Pop

tim-curry

Milagre de eleição nos EUA! Enquanto não sabemos quem é o próximo presidente de lá, o partido democrata do estado de Wincosin conseguiu fazer com que Tim Curry, o mestre que interpreta o memorável Frank-N-Furter no clássico Rocky Horror Picture Show, reencarnasse em seu velho personagem na semana passada para uma recriação do filme inteiro via zoom. Embora não conte com a maior parte do elenco original (além de Curry, só compareceram Nell Campbell – a Columbia – e Barry Bostwick – o Brad), o grande feito desta releitura é tirar Curry da reclusão, uma vez que ele sofreu um derrame em 2012. Mas mesmo com as sequelas do ocorrido e esquecendo alguns trechos, ele ainda mantém o bom humor e a sagacidade, felizmente.

Além dos atores do elenco original, a recriação do clássico de 1975 ainda contou com novatos no elenco como Lance Bass, Rosario Dawson, Jason George, Seth Green, Jason Alexander, Colleen Ballinger, David Arquette e Taylor Schilling, além de apresentações musicais de Bob Weir, Peppermint, Dresdeb Dolls, entre outros.

jagger

Os Rolling Stones liberaram online a primeira performance de seu clássico “Sympathy for the Devil” ao vivo, quando a tocaram pela primeira vez no mitológico especial Rock and Roll Circus, que gravaram no final de 1968, logo após terem lançado o disco Beggar’s Banquet, mas que só foi oficializado quase trinta anos depois, em 1996 (falei desse clássico num CliMatias dia desses). Nesta primeira versão, que ficou de fora da versão final do especial, não só assistimos à estreia como a vemos tocada com apenas uma guitarra, uma vez que o fundador dos Stones, Brian Jones, limita-se a tocar maracas. E pelas performances de Mick Jagger e Keith Richards dá pra cravar que este é o momento em que os dois assumem as personalidades que iriam ditar os rumos da banda pelas décadas seguintes. Jagger em especial está brilhante, numa apresentação histórica desde o início – sem contar quando ele tira a camisa para revelar um certo desenho tatuado no peito.

E cuidado pra não perder o John Lennon fritando perto dos cinco minutos do vídeo.

Corte seco

corte

“Sei o que me salva, sei o que me mata”, canta hipnoticamente Alzira E sobre o poema do compadre Arruda, antes de explodir no refrão que batiza a nova música do Corte, banda em que ela toca ao lado de integrantes do Bixiga 70, “só não sei a dose exata!”. A faixa, escolhida para mostrar o vídeo-álbum Corte Vivo em SP, que foi gravado no Itaú Cultural no ano passado e que o grupo começa a lançar semanalmente a partir deste mês de novembro e que você assiste em primeira mão aqui no Trabalho Sujo.

“Bati o olho e veio”, lembra a compositora, quando leu o poema no segundo livro do poeta, A Representação Matemática das Nuvens. “A gente já tinha gravado o disco do Corte quando fiz essa música e achei que o poema tinha a ver com isso, com essa explosão, essa coisa mais radical do grupo. Foi essa sensação que eu tive quando li o poema, que virou música na hora, fiz no baixo. E fiquei surpresa, porque o poema tem três linhas e achava que não ia rolar, é diferente fazer uma música com um poema tão curto, mas ele é muito intenso e muito inteiro. O fato de ter pouco verso não fez falta, porque é muito completo.”

dm-13

DM is back e mais uma vez desembestamos a falar sobre o que não tínhamos falado nas últimas semanas: Lovecraft Country, metrópoles tropicais, o terror do sotaque carioca, eleições no Brasil e nos EUA, o saber das crianças, o futuro das cidades, Mano Brown, a frustração de não ser mais capital do Brasil, Belém, a biblioteca do Veríssimo, um século de esquerda, a Lampion’s League, a maior cidade de interior do mundo e Pinblon.

letrux-abalos-sismicos

Letrux lança clipe para “Abalos Sísmicos” feito remotamente com onze ilustradores diferentes, que recriaram a banda desenhando por cima de imagens filmadas, usando aquele formato chamado rotoscopia.

Ficou fera – e assista até o fim para ouvir a troca de áudios hahahaha

sean_connery

Morreu neste sábado, dormindo em sua casa em Nassau, nas Bahamas, o ator escocês Sean Connery, que eternizou James Bond em nosso imaginário e viveu personagens célebres em filmes como Caçada ao Outubro Vermelho, Confissões de Uma Ladra, Highlander Os Intocáveis e o clássico cult Zardoz, além de ter vivido o pai de Indiana Jones no terceiro filme do personagem, A Última Cruzada. Ele praticamente determinou o parâmetro para heróis que também eram galãs num mundo em que o western e as aventuras de capa e espada foram perdendo a importância no cinema.

timewarp

O grupo Tenacious D do ator Jack Black aproveita as eleições nos EUA para ressuscitar “Time Warp”, um dos grandes hits do musical cult Rocky Horror Picture Show – e esta versão, feita para incitar os eleitores norte-americanos ao voto à presidência, contou com uma série de participações especiais, do humorista Eric Andre à senadora Elizabeth Warren, passando pelos atores Michael Peña, Sarah Silverman, George Takei, Susan Sarandon, Jamie Lee Curtis, o diretor John Waters, os músicos Reggie Watts, Peaches, Phoebe Bridgers e Karen O, entre outros.

dualipa-fever

Dua Lipa não para! Depois de lançar um dos melhores discos do ano e um (fraco) disco de remixes, a popstar inglesa puxa um dueto com a belga Angèle em mais um single, a irresistível “Fever”.

zappa-documentary

Com o aval da família e acesso a raridades nunca vistas fora de seu círculo mais íntimo, o diretor Alex Winter, que dirigiu os filmes Bill & Ted, mergulhou na essência do iconoclasta-mor Frank Zappa e parece ter conseguido fazer o documentário definitivo sobre a complexidade deste gênio. O trailer é de tirar o fôlego.

O filme passa nos cinemas nos EUA dia 23 de novembro para chegar às plataformas de vídeo online no dia 27.

jornalismo-arte-04-guilherme-werneck

Em mais um programa dedicado a contar o estado da imprensa que cobre música, converso desta vez com Guilherme Werneck, que depois de passar por algumas das principais redações do Brasil, tanto como repórter, editor e executivo, atravessou as transformações nas duas áreas nos últimos trinta anos e agora lidar a Bravo reinventando inclusive o conceito original da revista de cultura. Falamos sobre como o modelo atual de jornalismo acaba tornando a cultura coadjuvante, sobre a necessidade da crítica musical, a chegada da internet à profissão e uma uma barriga que derrubou meia direção do BNDES, entre outras lembranças e observações sobre uma mudança inevitável nesta área.