Yo La Tengo e a calma antes da tempestade

There’s a Riot Going On, o recém-lançado décimo quinto disco do Yo La Tengo, é o álbum menos previsível da banda em anos, por amparar-se, principalmente, na faceta quieta e discreta do grupo. As ondas de microfonia tornam-se horizontais e o disco deságua num oceano de placitude típico dos momentos mais pacatos do trio de Hoboken, mas também acenando para os mares ambient da Europa continental (“Shortwave”, “You Are Here”) e da ilha britânica (“Dream Dream Away”), jazz (“Above the Sound”), doo wop (“Forever”, “Let’s Do It Wrong”), poesia beat (“Out of the Pool”), hinos tristes (“What Chance Have I Got”, “Ashes”, “Here You Are”), bossa nova (“Esportes Casual”) e as baladas típicas da banda (“Shades of You”, “For You Too”, “Polynesia #1”), rompendo, como de costume, as fronteiras entre a música pop, o rock clássico, o punk rock, o indie, o folk e o experimental. A atmosfera suave certamente tem a ver com a nova técnica de gravação que o grupo teve de aprender na marra, depois que a licença do programa de edição de som que usavam expirou e eles não sabiam mais usar a versão mais recente. Mas o mais notável aqui, principalmente em um disco batizado com o mesmo nome de um clássico funk carregado nas cores políticas, é como o aparente sossego sonoro de todas as faixas refletem uma espécie de tensão reprimida, uma espera à espreita mais que um momento de tranquilidade. Todo o disco aperta feridas, mas de leve, como se apenas a lembrança de sua dor fosse necessária para inibir qualquer reação. O trio formado por Ira Kaplan, Georgia Hubley e James McNew já era vivo na época do disco original de Sly & the Family Stone e claramente faz os paralelos entre o final dos anos 60 e a época em que estamos vivendo hoje, como se Trump fosse uma versão turbo de Reagan e pudessem nos avisar para não repetirmos o mesmo erro de cinquenta anos atrás.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Ana Pimentel disse:

    Já amei imensamente logo na primeira ouvida. Mas sou suspeita.