Trabalho novo

“Nossa vida é o assassinato pelo trabalho: durante sessenta anos ficamos enforcados e estrebuchando na corda, mas não a cortamos”

Duas publicações na banca falam de um assunto que eu venho falando há um tempo e que, pouco a pouco, vem sendo assimilado (mesmo que na marra) pela maioria das pessoas: como o trabalho (emprego, salário, benefícios, horário, patrão, essas coisas) se tornou uma coisa completamente sem sentido e que as pessoas precisam se divertir, ficar sem fazer nada, contemplar a vida e fazer o que gostam, em vez de gastarem sua energia vital sem a mínima salubridade.

A Trip traz uma matéria sobre coletivos em que lista nomes como Bijari, Formigueiro e Instituto, entre outros, como exemplos de novas formas de trabalhar. A matéria começa com a tônica de provocação típica deste assunto: “Você tem um sonho profissional e acha impossível realizá-lo? Por quê? Você não tem um monte de amigos na mesma situação?” pra continuar: “Está sem emprego e sem perspectiva? Cansou de engolir chefe mala? Não quer um trampo burocrático numa grande empresa? A revolução está nas suas mãos”.

O único porém da matéria é fechar-se em grupos tecnocêntricos (gente que faz bonito porque, entre outras coisas, investiu em equipamento) e ficar só no eixo Rio-SP. O único coletivo mais lo-fi citado é a Livros do Mal, mas há coletivos espalhados por todo o Brasil e que não tem muito mais equipamento do que o básico (computador, alguns programas, acesso à internet – às vezes menos que isso), gente trabalhando em condições muito mais próximas da realidade do que parece supor o texto. Entre os coletivos citados está a Conspiração Filmes, que, apesar de na prática funcionar como um coletivo, vive uma esfera mais próxima das agências de publicidade. Mas, no geral, a pauta é boa e é bom saber que tem gente no mercado editorial vendo esse tipo de coisa.

(Um parágrafo/parêntese para comentar uma das capas, com o Sérgio Dias: é a segunda vez que os Mutantes aparecem em uma capa de revista – e com a mesmíssima foto que foi capa da Bizz numa das edições de seu último ano de existência. Até aí vai. Foda é identificar o cara como “Sérgio Batista”, sendo que nem é preciso manjar muito de Mutantes pra saber que os irmãos Arnaldo e Sérgio dividiram seus sobrenomes irmãmente: Arnaldo ficou com o Baptista (com o P mudo) e o Sérgio ficou com o Dias – tanto é fato que a revista publica o email e o site do músico (www.sergiodias.com.br). Mas o pior é o rancor do guitarrista, que atravessa toda a entrevista, culminando com a pérola: “Drum’n’bass? Hip hop? Cadê o movimento cultural por trás disso?”. Ficar velho é uma bosta…)

A outra revista que aborda a doença que se tornou o trabalho é a edição da semana da Carta Capital. A pauta é explicada na própria capa: “Quando o trabalho destrói a vida: quem tem o privilégio de estar na ativa sofre cada vez mais de ansiedade, depressão e estresse. Pesquisadora canadense diz: ‘O brasileiro trabalha demais'”. Ainda há textos sobre e-escravidão e um manifesto-relâmpago do Robert Kurz, do grupo Krisis. Vale citar um trecho de um artigo do professor Thomas Wood Jr., o guru de administração de empresas da revista:

“Eventualmente, pergunto a gerentes e alunos de programas executivos como anda seu dia-a-dia profissional: a resposta vem em forma de desabafo, seguido por histórias de terror sobre jornadas diárias de 14 ou 16 horas, pressões imensas e prazos impraticáveis. Então, lanço uma segunda pergunta: e o que vocês têm realizado de importante e interessante, ultimamente? Segue notável, significativo silêncio”

Pelo menos algumas coisas estão sendo ditas.

“Vozes em sua cabeça dizem: ‘Pare de gastar seu tempo, nada vai acontecer. Só um tolo acreditaria que alguém irá te salvar. Os caras da fábrica estão velhos e cansados, você não tem nada a perder, por isso saia correndo. São os melhores anos da sua vida que querem roubar”

As aspas do começo do texto é a frase que encerra o Manifesto Contra o Trabalho, do grupo Krisis (você nunca leu o Manifesto? Pô, tem de graça na internet – use a impressora do seu patrão contra ele), retirada da peça A Morte de Danton, de 1835, do dramaturgo austríaco Georg Büchner. As aspas do final é a parte do meio de “Clampdown”, do Clash.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 04/07/2009

    […] o papo sobre trabalho e a decadência da mediocridade, mais dois textos que valem a citação – e pra ninguém ficar me […]