Vinteonze: A desculpa oficial

Mais um programa curto, com o disco Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida rodando no laptop como trilha sonora e assuntos que vão para todos os lados, como os Mutantes enquanto produto pop, um palco triangular, a noite de São Paulo entre as casas podreira, o Sesc e os lugares de marca, o público de caderno de cultura, o universo afro, os discos que se encaixam, as famosas “divergências musicais”, o clima de paranóia, um hit menor do Tim Maia, uma bolha de festivais, a democratização da internet e blábláblá, Rodrigo Brandão em uma interpretação Gil Scott-Heron para Ary Barroso, algo que inevitavelmente irá mexer com a vizinhança, o ator de não ir ao show do Ringo, outros universo, acervos e recortes, o novo lugar do Baile Veneno, alguém tacando fogo nas próprias mãos, cera de carnaúba, a diferença entre indústria e mercado, Emicida encarnando Moreira da Silva e o fato de você nunca saber quem é que vai apontar e começar a gritar “ELE! ELE!”.


Ronaldo Evangelista & Alexandre Matias – “Vinteonze #0028“ (MP3)

Você pode gostar...

9 Resultados

  1. YCK disse:

    Emicida de Morengueira vai ser interessante de assistir.
    Dia 3 vou chegar.

  2. PH Peixoto disse:

    Pô, ouço os podcasts Anos Vinte desde o início e me amarro. Porém, nunca comentei pq nunca tinha um questionamentos e talz… Mas, bem nos últimos VinteOnze vcs falaram muito do Arnaldo, tanto pro causa do show q o Matias foi, quanto por causa da trilha do último podcast. Além disso, todas vez q vocês falam dele, sempre citam o Loki?! Eu acho o Singin’Alone, de 1982, tão foda qnt o Loki?! mas vcs nunca sequer o mencionaram. Fiquei curioso para saber o q vcs acham desse disco. Obs: A história do lançamento do Singin é mega foda tb…

  3. PH Peixoto disse:

    Po, é o Ricardo Alexandre quem conta, na verdade.. No livro “Dias de Luta”, sobre o rock dos anos 80, ele tb fala muito d como estava o rock antes das bandas dos anos 80, etc e tal.. Aí, qnd fala do Arnaldo, conta q, após o acidente dele, a Suzana, esposa do Arnaldo, procurou o Calanca, da Baratos Afins. Em linhas gerais, a Suzana estava procurando um gravadora para lançar o Singin Alone, mas todas pediam pra ouvir o tape e ela não tinha coragem de mostrar. Aí o Calanca se comprometeu com ela de editar o álbum sem saber o conteúdo e, assim, Singin Alone, foi o primeiro lançamento da Baratos.
    Acho a história maneira pq, por mais q fosse o Arnaldo e o caralho, é foda bancar o lançamento duma parada q vc não sabe o q tem… Enfim, é isso aí.