Pop

essa matéria da Carta Capital sobre os “injustiçados” pelo MinC.

Antes do CD entrar no mercado. Quem tiver tempo pra traduzir, pode me mandar que eu posto aqui:

A PROPOSAL FOR A SYSTEM TO REPLACE PHONOGRAPH RECORD MERCHANDISING

Ordinary phonograph record merchandising as it exists today is a stupid process which concerns itself essentially with moving pieces of plastic, wrapped in pieces of cardboard, from one location to another.

These objects, in quantity, are heavy and expensive to ship. The manufacturing process is complicated and crude. Quality control for the stamping of the discs is an exercise in futility. Dissatisfied customers routinely return records because they are warped and will not play.

New digital technology may eventually solve the warpage problem and provide the consumer with better quality sound in the form of compact discs [CDs]. They are smaller, contain more music and would, presumably, cost less to ship … but they are much more expensive to buy and manufacture. To reproduce them, the consumer needs to purchase a digital device to replace his old hi-fi equipment (in the seven-hundred-dollar price range).

The bulk of the promotional effort at every record company today is expended on ‘NEW MATERIAL’ . . .the latest and the greatest of whatever the cocaine-tweezed rug-munchers decide to inflict on everybody this week.

More often than not, these ‘aesthetic decisions’ result in mountains of useless vinyl/cardboard artifacts which cannot be sold at any price, and are therefore returned for disposal and recycling. These mistakes are expensive.

Put aside momentarily the current method of operation and think what is being wasted in terms of GREAT CATALOG ITEMS, squeezed out of the marketplace because of limited rack space in retail outlets, and the insatiable desire of quota-conscious company reps to fill every available slot with this week’s new releases.

Every major record company has vaults full of (and perpetual rights to) great recordings by major artists in many categories which might still provide enjoyment to music consumers if they were made available in a convenient form.

MUSIC CONSUMERS LIKE TO CONSUME MUSIC … NOT SPECIFICALLY THE VINYL ARTIFACT WRAPPED IN CARDBOARD.

It is our proposal to take advantage of the positive aspects of a negative trend afflicting the record industry today: home taping of material released on vinyl.

First of all, we must realize that the taping of albums is not necessarily motivated by consumer ‘stinginess.’ If a consumer makes a home tape from a disc, that copy will probably sound better than a commercially manufactured high-speed duplication cassette legitimately released by the company.

We propose to acquire the rights to digitally duplicate THE BEST of every record company’s difficult-to-move Quality Catalog Items [Q.C.I.], store them in a central processing location, and have them accessible by phone or cable TV, directly patchable into the user’s home taping appliances, with the option of direct digital-to-digital transfer to the F-I (SONY consumer-level digital tape encoder), Beta Hi-Fi, or ordinary analog cassette (requiring the installation of a rentable D-A converter in the phone itself . . . the main chip is about twelve dollars).

All accounting for royalty payments, billing to the consumer, etc., would be automatic, built into the software for the system.

The consumer has the option of subscribing to one or more ‘special interest category,’ charged at a monthly rate, WITHOUT REGARD FOR THE QUANTITY OF MUSIC THE CUSTOMER WISHES TO TAPE.

Providing material in such quantity at a reduced cost could actually diminish the desire to duplicate and store it, since it would be available any time day or night.

Monthly listings could be provided by catalog, reducing the on-line storage requirements of the computer. The entire service would be accessed by phone, even if the local reception is via TV cable.

One advantage of the TV cable is: on those channels where nothing ever seems to happen (there’s about seventy of them in L.A.), a visualization of the original cover art, including song lyrics, technical data, etc., could be displayed while the transmission is in progress, giving the project an electronic whiff of the original point-of-purchase merchandising built into the album when it was ‘an album,’ since there are many consumers who like to fondle & fetish the packaging while the music is being played.

In this situation, Fondlement & Fetishism Potential [F.F.P.] is supplied, without the cost of shipping tons of cardboard around.

Most of the hardware devices are, even as you read this, available as off-the-shelf items, just waiting to be plugged into each other in order to put an end to the record business as we now know it.

E festinha de ontem, cê foi? Total acabação de verão, vamo vê se a gente repete a dose…

Trainspotting + 10

Resenhinha do Pornô, do Irvine Welsh, na capa da Ilustrada de hoje. Aí embaixo, a íntegra, pré-edição:

Do mesmo jeito que era inevitável que Simon D. Williamson arrumasse um emprego que o mantivesse próximo do sexo, das drogas, dos jogos e da farra de seus anos dourados, também era inevitável que não durasse muito no cargo. E até durou demais, mesmo que mais apresentável e mais experiente que quando deixou sua cidade-natal rumo a Londres, ele ainda era o mesmo Sick Boy que funcionava como o próprio RP de seu bando na pós-adolescência.

Ao lado de Mark Renton, Frank Begbie e Daniel “Spud” Murphy, ele fazia parte do pequeno grupo de junkies sem esperanças que protagonizava “Trainspotting”, série de monólogos psicótico-autistas sobre o underground de Edimburgo, Escócia, no final dos anos 80. O livro, lançado originalmente em 1993, colocou o escritor escocês Irvine Welsh no mapa do mundo pop, especialmente após as adaptações para o teatro (encenada em Londres por Harry Gibson em 1995) e para o cinema (dirigida na Inglaterra por Danny Boyle em 1996).

Dez anos depois do golpe que parecia ter desfeito de vez aquela já esfacelada quadrilha, o acaso reúne os quatro novamente no decadente distrito de Leith que antes se referiam como lar. E eles não estão felizes com o reencontro. Apenas o tímido e inofensivo Spud permaneceu nas ruas de sua cidade, e ainda luta para deixar o vício de heroína no passado, como já aconteceu com os outros três.

Depois de anos na prisão, o psicopata Begbie reza para encontrar o filho da puta que lhe enviava revistas gay anonimamente quando estava na cadeia e para não encontrar Renton, a quem culpa sua estada atrás das grades. Sick Boy tem de engolir o orgulho de ser demitido de mais uma casa noturna em Londres agarrando-se no pub de uma tia para retornar à Escócia, que abomina. Renton é praticamente extraditado de volta para a Grã-Bretanha por Sick Boy, que o encontra dono de uma boate em Amsterdã e o ameaça a entrar em seu novo esquema: pornografia.

Assim começa “Pornô”, último livro lançado por Welsh, em 2002, que agora ganha edição brasileira. Depois da traição final de “Trainspotting” seus protagonistas (se é que podemos chamá-los assim) voltam a habitar a mesma sociosfera, seus reencontros sendo antecipados no mesmo tipo de monólogos atordoados do livro inicial.

Três deles têm filhos, todos estão sempre se ajeitando no espelho, fingindo não aceitar a velhice que começa a despontar no horizonte. Estão mais reflexivos, mas isso não quer dizer que a quantidade de sexo, drogas e violência diminuiu – pelo contrário, ela continua presa às suas personalidades como particularidades físicas.

Sexo casual, baseados, lugares imundos, garrafas de vinho, muito sangue, linhas de cocaína, estupros, muita cerveja, ameaças de morte e trambiques – o underground continua o mesmo. Mas a lenta realização de que os quarenta anos estão na próxima esquina e um balanço sobre a primeira metade da vida os torna menos impulsivos e sem tanta sede de vida.

Este lado é compensado no personagem de Nicola Fuller-Smith, a estudante de cinema Nikki, dez anos mais nova que o grupo e, portanto, com a idade que seus pares tinham em “Trainspotting”. A ela cabe o tesão pela vida e a lenta e deliciosa autodestruição do livro anterior. Manipuladora de homens e pseudo-intelectual, tem uma empáfia sensual típica das meninas que se consideram no controle da situação, provocando combustão com a química ao lado de Sick Boy. Os dois – ególatras, sexcêntricos, arrogantes – formam um casal perfeito, cínico e mau caráter.

Mas toda barra pesada e desilusão é bem diluída no humor peculiar de Welsh, que vai da ultraviolência ao sadismo de desenho animado, de perversões intelectuais a egotrips mirabolantes – se perde em relação a “Trainspotting” em ritmo e energia, “Pornô” ganha em acidez e meticulosa crítica comportamental. Os delírios de Sick Boy sobre empreendedorismo, tanto no mercado de “entretenimento adulto” quanto na “revitalização do centro de Leith” aludem tanto à megalomania neoliberal quanto ao novo-riquismo – e são hilários. A tradução de Daniel Galera e “Mojo” Pellizzari abranda felizmente o inglês tosco de alguns dos personagens – tornando os livros de Welsh difíceis até para quem lê em inglês – em prol do ritmo da leitura.

***
“Pornô”
Editora: Rocco
Páginas:568
Preço : R$ 62,50

#24

24.jpg

Disco 24) Raciocínio Quebrado– Parteum
Parteum tem tudo pra dar certo. Produção impecável, timbre de voz preciso e direto, rimas claras e complexas ao mesmo tempo, sagacidade nos movimentos, parcerias bem escolhidas, a agressividade racional de um Mos Def e a versatilidade inquestionável de um Common. Falta-lhe, no entanto, o que o irmão tem de sobra: senso pop. Ao contrário de Rappin’ Hood, que sequer pestaneja ao entrar em refrões clássicos do cancioneiro nacional (de “Disparada” à “Odara”), Fabio Luiz nos guia propositadamente no escuro, para que não nos contetemos com o que já conhecemos. Nesse sentido, Raciocínio Quebrado é um guia de estilo, um manifesto moderno de ritmo e poesia que foge de convencionalismos por definição. Com isso, pula o riff e o refrão e o disco escapa aos ouvidos…

Música 24) “Hung Up” – Madonna
O sintetizador de “Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)” do ABBA se esguia pelo subconsciente, alternando graves e médios, serpenteando pela parte traseira do cérebro, como um parasita (como o tecladinho faithnomoriano do hit “Jigga What?/Faint” da joint venture Linkin Park/Jay Z) – e a música explode como uma “Can’t Get You Outta My Head” melancólica, com esse sentimento azulado que a cantora atravessou todos os anos 90 – o violeta de “Deeper and Deeper”, o quase negro de “Justify My Love”, o clarinho de Bedtime Stories, o cobalto de Music, o acinzentado de Ray of Light. Madonna continua triste, mas não se deixa abater com um refrão grudento costurado a uma produção impecável. E no vídeo, o que ela faz melhor, que é detectar tendências (Le Parkour, Pump it Up, jazz de academia de ginástica, sons portáteis com luzinhas piscando). “Time goes by… so slowly… Times go by… So slowly).

Show 24) Kings of Convenience no Tim Festival, no Rio de Janeiro
“Calem a boca e prestem atenção”, disseram, nunca tão diretamente, a dupla de indie bossa nova (cada vez mais um estranho e plausível gênero twee) ao público da noita mais colunável do Timfa desse ano. Com violõezinhos e vocais que quase se quebravam no ar de tão frágeis, os KoC fizeram um show doce e suave, pop como João Gilberto nunca poderia ter sido – ao menos não esta versão que conhecemos, forjada antes do próprio conceito de pop ter se estabelecido como sinônimo de sintonia com o público.

31 no 13

flyer31NO13.JPG

E o que você vai fazer nesta sexta? Cola lá no Afrospot, onde eu e o Ramiro (do Radiola Urbana) vamos estar entrando no segundo ano da década dos 30 simultaneamente. Manda sua listinha de compadres e chicas pra mim até sexta às 16h, que dá pra por entre os chamados VIP. Aparece lá!

Istaile. Os Hermanos podem ter renunciado ao indiesmo em seu último disco, o interminável 4, optando por criar um gênero mutante e duvidoso – uma espécie de MPB rock já arranhado por figurões como Lulu Santos, Paralamas do Sucesso e Skank, nenhum com sucesso. Mas foi uma decisão sonora – apesar dos barcos, dos ventos e das praias bossanovistas de respeito quase barroco (quase mineiro de tão barroco, criando mais uma contradição, a bossa mineira), eles continuam lembrando de onde vieram.

E num heroísmo tão louvável quanto gravar o DVD no Cine Íris, eles se voltam à cena indie Brasil. Primeiro, colocando bandas independentes (quatro por mês em uma rádio online em seu site oficial – tem Marcelo Birck, de cara, o que já marca dez pontos). Depois, convidando três bastiões da cena pra abrir cada um de seus três shows no próximo fim de semana (Nervoso na sexta 13, Hurtmold no sábado 14 e Cidadão Instigado no domingo 15). E, finalmente, deixando gravadoras indies venderem seus discos nos seus shows – e a famosa “banquinha”, que há dez anos vendia fita demo a dez reais, entra de vez no mainstream brasileiro. O fato é tão legal que fez o Lariú se empolgar a fazer uma edição nova do Midsummer Madness – é, o zine que deu origem a tudo, em papel.

Então é isso. 4 é chatão, mas é só a minha opinião. Mas se for pra continuar fazendo discos chatos, do jeito que eles quiserem (esse sim, o grande trunfo do disco), mas se tiverem a manha de continuar com atitudes dessas, maravilha! Porque se você não quiser ouvir, é só não ouvir – eles não precisam ficar empurrando o disco novo na marra pra qualquer um que passa. Massa.

“ó que massa”

Assim, a Dani do Recife me linkou esses sets. Faço minhas as palavras dela 🙂

#25

25.jpg

Disco 25) Zenmakumba – Os Skywalkers
O garage rock da Zona Leste pega um atalho pro 1968 brasileiro com o manif(prot)esto TropiTralha e dá saltos de felicidade mutante ao conseguir sair do retrô-brechó rock que pouco a pouco transforma São Paulo em Porto Alegre.

Música 25) “Capitão Presença” – Instituto
Teenage angst (essa guitarra não me engana) disfarçada de groovezeira 70. Só falta o seriado.

Show 25) Moby no Espaço das Américas em São Paulo
Quem esperava celebração techno foi surpreendido com precisão robótica fantasiada de classic rock, como se, na fantasia nerd de um ex-roqueiro, o pop Britney Spears inaugurasse uma nova versão da Broadway, num estranho formato “DJ de arena”. O Nine Inch Nails apertou exatamente a mesma tecla (troque Britney por Depeche Mode, se lhe fizer melhor), mas o Moby é muito melhor.

Começou a retrospectiva: 25 pra 2005.

Eu tou só forwardeando…

2005 passou voando, não é?

Mas 2006 vai passar muito mais: Copa do Mundo, eleições… Quando abrirmos os olhos já estaremos em Novembro, fazendo planos para o réveillon de 2007.

Carnaval – 25, 26, 27 e 28 de FEVEREIRO (ôpa, cabe uma viagenzinha aqui!)
Páscoa – 14, 15 e 16 de ABRIL (aqui também!)
Tiradentes (21.04) – cai numa SEXTA (YES!)
1º de Maio – cai numa SEGUNDA (até agora tá maravilhoso!!! E nem chegou a Copa)
Corpus Christi – 15, 16, 17 e 18 de JUNHO (para onde vamos mesmo?!)
7 de setembro – QUINTA (emenda?!)
12 de outubro – QUINTA (emenda?!)
Finados (02.11) – QUINTA (emenda?!)
15 de novembro – QUARTA (descansos)
Consciência Negra (20.11) – SEGUNDA (perfeito, dá pra escutar a música do Fantástico sem dor!)
Natal – de domingo pra segunda – vixe
Ano Novo – de domingo pra segunda – vixe

Tá bom ou mais ou menos ? Então tem mais!!!

13.06 (terça) – Brasil x Croácia, às 16h00 – ops o chefe vai me dispensar, né? ou vamos assistir o jogo no auditório…
18.06 (dom) – Brasil x Austrália, às 13h00 – ops tb?
22.06 (quinta) – Japão x Brasil, às 16h00 – ops tb tb
Agora é torcer:
Oitavas de final – 27.06 (terça), às 12h00 – ih!
Quartas de final – 01.07 (sáb), às 16h00 – eba!
SEMIFINAL – 05.07 (qua), às 16h00 – eba 2 vezes!
FINAL – 09.07 (dom), às 15h00 – ah, tudo bem…

Depois dessa….até 2007!!!!!!!!!
Feliz Ano Novo a todos!