AHAHAH

É mais difícil ser roteirista ou humorista no Brasil? Arnaldo Branco nem olhou pra trás ao abraçar duas carreiras sem a menor tradição no país e aos poucos se estabelece como um dos grandes, escrevendo para programas tão diferentes quanto o Filho do Jorel e Greg News, além de se estabelecer como um dos grandes cartunistas do país, mesmo que isso não lhe pague o que ele mereça. Mas mais do que lamentar a profissão, aproveitei a deixa de sua presença no meu programa semanal de entrevistas Bom Saber, encerrando a trilogia com os fundadores dOEsquema (antes teve papos com o Mini e com o Bruno), para conversar sobre a sua formação e trajetória e a situação do Brasil atualmente, principalmente se levarmos em conta o quanto o humor disseca facetas nada agradáveis dos dias que vivemos. E, claro, rir muito.

Agora é a vez de Kyle Kyle MacLachlan encarnar o agente Cooper e levar boas vibrações do Fleetwood Mac para Twin Peaks…

“Diane…”

fleetwood-dogg

Mesmo à distância, o autor do viral redentor de 2020, Doggface208, encontra-se com um dos fundadores da banda que compôs a música que ajudou a mudar a vibe deste ano, em um programa da BBC. Mick Fleetwood, do Fleetwood Mac, até já gravou uma paródia do clipe que tornou o skatista de 37 anos famoso e não perdeu a oportunidade de agradecer ao responsável por fazer sua “Dreams” voltar a tocar nas plataformas digitais. “Te devemos essa”, disse, não apenas falando pelo grupo, mas também por todo mundo que sentiu o alívio ao assistir aqueles parcos segundos de boa onda.

Mas ainda estamos esperando Stevie Nicks, a autora da canção, aparecer em público sobre este assunto…

fleetwood-mac-tiktok

Lembram dos tempos que um meme na internet melhorava a vida de todo mundo envolvido? Nathan Apodaca estava voltando pra casa, em Idaho Falls, nos Estados Unidos, na sexta-feira passada quando ficou sem gasolina. Pegou seu skate e foi pegar combustível ouvindo música e aproveitou a descida para gravar um vídeo no TikTok, rede social que vinha brincando misturando música com situações do seu cotidiano. Ouvindo “Dreams” do Fleetwood Mac e tomando suco de Cranberry, ele de repente olha para a câmera e se entrega à canção.

Parcos segundos de alto astral viralizaram – e não precisa nem lembrar que é 2020 pra entender porque. O vídeo, que publicou na sua conta 420doggface208, já tem mais de vinte milhões de views, sem contar as inúmeras vezes que foi reproduzido, reeditado e misturado com outras mídias. Até aí, só um viral.

Mas o TMZ conversou com ele e descobriu que ele, que mora em um motorhome sem água corrente, conseguiu arrecadar 10 mil dólares e virou uma celebridade instantânea, ajudando inclusive o Fleetwood Mac voltar a ser ouvido nas plataformas de streaming (a banda twittou que amou – e mesmo que não tivesse gostado, aprenderia a gostar pois a música teve um aumento de audições em quase 90% e outro de vendas digitais de quase 400%).

Que história boa… Alto astral com alto astral se paga!

2001-2020

A artista norte-americana Lydia Cambron recriou a última cena do clássico 2001 – Uma Odisseia no Espaço de Stanley Kubrick alinhada à quarentena que estamos atravessando neste ano.

Ficou massa.

the-boys-2

Por mais que o tema e a abordagem não pareça apontar para este lado, a série The Boys, inspirada na HQ de Garth Ennis e Darick Robertson foi uma das melhores leituras sobre o estado da política em 2019, ano de lançamento da primeira temporada, batendo de frente em outras séries que estavam muito mais ligadas a este tema, como Chernobyl, Years and Years ou Handmaid’s Tale. É que a história do grupo de anti-super-heróis temperada com muita violência gráfica não precisa ser levada ao pé da letra para ser compreendida como crítica às transformações culturais desta virada de década. E a segunda temporada parece seguir na mesma toada, abrindo com os protagonistas da série sendo declarados procurados pela polícia no trailer da segunda temporada.

Antes do trailer, o elenco se reuniu em uma videoconferência para anunciar a data de lançamento da nova temporada (dia 4 de setembro) e aproveitou para antecipar os três primeiros minutos do primeiro episódio (que podem ser assistidos a partir de 47:30 no vídeo abaixo).

É só manter o ritmo da primeira temporada que o sucesso é garantido.

Seis anos do 7 a 1

gambitos2020

O Gambitos de Fabio Bianchini lembra a data do vexame da seleção brasileira de 2014 ao lançar o clipe de um single que traduz o espírito dos dias de hoje, “Uma Palavra em 7a1emão”, nesta quarta-feira, 8 de julho. “Não tem como dar tudo certo; tudo errado também não vai dar; tentar um média decente é a história de qualquer lugar”, ele sussurra sobre uma base indie-pop com guitarra praiana, lembrando que desde então “todo dia é um 7 a 1”.

O clipe ainda tem uma versão instrumental, pra você cantar com os amigos.

“Uma Palavra em 7a1emão” faz parte do EP Ilha de Pathos pt. 2 que ele lançou no final de abril pelo Midsummer Madness.

Carl Reiner, morto nesta terça aos 98 anos e de causas naturais, foi um dos pilares do humor norte-americano do século 20 e era desses gênios que não paravam de trabalhar. Assim, reinventou a comédia em seu país pelo menos três vezes, ao mesmo tempo em que moldou o gênero na televisão, meio cuja linguagem humorística ele praticamente ajudou a inventar. Começou em 1950, trabalhando como ator e depois roteirista do programa de Sid Caesar, Your Show of Shows, onde conheceu nomes como o futuro parceiro Mel Brooks, Woody Allen e Neil Simon. Na década seguinte firmou a parceria com Brooks no programa de variedades Steve Allen Show (e dez anos depois, iriam para o cinema) ao mesmo tempo em que inventou a primeira metasitcom, o Dick Van Dyke Show, estrelado por Dick e Mary Tyler Moore, que narrava os bastidores de uma equipe de um programa de humor para a TV. Ao fim dos anos 70 firmou parceria com o comediante em ascensão Steve Martin, com quem fez os clássicos O Panaca, Cliente Morto Não Paga, O Médico Erótico e Um Espírito Baixou em Mim. A partir dos anos 90 passou a fazer pontas em praticamente todos os programas de humor de sucesso, colhendo os frutos do universo que ajudou a germinar. Não importa se era Mad About You, Frasier, Ally McBeal, House, Two and a Half Men ou Parks and Recreation – cada um destes programas está impregnado pelo DNA de Reiner, que cumpriu sua missão neste plano. Obrigado!

radiohead-quebracabecas-1

O Radiohead sugere o que fazer na quarentena ao lançar um quebra-cabeças de mil peças! O “desperdiçador fragmentado de tempo” já está em pré-venda no site da banda – e eles avisam na caixa: “Não vai ser fácil. Não foi feito pra ser fácil. Vai ser fácil. Foi feito pra ser fácil”. Dá pra encomendar o seu no site deles.

tiaomacale-littlerichard

Estava conversando esses dias com o Gabriel Thomaz, dos Autoramas, sobre música e entre papos sobre o rock de Brasília, refrigerantes e Brazilian Boogie, falamos sobre a morte de Little Richard. E além de ele me dar a dica sobre o disco Wild And Frantic, de 1966, que o próprio Little Richard dizia que tinha Jimi Hendrix na guitarra, ele ainda comentou que havia postado no Facebook a homenagem que o o coadjuvante figuraça dos Trapalhões Tião Macalé fez em um dos quadros mais clássicos sobre a malandragem do Mussum, quando ele puxa “Jenny Jenny” do falecido arquiteto do rock depois do Mussa puxar “Lá No Morro”, do Fundo de Quintal.