Toda a genialidade de Júpiter Maçã

Sigo acompanhando o papo do Ronaldo e do Tatá com o Hélio e o Júpiter e não consigo deixar de me admirar com o gaúcho. A conversa, mais vaga possível (e assim que é bom), começa a falar sobre processos de composição e quando o cara começa a falar em inglês ou do “átomo de urânio”, putz… Gênio, gênio – fora que o papo termina com uma versão acústica da maldita “Talentoso”. E não pulei a segunda parte, não – é que nesta o foco é mais na atual fase da carreira do Vanguart e Flávio Basso apenas comenta em determinados trechos do papo (e, putz, olha o jeito que o Hélio conheceu o Spencer, hahaha).

Você pode gostar...