Brasil

#23

23.jpg

Disco 23) Raps de Verão – Paulo Nápoli
Cadê o disco solo de Paulo Nápoli? Um dos MCs mais versáteis de São Paulo tá enrolando pra agilizar seu disquinho, enquanto boa parte de sua geração (a saber: todo mundo da coletânea Direto do Laboratório mais uns desgarrados, como os Inumanos) lança seus primeiros trabalhos solo, Nápoli faz onda transformando uma coletânea de uma grife de roupas em uma mixtape de hip hop nacional sobre a estação mais legal do ano. Foi à sombra vermelha do sol chapacoco do CD Raps de Verão que 2005 deu o ar de sua graça, ao derreter o miolo da Babilônia no verão pós-tsunami. Ele narra a transição das faixas como um locutor de vinhetas, lembrando o nome do disco ao ouvinte sobre o som das ondas do mar, e faz um bom apanhado de faixas que expandem o tema proposto para diferentes regiões e gêneros do Brasil: o forró no Testemunha Ocular, o samba de roda no A Filial, a gafieira curitibana do Mocambo, os Imaginários de Floripa caindo no soul brazuca, a funkeira do Maskot, também de Curitiba. Além dos bróders de Sampa: Elo da Corrente, Parteum, Jamal. Mas os grandes momentos são de Nápoli, daí a cobrança do disco solo. “Malas Prontas” com Leco (sobre a excitação pré-praia). “Mistura Insana” com Parteum, “Preso no Latão” com o quinto andar Shawlin. Disquinho pra deixar rodando de fundo, trilha sonora pra grandes momentos de bobeira ao sol… Podia ter o número 2, pra aproveitar esse sol bonito de 2006.

Música 23) “Don’t Cha” – Pussycat Dolls
Tudo bem, a versão original de Tori Alamaze é mesmo mais cool e sutil (eu às vezes prefiro tocar ela, que é bem Prince, repara), mas chega no refrão e ela desanda, justamente onde a versão das Pussycat Dolls explode. Melhor pra elas – número 1 em um monte de paradas de sucesso, um clipe óbvio e correto tocando sem parar e versos que são cantados com a desenvoltura e sensualidade de caixas registradoras. É justamente este equilíbrio (mercado e pista, aqui o assunto não é “Arte”…) que torna a versão das PCD tão instantânea. E daí que elas são um grupo de dançarinas de lingerie em Las Vegas que existe desde 1993 e cujo único integrante original é o criador, Robin Antin? E daí que sua atual “líder” (Carmen Electra já ocupou o posto), Nicole Scherzinger, seja ex-integrante do grupo Eden’s Crush, vencedor do American Idol (o Fama original)? E daí que é vulgar? A graça da horizontalização da época em que estamos vivendo é que até a grande indústria tem que rebolar pra emplacar um hit. E nesse caso, a moeda é o sexo – sem precisar de nudez, insinuação ou penetração, tudo no suíngue robô, tudo na base da perva superproduça, mas sem cair nos clichês de pornografia do pop moderno. Aqui a graça é a aerografada, photoshopada, protoolzada – Hollywood, parece brilhar o glow. A falação de Busta Rhymes ao final é dispensável, mas também não chega a incomodar.

Show 23) Jess Saes no Milo Garage, em São Paulo
Eles podem ser velhos indies brazucas (um ex-Second Come, dois ex-Terrible Head Cream) e citar referências de pós-rock, mas os quando cariocas dos Jess Saes tocaram no Milo, fediam à psicodelia moderna – um pé no Pink Floyd de Syd Barrett outros nas vaibes dos Chemical Brothers e a cabeça zunindo nas instrumentais viajandonas do Primal Scream, mas sem eletrônica, sempre rock, classudo – como se o Mopho de Alagoas começasse a tomar ecstasy entre as refeições de LSD. O mirrado público da noite decolou dali pra 67 e eu ficava pensando que bela noite eles não fariam com o E.S.S. de Curitiba e o Labo daqui de São Paulo…

Vai ser engraçado, esse ano

Lembra que eu falei de “Se Ela Dança, Eu Danço”? Poizé, pegou mesmo: é o ringtone do celular do Ronaldo (o outro, sem ser o Gaúcho) e o Catra fez uma singela versão batizada “Mama Meu Ganso” (que, como quase tudo dele, é genial). Pêdoispêie.

essa matéria da Carta Capital sobre os “injustiçados” pelo MinC.

E festinha de ontem, cê foi? Total acabação de verão, vamo vê se a gente repete a dose…

#24

24.jpg

Disco 24) Raciocínio Quebrado– Parteum
Parteum tem tudo pra dar certo. Produção impecável, timbre de voz preciso e direto, rimas claras e complexas ao mesmo tempo, sagacidade nos movimentos, parcerias bem escolhidas, a agressividade racional de um Mos Def e a versatilidade inquestionável de um Common. Falta-lhe, no entanto, o que o irmão tem de sobra: senso pop. Ao contrário de Rappin’ Hood, que sequer pestaneja ao entrar em refrões clássicos do cancioneiro nacional (de “Disparada” à “Odara”), Fabio Luiz nos guia propositadamente no escuro, para que não nos contetemos com o que já conhecemos. Nesse sentido, Raciocínio Quebrado é um guia de estilo, um manifesto moderno de ritmo e poesia que foge de convencionalismos por definição. Com isso, pula o riff e o refrão e o disco escapa aos ouvidos…

Música 24) “Hung Up” – Madonna
O sintetizador de “Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)” do ABBA se esguia pelo subconsciente, alternando graves e médios, serpenteando pela parte traseira do cérebro, como um parasita (como o tecladinho faithnomoriano do hit “Jigga What?/Faint” da joint venture Linkin Park/Jay Z) – e a música explode como uma “Can’t Get You Outta My Head” melancólica, com esse sentimento azulado que a cantora atravessou todos os anos 90 – o violeta de “Deeper and Deeper”, o quase negro de “Justify My Love”, o clarinho de Bedtime Stories, o cobalto de Music, o acinzentado de Ray of Light. Madonna continua triste, mas não se deixa abater com um refrão grudento costurado a uma produção impecável. E no vídeo, o que ela faz melhor, que é detectar tendências (Le Parkour, Pump it Up, jazz de academia de ginástica, sons portáteis com luzinhas piscando). “Time goes by… so slowly… Times go by… So slowly).

Show 24) Kings of Convenience no Tim Festival, no Rio de Janeiro
“Calem a boca e prestem atenção”, disseram, nunca tão diretamente, a dupla de indie bossa nova (cada vez mais um estranho e plausível gênero twee) ao público da noita mais colunável do Timfa desse ano. Com violõezinhos e vocais que quase se quebravam no ar de tão frágeis, os KoC fizeram um show doce e suave, pop como João Gilberto nunca poderia ter sido – ao menos não esta versão que conhecemos, forjada antes do próprio conceito de pop ter se estabelecido como sinônimo de sintonia com o público.

31 no 13

flyer31NO13.JPG

E o que você vai fazer nesta sexta? Cola lá no Afrospot, onde eu e o Ramiro (do Radiola Urbana) vamos estar entrando no segundo ano da década dos 30 simultaneamente. Manda sua listinha de compadres e chicas pra mim até sexta às 16h, que dá pra por entre os chamados VIP. Aparece lá!

Istaile. Os Hermanos podem ter renunciado ao indiesmo em seu último disco, o interminável 4, optando por criar um gênero mutante e duvidoso – uma espécie de MPB rock já arranhado por figurões como Lulu Santos, Paralamas do Sucesso e Skank, nenhum com sucesso. Mas foi uma decisão sonora – apesar dos barcos, dos ventos e das praias bossanovistas de respeito quase barroco (quase mineiro de tão barroco, criando mais uma contradição, a bossa mineira), eles continuam lembrando de onde vieram.

E num heroísmo tão louvável quanto gravar o DVD no Cine Íris, eles se voltam à cena indie Brasil. Primeiro, colocando bandas independentes (quatro por mês em uma rádio online em seu site oficial – tem Marcelo Birck, de cara, o que já marca dez pontos). Depois, convidando três bastiões da cena pra abrir cada um de seus três shows no próximo fim de semana (Nervoso na sexta 13, Hurtmold no sábado 14 e Cidadão Instigado no domingo 15). E, finalmente, deixando gravadoras indies venderem seus discos nos seus shows – e a famosa “banquinha”, que há dez anos vendia fita demo a dez reais, entra de vez no mainstream brasileiro. O fato é tão legal que fez o Lariú se empolgar a fazer uma edição nova do Midsummer Madness – é, o zine que deu origem a tudo, em papel.

Então é isso. 4 é chatão, mas é só a minha opinião. Mas se for pra continuar fazendo discos chatos, do jeito que eles quiserem (esse sim, o grande trunfo do disco), mas se tiverem a manha de continuar com atitudes dessas, maravilha! Porque se você não quiser ouvir, é só não ouvir – eles não precisam ficar empurrando o disco novo na marra pra qualquer um que passa. Massa.

#25

25.jpg

Disco 25) Zenmakumba – Os Skywalkers
O garage rock da Zona Leste pega um atalho pro 1968 brasileiro com o manif(prot)esto TropiTralha e dá saltos de felicidade mutante ao conseguir sair do retrô-brechó rock que pouco a pouco transforma São Paulo em Porto Alegre.

Música 25) “Capitão Presença” – Instituto
Teenage angst (essa guitarra não me engana) disfarçada de groovezeira 70. Só falta o seriado.

Show 25) Moby no Espaço das Américas em São Paulo
Quem esperava celebração techno foi surpreendido com precisão robótica fantasiada de classic rock, como se, na fantasia nerd de um ex-roqueiro, o pop Britney Spears inaugurasse uma nova versão da Broadway, num estranho formato “DJ de arena”. O Nine Inch Nails apertou exatamente a mesma tecla (troque Britney por Depeche Mode, se lhe fizer melhor), mas o Moby é muito melhor.

Começou a retrospectiva: 25 pra 2005.

Eu tou só forwardeando…

2005 passou voando, não é?

Mas 2006 vai passar muito mais: Copa do Mundo, eleições… Quando abrirmos os olhos já estaremos em Novembro, fazendo planos para o réveillon de 2007.

Carnaval – 25, 26, 27 e 28 de FEVEREIRO (ôpa, cabe uma viagenzinha aqui!)
Páscoa – 14, 15 e 16 de ABRIL (aqui também!)
Tiradentes (21.04) – cai numa SEXTA (YES!)
1º de Maio – cai numa SEGUNDA (até agora tá maravilhoso!!! E nem chegou a Copa)
Corpus Christi – 15, 16, 17 e 18 de JUNHO (para onde vamos mesmo?!)
7 de setembro – QUINTA (emenda?!)
12 de outubro – QUINTA (emenda?!)
Finados (02.11) – QUINTA (emenda?!)
15 de novembro – QUARTA (descansos)
Consciência Negra (20.11) – SEGUNDA (perfeito, dá pra escutar a música do Fantástico sem dor!)
Natal – de domingo pra segunda – vixe
Ano Novo – de domingo pra segunda – vixe

Tá bom ou mais ou menos ? Então tem mais!!!

13.06 (terça) – Brasil x Croácia, às 16h00 – ops o chefe vai me dispensar, né? ou vamos assistir o jogo no auditório…
18.06 (dom) – Brasil x Austrália, às 13h00 – ops tb?
22.06 (quinta) – Japão x Brasil, às 16h00 – ops tb tb
Agora é torcer:
Oitavas de final – 27.06 (terça), às 12h00 – ih!
Quartas de final – 01.07 (sáb), às 16h00 – eba!
SEMIFINAL – 05.07 (qua), às 16h00 – eba 2 vezes!
FINAL – 09.07 (dom), às 15h00 – ah, tudo bem…

Depois dessa….até 2007!!!!!!!!!
Feliz Ano Novo a todos!