Tira-trema

Não me peçam pra seguir a tal reforma ortográfica, não consigo cogitar sequer o fim do trema – tão querido -, que dizer escrever “Coréia” sem acento. Mas como nunca me incomodei com quem escreve “êle” com circunflexo, creio que a poucos irei incomodar. Mesmo porque essa tal reforma me lembra aquela história dos kits de primeiros socorros que eram obrigatórios em todo carro – e que depois descobriram que não serviam pra nada. Imagino a quantidade de livros que estão sendo escritos (ou reescritos) para encaixar-se nessa nova regra… E ao mesmo tempo, me pergunto, na ingenuidade: se existem 210 milhões de pessoas que falam português no mundo e a idéia é padronizar o idioma, por que não adotamos as regras de onde está a imensa maioria?

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Fred disse:

    Essa sua sugestão de adoptar “as regras de onde está a imensa maioria” é muito boa (estou a ser irónico), mas gostaria de lhe colocar as seguintes questões:
    Quantos dessa grande maioria sabem aplicar, e aplicam de facto, regras de ortografia?
    E daqui a 40 anos, quando os jovens passarem a ser a maioria, mudamos para “tiopês”? Ou seguimos o preceito da “imensa maioria” de eliminar as letras mudas”? Começa-s pelas consoants, passa-s plas vogais e logo s vê onde isto vai parar…
    Agora fora de brincadeiras: a ideia não é padronizar a língua portuguesa, mas a ortografia do português. Para que quem o lê a si e me lê a mim não ache que um dos dois é analfabeto.

  2. Jean Putzel disse:

    na verdade, a maioria das palavras que vão mudar com essa reforma são as do portugues de portugal e de outros países, então talvez tenha contado a nossa superioridade numérica

  3. 81X0 disse:

    …porque aos olhos lusitanos isso seria um morticínio da língua pátria, ora pois! rsrsrs

  4. Duda disse:

    mas foi exatamente isso que aconteceu. as regras pendem muito mais para o português brasileiro do que para o falado em outros países, como Portugal, por exemplo. eu acho que ficou mais intuitivo, apesar de gostar da trema tbem.

  5. Pablo disse:

    Aí, vc escreveu “idéia”…

  6. Geo Euzebio disse:

    vamo discutir alguma coisa que realmente valha a pena ser mudada, pufavô…

  7. marcos disse:

    a reforma é uma bobeira… se a justificativa dela é também (além da unificação do português) adaptar a forma escrita da forma que se foi habituado a ver (se bem que eu nunca vi idéia, assembléia, fôrma… sem acento) teriam tirado a crase também já que muitas pessoas não usam ou usam de forma errada. pelo menos isso. é, herança tardia do fhc.

  8. Cadu disse:

    lá fora eu não sei, mas essa é mais uma daquelas regras que existem e ninguém (no brasil) vai cumprir. eu, intencionalmente, farei de tudo para deixá-la caduca. vi um cara na tv dizendo que precisa fortalecer a língua portuguesa no mundo e coisa e tal. só se esqueceu de dizer que isso é um fator muito mais econômico do que por causa da língua em si. antes do inglês o mundo falava francês, daqui 50 anos todo mundo vai falar chinês e segue o baile…

  9. stephany disse:

    eiste algum pais que naum usava o trema antees???
    que paises eram esse???

  10. :D disse:

    TEM ALGUM PAIS QUE NAO USAVA O TREMA ANTES ?
    QUE PAIS ?

  11. hozana disse:

    só sei q isto me causou uma grande dor de cabeça, pois tanto faz ter ou nao ter está mudança na ortografia

  1. 21/01/2009

    […] vocês já sabem o que eu acho da reforma ortográfica, é lógico que já aderi a essa […]