On the run 80: Gente Bonita, 40 graus

Começar o ano com uma Gente Bonita no Rio de Janeiro é sinal de boa sorte! Invadimos o verão carioca dentro de uma festa que é… Segredo. Nova onda do compadre Dodô, a Segredo, como o nome diz, é segredo: não divulga-se onde acontece a festa, nem quem toca, mas abrimos uma exceção aqui e já antecipamos que quem vai cuidar do som da festa, à noite inteira, é a Gente Bonita – trazendo hits da nova temporada prontinhos pra aquecer ainda mais o verão do Rii (mas já abro aqui outro dos segredos – o ar condicionado é power). Quem quiser descobrir o segredo, basta entrar na página da festa, enviar seu nome para o email que está lá até as 15h deste sábado para saber todas as coordenadas da noite. E se você quer ter uma idéia de qual será o clima, fizemos esse setzinho novo cheio de pérolas ensolaradas para uma noite incrível. Vamo lá?

Gente Bonita Mixtape Rio Verão 2011 (MP3)

Strange Talk – “Climbing Walls”
Terry Poison – “Comme Ci Comme Ça (The Twelves Remix)”
Get Stellar – “The Moment”
Apples in Stereo – “Dance Floor”
Aloe Blacc – “I Need a Dollar”
Darwin Deez – “Up in the Clouds”
Housse de Racket- “Oh Yeah!”
Two Door Cinema Club – “What You Want (Redlight Remix)”

Gente Bonita no Rio de Janeiro pra começar 2011

E por falar em discotecar no Rio de Janeiro em 2011, comemoro meu aniversário junto aos cariocas no próximo sábado na festa nova do Dodô. Onde? Ele mesmo faz Segredo

Michelle Rodriguez + Grateful Dead

Ela esteve em Lost, Avatar, Machete e discotecou no Rio de Janeiro vestindo uma camiseta do Grateful Dead no réveillon passado. Dica da Lia. Feliz ano novo, povo todo!

Justin Bieber no Complexo do Alemão

WTF ao cubo, vi aqui.

“A palavra do dia é HEGEMONIA”

Bruno comentou o post que republiquei mais cedo recomendando a leitura de dois textos. “A crise no Rio e o pastiche midiático”, de Luiz Eduardo Soares, e “Violência no Rio: a farsa e a geopolítica do crime”, de José Claudio Souza Alves. A foto é do Uol.

Tropa de Elite 3

Kibei o post do Nelson de Sá, na caruda, além de ripar um trecho da versão impressa de seu blog, sobre a repercussão internacional do 25 de novembro carioca no exterior:

Pouco antes das 17h, seis dos dez “trending topics” mundiais do Twitter tratavam da operação no Rio. Entre outros, BOPE, Vila Cruzeiro e Complexo.

Na cobertura externa, a atenção foi para a entrada em cena de tanques e outros blindados. Foi o destaque dos sites dos canais de notícias BBC e Al Jazeera.

E tomou as páginas iniciais do francês “Le Monde”, dos espanhóis “El País” e “El Mundo” e dos argentinos “Clarín” e “La Nación”, sempre abrindo fotos dos veículos militares.

Na chamada, o “El País” afirmou ser “a batalha decisiva contra o narcotráfico”. Já o britânico “Telegraph” ressaltou o uso de “táticas duras e suaves” no Rio, com Bope e as UPPs.

Lembrei também de um tweet que a Helô comentou ontem no cigarro: “Esperto é o Padilha, que filmou o Tropa de Elite 3 ao vivo para não ser pirateado”. Quem disse isso?

Clube dos Cinco + Lisztomania à carioca

Lembra do mashup do filme do John Hughes com a música do Phoenix, que rendeu variações em San Francisco, Nova York, Paris e Amsterdã? Pois os cariocas fizeram antes dos paulistas – e ficou bonzão. E o de São Paulo segue sem ser feito. Que coisa.

O que é Gangrena Gasosa

Bicho, eu poderia explicar, mas prefiro usar palavras alheias (também porque eu tou no meio do fechamento do jornal, então é mais fácil). Primeiro, as sábias palavras da Desciclopedia, pra situar quem não tem idéia do que seja isso:

QUEIMA, JESUS!!!
Pedir MaScedo sobre Gangrena Gasosa
Saravá!
Gangrena Gasosa sobre um exu virado querendo comer a macumba deles.

Gangrena Gasosa é uma banda de Lixo Metal/Mistureba/Cu Triturado, mas eles preferem se denominar Saravá Metal, pra conseguir se livrar da perseguição feita por membros da Igreja Pitucostal do Reino do Demônio. Assim, com um “SARAVÁ!” tudo que é mal se arreda!

História

Um ex-membro da Dorsal Atlântica (de onde?) se converteu ao umbandismo. Ai ele teve uma idéia ao ver bandas de white metal (metal de crente) e grey metal (metal meio-termo). Se elas existiam, tinha que ter uma pra divulgar a religião afro-brazuca. Assim, surgiu a Gangrena Gasosa, uma banda que divulgasse especialmente o poder da macumba e converter os infiés católicos e da Universal do Reino do Dinheiro para as raízes macumbeiras do mundo.

Membros da banda

Exu – Vocal
Ogum – Guitarra-Base
Oxum – Guitarra Solo
Xangô – Baixo
Oxalá – Bateria
Iemanjá – Percussão
Iansã – Back-Vocais
Toninho do Diabo – Empresário
Satanás – Presidente-Ditador do Fã-Clube Oficial
Edir Macedo – Dono da comunidade no Orkut “Eu Odeio o Gangrena Gasosa”, com apenas 2 membros.

Discografia

Demo, 1991
Bem-vindo ao Terreiro, 1993
Cambonos From Hell, 1996
Smells Like a Tenda Spiríta, 2000
6/6/6, 2006
12/12/12 (Versão dobrada do de cima, que coisa idiota), 2007
Eu bem que tentei fazer umas piadas sobre os nomes dos discos, mas os nomes já são uma piada pronta, então deixa assim mesmo…

Última advertência!

SE CONVERTAM OU VÃO TODOS PRO QUINTO DOS INFERNO!!!
Esses crentes malas são idiotas demais… até escrevem merda aqui na Desciclopédia…
Administrador malvado sobre comentário acima.

Depois, as do Adelvan, que entrevistou os caras em 95:

Fale-nos um pouco sobre o início da banda – seria o Gangrena um bando de punks tirando onda com o metal ou vocês realmente gostam deste estilo?
Quando começamos eu ainda era punk, e realmente tinha muito esse lance de tirar onda com metaleiro, porque naquela época tinha a moda do thrash, ta ligado? Era um puta estereótipo de se vestir com camisa preta, tênis Reebock importado e calça de moletom. Aí a gente era feio pra caralho, duro, e tocava mal a beça, tudo o que a gente queria era ser anti tudo. Com o tempo a gente aprendeu a tocar e fomos colocando mais macumba no som e nas letras. Ainda assim eu acho que o pessoal mais mauricinho não curte muito a gente pessoalmente, por a gente ser meio grosso na parada.

Aproveitando a pergunta anterior, o que vocês ouvem e o que influencia o som de vocês?
A Gangrena é uma banda que tinha tudo para dar errado, porque tudo mundo curtia uns lances bem desiguais tipo rockabilly, death, industrial, eletrônico… Cada um, um troço. Mas aí veio essa onda ridícula de voltar ao tempo dos dinossauros, da musica perder peso e velocidade. Então agora todos estamos ouvindo violência direto, para o som ficar o contrario dessa viadagem toda de musica com influência de coisas setentistas. O TOP 10 entre a gente atualmente é BRUTAL TRUTH, FEAR FACTORY, BRUJERIA, MYSTIFIER, SEPULTURA, RATOS DE PORÃO, NAILBOMB, SOD, HELMET e SLAYER (“Reing in Blood”). Só bandas sem educação mesmo, espero que isso se reflita no nosso som.

Vi em algumas revistas que vocês às vezes levam frangos pegos em despachos para os shows e a galera saboreia legal… É verdade? E que onda é essa de vocês ficarem masturbando uns aos outros em público? Vocês são gays (nada contra, claro, só pra esclarecer)?
A gente toca vestido de entidade, cada um tem a sua: Marcos (guitarra) é a Pomba Gira, o Paulão (voz) é o Exu Caveira, o Vladimir (guitarra) é o Cabloco Sete Frexa, o Cid (bateria) é o Exu Tranca Rua, o Jorge Doente (baixo) é o Zé Pilintra e eu (vocal) sou o Omulu na parada. No palco arriamos um despacho com velas, fubá, farofa, cebolas, cachaça, pipoca, e uma galinha assada que a gente compra limpinha num restaurante pro pessoal comer na hora de “Despacho from Hell”. É todo mundo gay na banda, mas nós somos HOMO CORE, não esses gays afeminados e desmunhequentos. Como vocês foram saber da viadagem aí em Aracaju ???!!

E a entrevista continua no Escarro Napalm.

Stereolab no Rio de Janeiro

Termino esta #tardestereolab com a íntegra do show do Stereolab no Rio, em agosto do ano 2000 (dez anos!), que aconteceu no Cine Íris, foi transmitido pela TV (por algum acaso) e alguma boa alma colocou no YouTube.


“Come and Play in the Milky Way”


“Rainbow Conversation”


“Miss Modular”


“Metronomic Underground”


“Blue Milk”


“Escape Pod”


“French Disko”


“Blips, Drips and Strips”


“Infinity Girl”


“Des Étoiles Électroniques”


“Analogue Rock”

Miike Snow na marra!

Tou pra falar disso há um tempão aqui (muita gente já deve inclusive saber), mas vocês viram como o Bruno, o Pedro e outros chapas fizeram pra trazer o show do Miike Snow pro Rio?

O Miike Snow queria tocar no Rio. Porém, o show não era confirmado porque ninguém quis arriscar pagar o custos da banda, um cachê de US$ 8 mil + 12 passagens RJ-SP, R$ 2.980 de hospedagem, alimentação e transporte, totalizando, com o dólar no valor de hoje, um valor arredondado de R$ 20 mil*.

Procuramos a produção do Circo Voador e propusemos pagar os custos da banda se eles assumissem os custos da casa (limpeza, segurança, funcionários, aluguel de equipamentos) e dividíssemos o valor do ingresso depois de descontar 5% da bilheteria relativo ao ECAD. Eles toparam.

O Bruno conta toda história aqui.