Vinteonze: Fluxo contínuo universo paralelo

Demoramos quase um mês, mas eis o primeiro e único Vinteonze de março, uma vez que o mês que se encerra foi de muito trabalho na paralela e pouca gravação. Vamos tentar reverter esse quadro e a existência desse terceiro episódio do ano é a prova de tal intuito. No papo de hoje, Woody Allen, Reinaldo Morais, o século 20 dos irmãos Coen, quem é esse tal de Criolo, Rebecca Black, Hitchcock, Verocai, Jorge Luis Borges e Braulio Tavares, teclados QWERTY, a existência da alma, o filme novo do Tarantino, V de Vingança, e mais detalhes sobre a festa de Quinze Anos do Trabalho Sujo, que traz o primeiro Baile Veneno de 2011. Na trilha sonora, Good Vibes do Gary Bird e o primeiro disco da Gang 90.


Ronaldo Evangelista & Alexandre Matias – “Vinteonze #0003“ (MP3) (link alternativo pro MP3)

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. silvio césar disse:

    Bem bom esse pod. As referencias me fizeram viajar (ou seria ir para um universo paralelo?). Braulio Tavares, Gang 90, os Coen, Hitchcok, Borges, Tarantino, Alan Moore. Caralho! O melhor podcast de todos. Saiu um pouco só de música (ou pelo menos 70% do tempo) e falou de coisas aparentemente sem nexo uma com as outras, mas que fazem todo o sentido nesse caldeirão de referência em que vivemos. Por incrível que pareça, a música da Gang 90 serviu de trilha sonora perfeita para esse podcast. Pirei, pirei!
    Continuem assim, cabras!

  2. Mateus Carneiro disse:

    Op,a podem contar 10 leitores de audio, pq essa foi minha primeira vez e já achei uito bom!

    só pra tecer alguns comentarios…

    sobre o Kill Bill o que o proprio Tarantino falpou na época pós KB2 era que o terceiro filme ia ser meio nada a ver com 2 dos 100 assassinos japas do KB1 que foram amputados pela noiva buscando vingança… e o 4 sim seria a luta decisiva entra a filha da Noiva e a Filha da Mulata que morre no começo do KB1 lembram? e sim, ele esperaria elas crescerem etc etc etc…

    concordo com a analogia sobre watchmen… ja pensou um quadrinho dos bastardos inglorios?? tudo seria revertido a algo apenas para fãs e olhe la… eu gosto do filme, como fã, gosto do filme, pq eu sei a historia inteira antes né…

    e a história que eu tinha lido era que o Constantine tinha pago um whysk pro Alan num bar, do outro lado do balcão…

    Double Take.. na fila…

    Particulas Elementares… na fila.. (momento ironia.. eu trabalho com física de paritulas elementares…)

    Irmãos Cohen… ok, preciso rever e ver o não visto…

    vlw, abraço

  3. Eita, belo programa :¬)

    -Tarantino é FODA :¬D O filão cinéfilo nos filmes dele vai longe, para além da cinefilia pop: críticos deslumbrados comparavam Pulp Fiction com Godard, e tem um monte de paralelos de flmes do Tarantino com os filmes do Truffault. De cabeça, lembro de A Noiva Estava de Preto – Kill Bill, e O Último Metrô – Bastardos Inglórios. MAs ele jura que não gosta de Truffault. Papo…

    -Juntando dois assuntos do podcast: DEATH PROOF é o Psicose do Tarantino. É a mesma estrutura do filme do Hitchcock! Pena q não posso falar mais sem entregar pesadíssimos spoilers…

    -Tô vendo que Reinaldo Moraes, Alan Moore, Irmãos Coen e Woody Allen estão virando habitués do 20-11 :¬) A Melinda Gebbie não era mulher do Alan Moore quando eles começaram a fazer o Lost Girls. Ele escreveu a história há mais de 20 anos e eles passaram 16 anos produzindo o gibi (acho q ela fazia nas horas vagas). Aí aquela pornografia toda do gibi entusiasmou os dois artistas e acabou que eles se casaram.

    -Ainda Alan Moore: o véio é doido mas concordo com ele. Essas adaptações dos gibis dele são uns belos lixos. E não é por causa dessa frescura atual de “fidelidade ao original”, não – “Apocalipse Now”, por exemplo, é um filmão justamente pelo tanto que subverte o livro que o inspirou – mas porque são filmes ruins mesmo. Em V de Vingança só se salvam as atuações, e dá até dó ver aqueles baita atores se esforçando tanto por um filminho tão mequetrefe.

    -Enfim, sorte de quem lia gibi nos anos 80 e pôde conhecer esse baita artista que é o Alan Moore. O moço Ronado Evangelista precisaria estar lendo Promethea, é demais. Aliás, todo mundo deveria ler Promethea. Está longe de ser a melhor coisa do Alan Moore, mas certamete é a mais instigante.

    Ainda bem q o 20-11 voltou! Achei q tinha acabado.

  4. Demian disse:

    Cara, e falando em Promethea vocês viram isso?

    http://www.interney.net/blogs/melhoresdomundo/2011/02/14/a_maldicao_de_alan_moore/#comments

    O desenhista da série (JH Williams III) comentando sobre o fato de um dos arcos ter deixado ele, o Alan Moore e o arte finalista mal fisicamente enquanto trabalhavam na edição, por causa do assunto abordado sobre a “dimensão negativa”.
    Não achei a fonte exata.

  5. YCK disse:

    1:15:10 tem um estalo de isqueiro.
    bom podcast.