Polimatias

A fluência em diferentes idiomas parece recortar a realidade em aspectos específicos, como se cada língua criasse ambientes à parte, de sua própria natureza. E eu e Polly Sjobon mergulhamos nessa trama de multiversos evocando Yuval Noah Harari e Noam Chomsky em busca da lingua mater na Torre de Babel para falar sobre como saber mais de um idioma nos ajuda a moldar e a expandir a nossa noção de realidade – abrindo outras portas da percepção.

Assista aqui. Continue

A novidade de 2021 do Polimatias é que teremos convidados de vez em quando – e começamos o ano com a presença deste compadre que já foi citado algumas vezes no programa. Eu e Polly Sjobon temos a satisfação de receber o querido Giancarlo Rufatto e juntos dissecamos 2020 à luz da cultura – filmes, séries e discos (inclusive os do Gian) que foram lançados neste período, conjecturando também sobre como esta época vai ser lembrada no futuro no que diz respeito às artes.

Assista aqui: Continue

Instigado por um comentário de um espectador, eu e Polly Sjobon explicamos a forma como organizamos nossas coleções e nossos mergulhos culturais, cada um à sua maneira: ela, arquiteta de formação, supermetódica e eu, jornalista por vocação, completamente caótico. E explicamos melhor porque nos organizamos desta forma e como isso ajuda inclusive a melhorar essa nossa capacidade de fruição no último Polimatias de 2020.

Livros, discos, filmes, séries, peças, fotografias, telas… A arte é uma porta de entrada para sair da zona de conforto pessoal, um momento em que você abraça algo que não é o que você é para tentar entender o que acontece para além dos domínios ao seu redor. O quanto a alteridade define nossa própria noção individual? Eu e Polly Sjobon falamos do outro no episódio do Polimatias desta quinzena – e não de qualquer outro.

polimatias-09

Um momento de introspecção envolto em uma bebida quente. Eu e Polly Sjobon paramos para um chá e para refletir sobre o impacto destas infusões em nossas vidas, tanto do ponto de vista pessoal quanto cultural. E viajamos por hábitos e crenças que associam esta pausa a uma nova forma de encarar a vida e o ritmo por trás de nossas rotinas, em um Polimatias que estica a cadeira para que você se junte à nossa conversa vespertina.

Polimatias-08

Achei que a Polly fosse versada em Beatles, mas ela disse que não. Estranhei. E ela mesma entendeu que era ao puxarmos, na edição da quinzena do Polimatias, esse tema, tão amplo e genérico, para falar sobre o impacto deste que é o maior movimento cultural da segunda metade do século 20 – e como ele segue influente tanto no nível pessoal quanto mundial. Uma viagem ao passado puxada por um espírito da época que persiste mais de cinquenta anos depois.

polimatias-07-

Olha a Polly aí! Que boa notícia podermos retomar nosso programa, que agora passa a ser quinzenal, para discutirmos cultura com um olhar menos viciado – e neste sétimo programa, nos dedicamos a falar justamente sobre como acumulamos livros, discos e filmes, seja física ou digitalmente, e qual é o impacto disso em nossas vidas, tanto do ponto de vista pessoal quanto social.

polimatias-05

Quando você descobriu que não era mais criança? Eu e Polly cogitamos a possibilidade desta revelação poder acontecer por livros,discos, filmes, programas de TV, por isso dedicamos essa edição do Polimatias para descer rumo à alameda das lembranças, vasculhando o fim de nossas infâncias para pinçar o momento em que a cultura nos fisgou – e como isso foi crucial para que nos tornássemos quem somos, mantendo sempre nossa curiosidade cultural alerta.

polimatias5

Em tempos de quarentena, eu e Polly Sjobon resolvemos falar sobre arte, cultura, solidão e reclusão, cutucando questões que são sempre associadas a grandes nomes da nossa história. Por que se retirar da vida pública? A solidão é amiga da criatividade? A popularidade é inimiga da inspiração? E falamos sobre Stanley Kubrick, Dalton Trevisan, Thomas Pynchon, Greta Garbo. Rubem Fonseca e J.D. Salinger, na edição desta semana do Polimatias.

polimatias-04

Nativos do cerrado, eu e Polly Sjobon conhecemos São Paulo primeiro por livros, filmes, discos, programas de TV e outros ícones culturais antes de morarmos na megalópole e nos dedicamos nesta edição do Polimatias a falar sobre como um produto cultural pode influenciar na ideia que se tem sobre um lugar. São impressões da cidade a partir de grandes ícones paulistanos: da democracia corintiana à semana de 22, passando pelo rap e pelo rock, por Fausto Silva, o Castelo Rá-Tim-Bum, Luiz Gê, Marcelo Rubens Paiva e muito mais.