Tumblr do dia: Dicionário Coxês Português

Fazia tempo que não aparecia um desses: um tumblr de texto. O título se autoexplica:

Califa (CA.LI.FA)

s.f. 1. Sin. Califórnia, Estados Unidos 2. Local onde todo coxinha já morou / fez intercâmbio / quer morar. (Ex.: Mêo, meu sonho é morar na Califa. Várias mina, várias onda, várias praia!) 3. Estado mais populoso da América, é também o que que mais exporta matéria-prima coxinha, contribuindo com ícones coxeses como Hollister, The OC, jet bronze, Red Hot Chilli Peppers, pool partys, body shot, spinning e bata com bermuda 4. Não confundir com o outro Califa (aquele que tá de olho no decote dela).

Tem outros exemplos aí embaixo:

Continue

Laerte, Giron e o bullying à portuguesa

Esse cartum do Laerte harmoniza bem com esse texto do Giron:

Hoje em dia, a turma que entende das coisas adora falar que os estudantes “sofrem bullying”. Ô, palavrinha mais antipática… O tal do “bullying” está na boca do Brasil inteiro, e com pronúncia errada (as pessoas gostam de dizer “bãling”, o que as torna ainda mais ridículas). A palavra “bully” tem uma origem chã: provém de “bull”, touro, do inglês do século XVII e significava originalmente “fanfarrão”, “mata-mouros”. Só mais modernamente passou a designar perseguição e agressão, em português. O correto seria dizer: “Os estudantes sofrem perseguição nas escolas”. Não ouso afirmar que a língua portuguesa está sendo agredida. Para convencer meu interlocutor, tenho de “refrasear” (em vez de “refazer”) a afirmação para: “O português está sofrendo bullying”. Aí todos entendem, batem palmas e pedem bis – ou, como se diz em inglês, “encore”. Isso porque agora o correto já virou incerto. Eu não posso falar que temos um prazo final no fechamento desta edição. Para parecer mais sofisticado, tenho de alertar que não há prazo final, e sim um “deadline”. Sinto-me mais bacana por dizer “deadline” e “approach”, entre outras baboseiras do atual jargão do jornalismo.

Tenho a impressão de que todo mundo, inclusive eu, esqueceu-se das palavras precisas para designar determinadas situações e objetos. O bombardeio dos termos em inglês provoca amnésia linguística e tornou legítimos barbarismos como “provocativo” em vez de “provocador” e “basicamente” em vez de “fundamentalmente”. Ainda mais risível é quando usam “eventualmente” no sentido de “finalmente” – “eventually” em inglês. Realizou?

Nesse campo da prática de abusos, os críticos de música e cinema são tradicionalmente os piores: eles enxameiam seus textos de termos em inglês e expressões esdrúxulas. Só que agora andam a abusar do direito que se autoatribuíram (daqui a pouco vão dizer “se self atributiram” ou qualquer coisa do tipo). Ninguém mais estraga prazeres ao contar o desfecho de um filme; agora o que vale é o popular “spoiler alert”. Quando você vai contar a trama de um filme, terá de dizer assim: “Cuidado que tem spoiler!” Quando um crítico me diz isso me dá vontade de pular, pois a palavra soa como uma espécie de escaravelho ou baratagigante.

No dia a dia, o pessoal vive se metendo em “brainstorming”, vocábulo inglês que pode ser facilmente traduzido para confabulação. Que tal confabular em vez de “fazer um brainstorm”? Acho uma troca vantajosa, até porque é menos barulhenta, “brainstorm” evoca tempestades com raios e trovões. Nada melhor que confabular, trocar ideias e histórias. Além de tudo, soa melhor.

O português surgiu por volta do século XII (embora haja documentos de duzendos anos antes) a partir da evolução do latim vulgar na Península Ibérica, com contaminações de termos celtas, visigóticos e árabes. No começo, era chamado de “galego-português” porque a fala e a escrita apareceram no norte de Portugal, na fronteira com a Galícia. As poesias palaciana, de amigo e de escárnio e maldizer foram criadas e publicadas antes mesmo da consolidação de idiomas como espanhol, italiano, alemão e… inglês. Língua venerável, o português. Um idioma imperial do século XVI. Por isso, bonita como uma caravela engalanada, clara e solar como as igrejas góticas de Lisboa.

Amo os meios-tons que suas vogais contêm, aparentadas francês. É um grande prazer remexer no léxico riquíssimo do idioma, brincar com a possibilidade que ele oferece de alongar as frases quase ao infinito, pois o português flui como uma plácida corrente de rio. Adoro certas palavras que não constam de línguas irmãs, como a (quase) intraduzível “saudade”, ou aquelas que existem em outras, que ganham um sabor delicado no vernáculo, como “brisa”, “maçã” e “paixão”. Os ecos artísticos são grandes. Eu sei que blueberry consta de um belo filme de Wong Kar-Wai. Trata-se de My blueberry nights, traduzido em português pelo título pedestre Beijo roubado em vez de “Minhas noites de mirtilo”. Blueberry é uma palavra que a gente amassa com dois dedos. Mirtilo, não. O vocábulo está em Camões e Petrarca, que, por sua vez, beberam na fonte de Horácio e Virgílio. Mirtilo evoca pastores do Parnaso e da Serra da Estrela. É antigo e lírico, como o português.

Segue .

Onde o trema foi parar…

Só achei o filme meio longo… Dica do Mini via Twitter (siga-o – e os outrOEsquemas, Bruno e Arnaldo também estão lá).

Hoje só amanhã: a terceira semana de 2009

Nerds atacam De Leve, que não entendeu nada
E a lancheira do Dr. Manhattan?
A volta do Little Quail
Andy Milonakis
Dueto da Feist com o carinha do Death Cab for Cutie
Remix pro Franz novo
Hot Chip x Joy Division
O renascimento da Polaroid
Will Smith vai ser Obama (?!)
Amelie Poulain vira Coco Channel
Prédios caindo na Albânia
10 episódios para o fim de Battlestar Galactica
MSTRKRFT 2009
Dinheiro da Lua
Machado de Assis e Edgar Allan Poe
Peixe russo bizarro
Volta do Butchers’ já tem data marcada
A posse de Obama vista do espaço
Cantando o tema de Guerra nas Estrelas
Curso intensivo de Led Zeppelin
Wendy Sulca
Campanha pró-trema
Karaokê do avesso
Lost no Google Maps
Outras opções para o logo da campanha de Obama
Autoramas: “the most important independent band in Brazil”
Joaquin Phoenix estréia como MC
A volta de Amy Winehouse
Indie até morrer
Diplo remixa Britney
Autor do discurso de posso de Obama tem 27 anos
Metano em Marte?
Tim Berners-Lee na Campus Party
A volta de Lost
Beastie Boy art
Só Obama pra fazer o Mussum voltar pra Globo
Nova do Bonde do Rolê
Lily Allen faz cover de Clash
Nova do U2: só pra fãzocas, mesmo
Simpsons e Edgar Allan Poe
Por que eu amo Monty Python
Zack Snyder que O Cavaleiro das Trevas
Krist Novoselic não sabe tocar Nirvana no Rock Band

Contra a delinqüente inconseqüência de um míngüe e oblíqüo lingüista

Como vocês já sabem o que eu acho da reforma ortográfica, é lógico que já aderi a essa campanha:

E vou além – troco o trema pela crase! Sei usá-la muito bem, mas a abolição da crase seria o fim do martírio de muita, mas muita gente (fora o martírio de quem sabe usar crase e vê a coitada numas vogais improváveis). E se acham pouco, ainda cederia o “h” do verbo “haver” – aí nunca teria erro, é sempre “a”.

Link – 19 a 25 de janeiro de 2009

Campus Party 2009Obama e um novo New DealSteve Jobs tem direito à privacidade?A reforma ortográfica e os editores de textoVida Digital: Marcelo Médici

Hoje só amanhã: a primeira semana de 2009

Eu falei que a partir desse ano não tem Sujo no sábado, lembrou?

Lost
[REC]²
Gomorra
Angelitos
Jaydiohead
Heidi Klum
Nova do Franz
Zumbis nazistas
Nova do Eminem
Plágio do Justice?
Apple & Nintendo
Entrevista: Angeli
O que a Apple fez
Vida Fodona #138
Jay Z + Studio One
Pintando no iPhone
Trabalho Sujo 2009
Reforma ortográfica
O que indies dançam
Justice nos Simpsons?
Plágio do Kanye West?
Little Joy em São Paulo
Paul McCartney reggae
A história do videogame
Bastidores do Watchmen
Easy Riders, Raging Bulls
Ron Asheton (1948-2009)
Computador sem teclado?
Paul McCartney tecnobrega
20 anos de Paul’s Boutique
Britney + Madonna x Pixies
Trailer japonês do Watchmen
Midnights Juggernauts remix
A Decade Under The Influence
Beastie Boys – Paul’s Boutique
Documentário sobre o Paebirú
O que a Apple poderia ter feito
Watchmen lido por Alan Moore
The Pains of Being Pure at Heart
Alan Moore fala sobre Watchmen
Metronomy remixa Cansei de Ser Sexy
Pedro Bial e o cúmulo da vergonha alheia
Metronomy remixa Midnight Juggernauts

Tira-trema

Não me peçam pra seguir a tal reforma ortográfica, não consigo cogitar sequer o fim do trema – tão querido -, que dizer escrever “Coréia” sem acento. Mas como nunca me incomodei com quem escreve “êle” com circunflexo, creio que a poucos irei incomodar. Mesmo porque essa tal reforma me lembra aquela história dos kits de primeiros socorros que eram obrigatórios em todo carro – e que depois descobriram que não serviam pra nada. Imagino a quantidade de livros que estão sendo escritos (ou reescritos) para encaixar-se nessa nova regra… E ao mesmo tempo, me pergunto, na ingenuidade: se existem 210 milhões de pessoas que falam português no mundo e a idéia é padronizar o idioma, por que não adotamos as regras de onde está a imensa maioria?