Uma entrevista com o Adriano Cintra

Em uma entrevista feita pelo blog Chiveta no meio do ano (e que sumiu do blog IdealShop, mas o Internet Archive acaba resgatando tudo), o Adriano falou sobre sua vida mudou depois do Cansei de Ser Sexy:

O quê é mais difícil de agüentar: jornalista gringo babando ovo ou jornalista brasileiro invejoso falando mal?
Eu não sei, eu não dou mais entrevista faz um bom tempo. E não leio nada que escrevem sobre música. Música é feita pra escutar. E não vou perder meu tempo lendo opinião de gente que eu não conheço, prefiro cuidar das minhas plantas, andar de bicicleta, queimar minhas cerâmicas.

Quanto ao assédio, qual tipo é mais chato: de fã adolescente e celebridades gringas ou subcelebridades e alternativos “das antigas” brasileiros?
O pior assédio é quando você acaba saindo e vem gente fazer a íntima. Celebridade não faz a íntima. Alternativo das antigas brasileiro sou eu, a maioria eu conheço e sei de onde vieram, não tem essa de ser chato. Tem muito neguinho que eu conheço há miliano que eu sei que não gosta de CSS, e daí? Eu não quero saber, não faz a menor diferença na minha vida e se forem me tratar diferente por causa disso azar o deles, eu tenho meus amigos.

Agora que você viu e participa do circuito de rock mundial, o que você acha do Brasil? O quê precisaria mudar por aqui pra ficar bom para as bandas?
Primeiro precisa acabar a idéia que a casa de show está fazendo algum favor pras bandas. O Brasil precisa de agentes de pequeno/médio porte para mediarem as negociações entre os artistas e as casas de show. Isso já ia fazer uma diferença bem grande. E eu amo muito o Brasil. Nego inventa que a gente fala mal, que isso e aquilo.

No resto da entrevista, ele solta o verbo sobre vários outros assuntos. Dá pra ler ela toda aqui.

Você pode gostar...