vida Fodona #659: Festa-Solo Extra (24.7.2020)

vf659

Vida Fodona ao vivo numa sexta-feira? Sim, às 21h, no twitch.tv/trabalhosujo – e dá pra ouvir logo depois que a festa acabar… agora.

Arctic Monkeys – “Snap Out of It”
Deerhunter – “Breaker”
Angel Olsen – “Shut Up Kiss Me”
My Bloody Valentine – “New You”
Tame Impala – “Feels Like We Only Go Backwards”
Som Imaginário – “Cenouras”
Supercordas – “Ipupiara”
Mopho – “A Geladeira”
Boogarins – “Lucifernandis”
Mutantes – “Preciso Urgentemente Encontrar um Amigo”
Walter Franco – “Feito Gente”
Moby – “Honey”
Kanye West – “Goldigger”
Erasure – “Stop!”
Metronomy – “Love Letters (Soulwax Remix)”
Missy Elliott – “Lose Control”
Duffy – “Mercy”
Apples in Stereo – “Elevator”
Arcade Fire – “Afterlife”
Far East Movement – “Like A G6”
Chromeo – “Fancy Footwork”
Radiohead – “Idioteque”
Pulp – “Disco 2000”
Blur – “Girls & Boys”
Elastica – “Line Up”
Pink Floyd – “Interstellar Overdrive”
Roxy Music – “Love Is The Drug (Todd Terje Disco Dub)”
Lorde – “Royals (Tambozão Edit)”
Nego do Borel + Anitta + Wesley Safadão – “Você Partiu Meu Coração”
Anitta – “Paradinha”
Luis Fonsi + Daddy Yankee – “Despacito”
Justin Bieber – “Sorry (Pagode Remix)”
M.I.A. – “Paper Planes”
Rihanna – “Consideration”
Beyoncé – “Hold Up”
Katy Perry + Juicy J – “Dark Horse”
Santana + Rob Thomas – “Smooth”
Maroon 5 – “This Love”
Daniel Merriweather + Mark Ronson – “Stop Me”
Led Zeppelin – “Dancing Days”
Haim – “If I Could Change Your Mind”
Lauryn Hill – “Doo Wop (That Thing)”
TLC – “No Scrubs”
Taylor Swift – “Style”
Stevie Wonder – “I Wish”
Red Hot Chili Peppers – “Suck My Kiss”
Outkast – “Roses”
Modjo – “Lady (Hear Me Tonight)”
Michael Jackson – “Billie Jean”
Meghan Trainor – “All About That Bass”
Marvin Gaye & Tammi Terrell – “Ain’t No Mountain High Enough”
Wilco – “Someone to Lose”
Queen – “Don’t Stop Me Now”
Olivia Tremor Control – “Jumping Fences”
Nirvana – “Love Buzz”
Jamie xx + Young Thug + Popcaan- “I Know There’s Gonna Be (Good Times)”
Hanson – “Mmmbop”
Maglore – “Me Deixa Legal”
Paralamas do Sucesso – “Selvagem”
Céu – “Minhas Bics”
Rita Lee – “Tititi”
Metrô – “Cenas Obscenas”
Glue Trip – “Elbow Pain”
Lana Del Rey – “Ultraviolence”
Air – “Playground Love”
Negro Leo – “Outra Cidade”

Vida Fodona #620: Daqueles programas feitos pra dançar

vf620

Semana de festas.

Dua Lipa – “Don’t Start Now”
Lil Nas X + Billy Ray Cyrus – “Old Town Road”
Georgia – “Work About the Dancefloor”
Chromatics – “Twist The Knife (8 Track Version)”
Sharon Van Etten – “Seventeen”
Def – “Sardas”
Mura Masa + Slowthai – “Deal Wiv It”
Daphni + Paradise – “Sizzling”
Chemical Brothers – “Got To Keep On”
Letrux – “Coisa Banho de Mar (Tin God Final Mix)”
Mark Ronson + Lykke Li- “Late Night Feelings”
Lizzo – “Juice”
Anitta – “Eu Vou Ficar”
Shawn Mendes + Camila Cabello – “Señorita”
N*E*R*D – “Brain”
Massive Attack – “Lately”
Lisa Stansfield + Barry White – “All Around the World”

Vida Fodona #562: As 75 melhores músicas de 2017

VidaFodona562

Depois de um tempo offline, mais de cinco horas de músicas do ano passado.

Taylor Swift – “Look What You Made Me Do”
MC G15 – “Cara Bacana”
Simone & Simaria + Anitta – “Loka”
Missy Elliott + Lamb – “I’m Better”
Xx – “Say Something Loving”
Phoebe Bridgers – “Motion Sickness”
Katy Perry – “Chained To The Rhythm”
Frank Ocean – “Provider”
Anelis Assumpção – “Receita Rápida”
Nill – “Minha Mulher acha que eu sou o Brad Pitt”
MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam”
Busy P + Mayer Hawthorne – “Genie”
Elo da Corrente + Geovana – “Mariana”
Arcade Fire – “Creature Comfort”
Criolo – “Menino Mimado”
Gorillaz + Popcaan – “Saturnz Barz”
MC Kevinho + Wesley Safadão – “Olha a Explosão”
Lana Del Rey + The Weeknd – “Lust for Life”
Four Tet – “Planet”
Washed Out – “Get Lost”
N*E*R*D + Rihanna – “Lemon”
Dua Lipa – “New Rules”
Major Lazer + Anitta + Pabllo Vittar – “Sua Cara”
Beck – “I’m So Free”
Paramore – “Hard Times”
Nego do Borel + Anitta + Wesley Safadão – “Você Partiu Meu Coração”
Lana Del Rey – “Love”
Criolo – “Lá Vem Você”
Cardi B – “Bodak Yellow”
Lorde – “Green Light”
Pabllo Vittar – “K.O.”
Audac – “Hollanda”
Luiza Lian – “Oyá”
Giovani Cidreira – “Vai Chover”
Don L + Diomedes Chinaski – “Eu Não Te Amo”
Frank Ocean – “Chanel”
Tyler the Creator + Frank Ocean – “911” / “Mr. Lonely”
Otto – “Soprei”
Rincon Sapiência – “Ponta de Lança (Verso Livre)”
Anitta – “Paradinha”
Floating Points – “Ratio”
Haim – “Want You Back”
Elza Soares + Pitty – “Na Pele”
Rodrigo Ogi + Marcela Maita – “Nuvens”
Kendrick Lamar – “DNA”
Letrux – “Além de Cavalos”
Ed Sheeran – “Shape of You”
Giovani Cidreira – “Movimento da Espada”
Charlotte Gainsbourg – “Deadly Valentine (Soulwax Remix)”
Rakta – “Rodeados pela Beleza”
Courtney Barnett + Kurt Vile – “Let it Go”
Lorde – “Perfect Places”
Fleet Foxes – “Third of May / Odaigahara”
Maglore – “Clonazepam 2 Mg”
The War on Drugs – “Thinking of a Place”
Letrux – “Coisa Banho de Mar”
LCD Soundsystem – “How Do You Sleep?”
Brian Eno + Kevin Shields – “Only Once Away My Son”
Metá Metá – “Odara Elegbara”
Rincon Sapiência – “Crime Bárbaro”
Far From Alaska – “Cobra”
Flora Matos – “Perdendo o Juízo”
Thundercat – “Friend Zone”
Spoon – “Hot Thoughts”
Boogarins – “Foimal”
Kamasi Washington – “Truth”
Kelela – “LMK”
Kendrick Lamar – “Humble”
Rincon Sapiência – “Meu Bloco”
Baco Exu do Blues – “Te Amo Disgraça”
Tim Bernardes – “Ela”
Letrux – “Que Estrago”
Kiko Dinucci + Juçara Marçal – “Chorei”
Angel Olsen – “Special”
Chico Buarque – “As Caravanas”

Tem também no Spotify com as músicas que têm no Spotify:

Aliás, siga-me no Spotify por aqui.

As 75 melhores músicas de 2017: 36) Anitta – “Paradinha”

36-anitta

“Quiero provocarte y yo sé que…”

As 75 melhores músicas de 2017: 50) Nego do Borel + Anitta + Wesley Safadão – “Você Partiu Meu Coração”

50-negodoborel

“Se eu não guardo nem dinheiro que dirá guardar rancor”

As 75 melhores músicas de 2017: 53) Major Lazer + Anitta + Pabllo Vittar – “Sua Cara”

53-suacara

“Se você não vem, eu vou botar pressão”

As 75 melhores músicas de 2017: 73) Simone & Simaria + Anitta – “Loka”

73-simone-simaria-anitta

“Vamos curtir a noite de patroa”

Os indicados de 2017 da APCA

apca-2017

Mais uma leva de indicados às categorias anuais da categoria de melhores do ano em Música Popular de acordo com o júri da Associação Paulista de Críticos de Arte, do qual faço parte. Depois das duas levas de discos (do primeiro e do segundo semestre), agora é a vez de saber quem são os indicados nas categorias artista do ano, show do ano, artista revelação e música do ano. A Adriana os antecipou em sua coluna no UOL e eu os trago pra cá. São eles:

ARTISTA DO ANO
Anitta
Chico Buarque
Mano Brown
Rincon Sapiência
Tim Bernardes

SHOW DO ANO
Cidadão Instigado – 20 anos
Curumin – (Boca ao vivo)
Far From Alaska – (Unlikely ao vivo)
Luiza Lian – (Oyá Tempo ao vivo)
Mano Brown – (Boogie Naipe ao vivo)

ARTISTA REVELAÇÃO
Baco Exu do Blues
Giovani Cidreira
Linn da Quebrada
My Magical Glowing Lens
Pabllo Vittar

MÚSICA DO ANO
Baco Exu do Blues – “Te Amo Disgraça”
Chico Buarque – “As Caravanas”
MC Fioti – “Joga o Bum Bum Tam Tam”
Pabllo Vittar – “K.O.”
Rincon Sapiência – “Meu Bloco”

Além de mim, votaram também nos indicados Marcelo Costa e José Norberto Flesch. O resultado da votação será divulgada na semana que vem.

A presença de Anitta em 2017

anitta-

Escrevi no meu blog no UOL sobre como o Rock in Rio erra duas vezes ao esnobar Anitta, o maior fenômeno pop brasileiro de 2017.

A notícia do cancelamento do show de Lady Gaga no Rock in Rio, que começa nessa sexta-feira, literalmente na véspera foi o maior balde de água fria que o evento poderia receber. Para os fãs ela veio em dose dupla, que não só não iriam ver sua musa de perto como frustraram-se ao descobrir que o festival a havia trocado por uma nova apresentação do grupo californiano Maroon 5, que tocará no sábado. A distância estética entre as duas atrações é compatível com a dos brasileiros que abrem os shows no palco mundo do dia – foi como trocar um show da Ivete Sangalo por um show do Skank.

Ao mesmo tempo surgiu-se o questionamento sobre Anitta. Principal artista pop brasileira de 2017, Anitta encaixaria-se perfeitamente no recorte estético do público de Lady Gaga e compensaria de alguma forma a ausência da diva dance nova-iorquina. Mas fora toda a questão contratual, logística e financeira, além da correria em acertar agendas, a substituição de Lady Gaga por Anitta nunca aconteceria, mesmo que a brasileira não fosse a principal atração do dia (outra questão que o Rock in Rio precisa superar – assumir um headliner brasileiro ou pelo menos um dia inteiro dedicado à nossa música). Porque o Rock in Rio esnoba Anitta.

E isso é um erro.

Ok, já amadurecemos e saímos daquela fase que deveria ter sido ultrapassada ainda nos anos 90, quando as pessoas reclamavam que “Rock in Rio não tem rock” ao vociferar contra shows de Prince, George Michael, Britney Spears e Justin Timberlake. Desde o início o festival usa o nome do gênero como um atrativo que remete mais à “atitude” do que propriamente à música. A primeira edição, em 1985, teve shows de George Benson, Al Jarreau, Ivan Lins e James Taylor e a presença de brasileiros como Elba Ramalho, Moraes Moreira e Alceu Valença ampliavam os horizontes do festival para longe. E um de seus principais carros-chefe sempre foi a música pop.

E nenhum artista brasileiro é mais pop do que Anitta em 2017. Ela ultrapassou barreiras e mudou completamente a forma como se divulga um trabalho e se molda uma personalidade global, completamente afinada com as transformações do mercado da música digital. Começou o ano emplacando duas colaborações distintas – a primeira (“Loka”) com a dupla Simone & Simaria e a segunda (“Você Partiu Meu Coração”) com Nego do Borel e Wesley Safadão – e em menos de um mês, entre maio e junho, emplacou três hits um atrás do outro: “Switch”, com a rapper australiana Iggy Azalea; “Paradinha”, em espanhol; e “Sua Cara”, ao lado do grupo norte-americano Major Lazer e da drag brasileira Pabllo Vittar. No início deste mês ela lançou seu primeiro single em inglês, “Will I See You”, ao lado do produtor norte-americano Poo Bear.

O único brasileiro a ir tão longe no pop mundial foi Tom Jobim, ao transformar sua “Garota de Ipanema” em um dos maiores hits da história. Mas fora ele e outros luminares da bossa nova (João Gilberto, Marcos Valle, Sérgio Mendes), Anitta já ultrapassou outras histórias de brasileiros que fizeram sucesso no exterior, como o grupo punk Cólera, o Sepultura ou o Cansei de Ser Sexy. E a impressão é que ela está só começando…

Por isso o Rock in Rio erra ao não escalá-la para a edição deste ano. É um descompasso com a realidade da música brasileira, principalmente quando o próprio festival lança uma perspectiva global sobre si. Um show de Anitta no Rock in Rio seria uma vitrine enorme tanto para a artista quanto para o festival, algo parecido com o que poderia ter sido o show de Sandy e Júnior no Rock in Rio de 2001 (mas que ficou parecendo um musical da Globo com pouco orçamento).

A própria Anitta acha que é preconceito, não apenas com ela, mas com o funk, a cena musical de onde ela veio. Por mais que soe internacional nestes últimos singles, sua matriz é a do funk do Rio de Janeiro e ela não só não renega como ostenta, orgulhosa: “Se eu uso as artimanhas do funk pra fazer o meu show mais divertido, não tem como eu dizer que eu não sou do funk. Eu sou, assumo e tenho o maior orgulho, mas acredito sim que eu tô fazendo outros ritmos, não só o funk”, disse em entrevista à Veja São Paulo, concluindo: “Não gosta, não contrata”.

O empresário Roberto Medina, criador do Rock in Rio, foi confrontado com a situação e saiu-se de forma movediça ao ser confrontado com o tema em entrevista ao jornal Folha de São Paulo: “Não tenho afinidade com a música dela, não achei que encaixava, mas ela está indo para um caminho pop que a aproxima mais do Rock in Rio, como a própria Ivete (Sangalo) entrou nesse caminho. Não tenho nada contra, estou conversando com ela. Almocei com ela outro dia e fiquei impressionado. Ela é uma empresária, tem uma visão de marketing.” Mas não sem antes escorregar na saída: “Estou trabalhando uma ideia de fabricar uma favela dentro do próximo festival. Colorida, mais bonita, mais romântica, para ter a música da favela, fazer uma seleção (de artistas) nelas, empolgar o pessoal de lá. Trazer os botequins também”, não sem antes arrematar que “a música da favela está sendo consumida pela elite”.

O ato falho parece indicar que o problema em relação à música de Anitta não é apenas musical – e sim social. Favela colorida e romântica? Isso é um autoengano. Ao isolar seu pop de shopping center num parque temático musical nos confins do Rio de Janeiro, o Rock in Rio finge que a verdadeira música pop brasileira (que inclui não apenas o funk, mas o sertanejo e inúmeros outros gêneros e subgêneros populares) não existe pelo simples fato de não estar dentro de seu condomínio fechado. Essa separação é parente do preconceito que tenta vilanizar um gênero musical com decretos de lei, algo que já vimos acontecer no Brasil há cem anos com ninguém menos que o samba, que hoje é o grande gênero musical popular do país. Sempre que alguém fala que “isso não é música” (seja samba, rock, rap, reggae, funk) pode ter certeza que, sim, é música e, não, o problema não é a música – e sim quem canta e quem dança.

As 75 melhores músicas de 2015: 64) Anitta – “Bang!”

64-anitta

“Você sabe que eu gosto assim”