Design

“Vem comigo encrespar o mundo”

Morreu na sexta passada o designer que consagrou visualmente a modernidade da bossa nova. César Villela não só foi responsável pelas capas dos três primeiros discos de João Gilberto pela Odeon, onde trabalhava, como assumiu a arte das capas do selo Elenco, criado por Aloysio do Nascimento no início dos anos 60, que consolidou o novo gênero musical como uma revolução estética na música brasileira – e isso vinha estampado nas capas dos álbuns, quase sempre brancas com fotos, normalmente de Chico Pereira, estampadas em alto contraste, com detalhes em vermelho – estes, também quase sempre, eram bolinhas vermelhas, que vinham sempre em quatro, para simbolizar a harmonia, como havia aprendido com a cabala.

bomsaber-011

Janara Lopes é dessas pessoas fantásticas que a internet me apresentou. Não bastasse a verve fodona tanto na condução de projetos quanto na execução estética, ela ainda é uma fonte de inspiração, que dispara provocações e cutuca brechas que ou abrem portais interdimensionais ou acendem luzes no fim do túnel, sempre erguendo a bandeira da arte. À frente do coletivo de designers Ideafixa, ela usou a quarentena com desculpa para voltar à sua pequena cidade-natal no cerrado para repensar vários pontos de sua vida e de seu trabalho. E o papo foi por aí, usando o momento que estamos atravessando para tentar vislumbrar um futuro mais otimista para nós – como profissionais de humanas, cidadãos brasileiros e habitantes do planeta Terra.

A foto da capa

capa-foto-zum

Teago Oliveira, Douglas Germano, Chico César, Alessandra Leão, Jards Macalé, Emicida, Rakta… Conversei com alguns dos autores das melhores capas de disco com fotografia de 2019 em uma matéria para a revista Zum – leia lá.

billieeilish

Dona de um dos melhores discos de 2019, a jovem Billie Eillish acaba de lançar, sem alarde, a faixa “Everything I Wanted”, baladinha introspectiva que vai de encontro à atitude dedo na cara de seu disco de estreia, When We All Fall Asleep, Where Do We Go?, lançado no início do ano – aproximando-se da sonoridade que lançou a neo-zelandesa Lorde para o planeta: beats discretos, teclados sonhadores, vocal cabisbaixo.

Será que ela vai lançar outro disco ainda este ano?

Pedro-Bell

Morre Pedro Bell, autor das capas clássicas da cosmogonia do senhor George Clinton, que inclui discos do Funkadelic, Parliament, Bootsy Collins, entre outros projetos da vasta genealogia do funk.

Eis a capa de O Futuro Não Demora, terceiro disco do BaianaSystem, que chega para todos nesta sexta-feira, dia 15. E tá bom, viu…

baianasystem-o-futuro-nao-demora

A capa assinada por Cartaxo, o integrante responsável pela imagem da banda.

jards-macale-besta-fera

Anunciados título, data de lançamento e capa do novo disco de Jards Macalé: o retrato sinistro acima foi clicado pelo mestre Cafi, lendário fotógrafo que fez as capas de clássicos da música brasileira de nomes como Milton Nascimento, Beto Guedes, Geraldo Azevedo, Chico Buarque, Edu Lobo e do próprio Jards Macalé. Cafi foi a primeira vítima célebre de 2019, pois morreu na virada do ano novo, tornando o retrato de Jards sua última obra. A capa do disco não traz nem o nome do artista nem seu título, Besta-Fera, nome de uma das faixas que batiza a tensa obra. Jards já dissecou o novo álbum, produzido por Kiko Dinucci, Thomas Harres e Rômulo Froes na semana passada aqui no Trabalho Sujo, além de mostrar a tensa “Trevas” e o “Buraco da Consolação”, parecia com Tim Bernardes. Besta-Fera será lançado no dia 8 de fevereiro.

2018-32-carolinerose

“Time is only gonna pass you by now you’re in real life”

AvaRocha-Trança

Essa é a capa do terceiro disco de Ava Rocha, Trança, que ela antecipa em primeira mão – além da ordem das novas músicas, abaixo – para o Trabalho Sujo. Gravado entre o Rio e São Paulo, o disco reúne nada menos que trinta e cinco convidados: Alessandra Leão, Linn da Quebrada, Karina Buhr, Negro Leo, Alberto Continentino, Iara Rennó, Kiko Dinucci, Curumin, Marcelo Callado, Juliana Perdigão, Thomas Rohrer, Mariá Portugal, Sérgio Machado, Dinho Almeida, Bela, Bruno Di Lullo, Domenico Lancellotti, Tulipa Ruiz, Chicão, Dustan Gallas, Ariane Molina, Victória dos Santos, Thomas Harres, Eduardo Manso, Pedro Dantas, Paulinho Bicolor, Marcos Campello, Felipe Zenícola, Gabriel Mayall, Gustavo Ruiz, Estevão Casé, Renato Godoy, Rafael Rocha, Juçara Marçal e a filha de Ava e seu marido Leo, Uma Gaitán Campelo Rocha Gonçalves. “Trança entrelaça tudo isso que eu faço até agora. É uma homenagem ao Tunga, que fez a capa do meu primeiro disco, e é uma trança de muitas coisas – uma trança musical, entre pessoas, de memórias, de falas, de poéticas, de compositores…”, ela me explica.

A capa é exemplo desta coletividade: ela foi concebida pela artista plástica Maíra Senise, irmã por parte de mãe de Ava, fotografada por Ana Alexandrino, tem visual de León Gurfein e o projeto gráfico feito por Lucas Pires. “Ainda que eu me apresente como Ava Rocha, como uma artista solo, existe toda uma coletividade que me permeia, os encontros, as parcerias. Eu não consigo ver muita diferença entre um trabalho solo e um trabalho coletivo”, continua, reforçando o fato que Trança é seu terceiro disco, uma vez que o primeiro, Diurno, foi lançado quando ela ainda tinha uma banda fixa que respondia por seu prenome, levando muitos a dizer que o excelente Ava Patrya Yndia Yracema era seu primeiro disco solo de fato. Produzido por Eduardo Manso, Trança será lançado daqui a dez dias e o primeiro single, “Joana Dark”, chega às plataformas digitais neste dia 7. E é tão bom quanto seu álbum de 2015 – talvez até melhor, pois vai melhorando a cada nova audição…

“Maré Erê”
“Pangeia”
“Periférica”
“Lilith”
“Singular”
“Febre”
“Canción para Usted”
“Continente”
“Patrya”
“Joana Dark”
“Manjar do Oriente”
“João 3 Filhos”
“Anjo do Bem”
“Frio”
“Delírio”
“Fog”
“Assumpção”
“Bárbara”
“Dorival”