Vida Fodona #685: Festa-Solo (24.10.2020)

vf685

É oficial: Festa-Solo agora acontece sempre às sextas. Esta foi a edição surpresa que marcou a mudança.

Arctic Monkeys – “Do I Wanna Know?”
Radiohead – “Daydreaming”
Sonic Youth – “Incinerate”
Postal Service – “Such Great Heights”
Grandaddy – “The Crystal Lake”
Girls – “Honey Bunny”
!!! – “Heart of Hearts”
LCD Soundsystem – “One Touch”
Cut Copy – “Hearts on Fire (Holy Ghost Remix)”
Daft Punk – “Get Lucky (Drop Out Orchestra Edit)”
Miami Horror – “Love Like Mine”
Modjo – “Lady (Kaytranada Remix)”
Music Go Music – “Warm in the Shadows”
Lana Del Rey – “Blue Jeans (Penguin Prison Remix)”
Funkadelic – “One Nation Under a Groove”
Pink Floyd – “Money”
Temptations – “Papa was a Rolling Stone”
Bob Dylan – “The Man In Me”
Big Star – “The Ballad of El Goodo”
David Bowie – “Young Americans”
Queen – “Don’t Stop Me Now”
Portishead – “All Mine”
Massive Attack – “Unfinished Sympathy”
Stevie Wonder – “I Wish”
Scissor Sisters – “Laura”
Rádio Taxi – “Garota Dourada”
Tulipa Ruiz – “Prumo”
Pepeu Gomes – “Sexy Yemanja”
Rita Lee – “Mamãe Natureza”
Sandra de Sá – “Olhos Coloridos”
Daft Punk – “Lose Yourself to Dance”
Haim – “The Steps”
Fleetwood Mac – “Dreams”
Fiona Apple – “Shameika”
Alanis Morrissette – “Ironic”
Smashing Pumpkins – “1979”
Cure – “One Hundred Years”
Joy Division – “Transmission”
Fellini – “A Melhor Coisa Que Eu Fiz”
Pedro Pastoriz – “Janela”

“The Crystal Lake” só ao piano

O grupo indie norte-americano Grandaddy libera mais uma faixa da versão de quarentena de seu The Sophtware Slump, que completa 20 anos em 2020. The Sophtware Slump…..on a Wooden Piano faz parte de uma edição comemorativa do disco, que ainda inclui demos, sobras de estúdio e dois EPs que nunca saíram em vinil, além do disco original remasterizado, que sai em novembro (e já está em pré-venda). E depois de mostrarem “Jed’s Other Poem (Beautiful Ground)”, agora é a vez do hit “The Crystal Lake” ser reinventado por Jason Lytle nesta versão solitária.

De chorar.

Vida Fodona #677: Só tocar música desse ano

vf677

Um ano que é quase uma década…

Arlo Parks – “My Future”
Thundercat – “Innerstellar Love”
Grandaddy – “The Crystal Lake (Piano Version)”
Thiago França – “Dentro da Pedra”
Josyara + Giovani Cidreira – “Estreite”
Fleet Foxes + Tim Bernardes – “Going-to-the-Sun Road”
Leveze + Fernando Dotta – “Voraz”
Cut Copy – “Like Breaking Glass”
Jessie Ware – “Ooh La La”
Dua Lipa – “Break My Heart”
Letrux + Lovefoxxx – “Fora da Foda”
Caribou – “You and I”
Bob Dylan – “False Prophet”
Pelados – “Entalhado na Carteira”
Boogarins – “Espera Fala de Novo”
Tame Impala – “Borderline (Blood Orange Remix)”
Angel Olsen – “Lark Song”

Vida Fodona #673: Aquele híbrido

vf673

Começa dançando e termina calminho.

Kid Creole & The Coconuts – “Stool Pidgeon”
Daryl Hall & John Oates – “Kiss On My List”
4-Track Valsa – “Festa”
Maglore – “Clonazepam 2mg”
Bonifrate – “Hora do Almoço”
Garotas Suecas – “Bucolismo”
Ween – “Freedom Of ’76”
Delgados – “Clarinet”
Grandaddy – “Miner At The Dial-A-View”
Beth Orton – “Hippy Gumbo”
Elliot Smith – “Let’s Get Lost”
Flaming Lips – “If I Only Had A Brain”
Mopho – “Não Mande Flores”
Letuce – “Todos os Lugares do Mundo”
Ana Frango Elétrico – “Chocolate”
Of Montreal – “Death Is Not a Parallel Move”
Paralamas do Sucesso – “Nebulosa do Amor”

The Sophtware Slump… só ao piano

Grandaddy

Um dos discos mais bonitos da virada do milênio ganha merecido tratamento de luxe em seu aniversário de vinte anos, quando o grupo norte-americano Grandaddy não apenas traz o perfeito The Sophtware Slump em uma versão em quatro LPs, incluindo o disco original remasterizado, EPs que nunca saíram em vinil, demos e sobras de estúdio. Mas o grande atrativo da caixa é uma releitura que o líder da banda, Jason Lytle, gravou em casa agora em 2020 somente ao piano, batizando-o de The Sophtware Slump… On a Wooden Piano e reforçando o clima de solidão e desilusão que o disco carregava. O grupo antecipou uma das versões ao anunciar o box de aniversário, mostrando a bela “Jed’s Other Poem (Beautiful Ground)”.

The_Sophtware_Slump_....._on_a_wooden_piano

Gravado pela banda indie de Modesto, na Califórnia, no final dos anos 90, The Sophtware Slump cogitava um futuro em que toda eletrônica torna-se obsoleta após alguma espécie de apocalipse, transformando o fim do mundo em algo pastoril e lento (embora não menos desesperador), como uma espécie de anti-OK-Computer. Escrevi sobre o disco quando ele foi lançado, há vinte anos.

Grandaddy_box

A caixa já está em pré-venda, chega às lojas em novembro e traz tudo isso:

LP1: The Sophtware Slump
“He’s Simple, He’s Dumb, He’s the Pilot”
“Hewlett’s Daughter”
“Jed the Humanoid”
“The Crystal Lake”
“Chartsengrafs”
“Underneath the Weeping Willow”
“Broken Household Appliance National Forest”
“Jed’s Other Poem (Beautiful Ground)”
“E. Knievel Interlude (The Perils of Keeping It Real)”
“Miner at the Dial-a-View”
“So You’ll Aim Toward the Sky”

LP2: The Sophtware Slump ….. on a wooden piano
“He’s Simple, He’s Dumb, He’s the Pilot (Piano Version)”
“Hewlett’s Daughter (Piano Version)”
“Jed the Humanoid (Piano Version)”
“The Crystal Lake (Piano Version)”
“Chartsengrafs (Piano Version)”
“Underneath the Weeping Willow (Piano Version)”
“Broken Household Appliance National Forest (Piano Version)”
“Jed’s Other Poem (Beautiful Ground) (Piano Version)”
“E. Knievel Interlude (The Perils of Keeping It Real) (Piano Version)”
“Miner at the Dial-a-View (Piano Version)”
“So You’ll Aim Toward the Sky (Piano Version)”

LP3: Rarities 2000-2001
“He’s Simple, He’s Dumb, He’s the Pilot (Original Introduction)”
“L.F.O”
“Wonder Why in L.A.”
“I Don’t Want to Record Anymore
“Chartsengrafs (Demo Version)​”
“Xd-Data-II”
“Air Conditioners in the Woods”
“Our Dying Brains”
“Moe Bandy Mountaineers”
“Rode My Bike to My Stepsister’s Wedding”
“Beautiful Ground (Original Cassette Tape Demo)”
“Street Bunny”
“N. Blender”

LP4 Rarities 2000-2001:
“First Movement / Message Fade”
“Hewlett’s Daughter (Original Cassette Tape Demo)”
“What Can’t Be Erased (Drinking Beer In The Bank Of America With Two Chicks From Tempe Arizona)”
“Aisle Seat 37-D” ​
“She Deleter”
“Hand Crank Transmitter”
“Jeddy 3’s Poem”
“MGM Grand”
“Protected from the Rain” ​
“Wives of Farmers”
“Fare Thee Not Well Mutineer (2000)”

Os melhores discos de 2017: 42) Grandaddy – Last Place

42-2017-grandaddy

“Everything about we is a forgotten dream”

Rádio Resistência

resistence-radio

A excelente premissa do clássico de Philip K. Dick, O Homem do Castelo Alto, funcionou bem como seriado – como seriam os anos 50 de um mundo em que não apenas o Terceiro Reich tivesse vencido a Segunda Guerra Mundial como também, à maneira da Alemanha em nossa realidade, os Estados Unidos tivessem sido divididos entre a Alemanha e o Japão. E embora a primeira temporada da série produzida pela Amazon não tenha ganho a repercussão merecida (como acontece com a maioria de seus seriados, uma vez que ficam restritos à plataforma da loja online, que ainda engatinha em popularidade), a segunda temporada, que estreou no fim do ano passado, trouxe uma joia escondida na manga: uma trilha sonora em que clássicos daquele período foram regravados por artistas atuais.

A grande sacada de Resistance Radio, o nome desta trilha, não reside apenas nas escolha de quais artistas tocam quais músicas, embora só isso já valha a audição: tem Beck tocando “Can’t Help Falling in Love”, Norah Jones tocando “Unchained Melody”, além de versões assinadas por Sharon Van Etten, Angel Olsen, Karen O, Shins, Kelis, Michael Kiwanuka e Andrew VanWyngarden, do MGMT, entre outros. Mas a escolha do próprio repertório – revivendo músicas daquele período que ficaram conhecidas em versões tardias -, dá uma aura fantasmagórica e surreal à coleção de músicas. “Spoonful”, mais conhecida com o Cream, ressurge como um blues tradicional cantado por Benjamin Booker, “Who’s Lovin’ You” volta ao início dos anos 60 como foi gravada pelas Miracles (diferente das versões mais conhecidas asssinadas pelos Temptations ou pelos Jackson 5) na voz da Kelis – mas talvez o melhor exemplo seja a versão que o Grandaddy faz para “Love Hurts”, resgatando a balada dos Everly Brothers para longe daquela versão farofa do Nazareth.

A trilha inteira vale à pena:

Sharon Van Etten – “The End of the World”
Andrew VanWyngarden – “Nature Boy”
Beck – “Can’t Help Falling in Love”
Benjamin Booker – “Spoonful”
Sam Cohen – “The House of the Rising Sun”
Shins – “A Taste of Honey”
Angel Olsen – “Who’s Sorry Now”
Waterstrider – “Speaking of Happiness”
Michael Kiwanuka – “Sometimes I Feel Like a Motherless Child”
Grandaddy – “Love Hurts”
Big Search – “Lonely Mound of Clay”
Kevin Morby – “I Only Have Eyes for You”
Kelis – “Who’s Lovin’ You”
Norah Jones – “Unchained Melody”
Curtis Harding – “Lead Me On”
Maybird – “All Alone Am I”
Karen O – “Living in a Trance”
Sam Cohen – “Get Happy”

A volta do Grandaddy

grandaddy

E quando você menos espera, eis que os veteranos indie do Grandaddy estão de volta à ativa, com disco novo prontinho (já em pré-venda) e com clipe anunciando o novo trabalho, o primeiro em dez anos! Last Place será lançado no início do ano que vem e eles mostram o clipe de “Way We Won’t” como aperitivo.

E com certeza vem turnê aí…

Vida Fodona #386: Primeiro dia de agosto de dois mil e treze

vf386

Entrei numa trip noventista por culpa da Tied to the 90s, aí já viu…

Morphine – “Good”
Delgados – “The Arcane Model”
Sonic Youth – “Saucer-Like”
Foo Fighters – “I’ll Stick Around”
Weezer – “The Good Life”
Supergrass – “Sun Hits the Sky”
Belle & Sebastian – “Legal Man”
Cornershop – “Good Shit”
Beck – “Where It’s At”
Stereolab – “Percolator”
Girls Against Boys – “Vera Cruz”
Björk – “Army of Me”
Daft Punk – “Da Funk”
Moby – “Bodyrock”
Primal Scream – “Swastika Eyes”
Prodigy – “Poison”
Beastie Boys – “Body Movin'”
Smashing Pumpkins – “Cherub Rock”
Superchunk – “Watery Hands”
Grandaddy – “The Crystal Lake”
Solex – “Rolex by Solex”
Looper – “Burning Flies”
Garbage – “Stupid Girl”
Bran Van 3000 – “Drinking in L.A.”
Pavement – “We Are Underused”
Galaxie 500 – “Fourth of July”
PJ Harvey – “Down by the Water”
Sebadoh – “Everybody’s Been Burned”
Olivia Tremor Control – “No Growing (Exegesis)”
Teenage Fanclub – “Sparky’s Dream”
Yo La Tengo – “Blue Line Swinger”

Chegaê.

Grandaddy – The Sophtware Slump

Esse vídeo de “Crystal Lake” me lembrou que eu não havia subido por aqui um texto que escrevi quando o disco original do Grandaddy foi lançado, no ano 2000. Dica: aperte o play dos vídeos na medida em que for lendo.

Ctrl+Alt+Del planetário
Em seu segundo disco – ‘The Sophtware Slump’ -, o Grandaddy faz uma ode a um mundo que tenta reconstruir-se após a ruína das tecnologias – e vê um futuro melhor sem máquinas

Cursor do mouse travado na tela. Caixa automático em manutenção. Chiado de TV fora do ar. Fita cassete moída dentro do aparelho. “A rede travou”. Cartão telefônico desmagnetizado. Poste caído. CD-R que não toca. Ônibus sem bateria. Disquete bichado. Provedor de internet fora do ar. Blecaute. Carro sem gasolina. “Este programa executou uma operação ilegal e será desligado”. Controle remoto com a pilha fraca. Celular fora da área de contato ou desligado. Elevador parado. Flash queimado. Sobrecarga de energia. Caixa de som com microfonia. Vírus de computador. Tem horas que a tecnologia esfrega na nossa cara que somos meros escravos dela.

Há quem tenha medo da inteligência artificial, que os computadores, uma vez de posse do livre arbítrio, se dêem conta de como podem controlar o mundo apenas obrigando os seres humanos a obedecerem preceitos ditados por milhares de terminais fantasiados de eletrodomésticos e outras facilidades. Um futuro negro para nossa espécie, que a ficção científica gosta de recorrer para nos meter medo (procure a graphic novel A Era Metalzóica ou filmes como Exterminador do Futuro e 2001 – Uma Odisséia no Espaço para ter uma idéia). Mas tal probabilidade é tão possível quanto remota e, por mais que os avanços na biotecnologia e na genética avancem, irá demorar ainda um tempo para que computadores pensem como nós e, como HAL 9000 do filme de Kubrick, possam titubear (“espere um pouco…” divaga o megacomputador em uma das cenas cruciais e subestimadas do clássico de Arthur C. Clarke) além de seu raciocínio binário. Por isso, não precisamos nos preocupar com isso.

Outra alternativa de futuro do ponto de vista da tecnologia é simplesmente sua extinção. Como os dinossauros, que pagaram o preço por serem maiores do que o nosso planeta poderia suportar, as máquinas que interligam todos os seres humanos planeta afora podem chegar a um limite que exceda o razoável e pedirem arrego. E – puf! – desliguem. Imagine o estrago: o mundo atual sem qualquer tipo de energia elétrica pode ser o cenário perfeito para o juízo final. Tudo aquilo que fugisse do âmbito local seria prontamente deletado do cotidiano e assistiríamos a pelo menos um século de reconstrução do planeta sem os confortos do século 20.

É isso que o Grandaddy, este quinteto de Modesto, Califórnia, conhecido dos alternativos por suas conexões com o Pavement (abriu uma turnê européia deles e o antigo baterista do grupo de Stephen Malkmus – Gary Young – excursionou com eles) e com o Silver Jews (alguns integrantes do Grandaddy tocaram na banda de Dave Berman). Com seu segundo álbum propriamente dito, The Sophtware Slump, o grupo abre seu leque de referências, expandindo as baladas de folk rock com referências a um futurismo retrô (culpa dos teclados) que fizeram a fama do primeiro disco, Under the Western Freeway. Brincando de fazer ficção-científica (e volta a pergunta – são os discos os livros de hoje?), eles gravam um álbum de rock clássico pelo filtro da ironia dos anos 90, atravessando-o com referências à ciência e tecnologia e a texturas eruditas – mais um para uma galeria de setentismo hi-fi que gerou o OK Computer, do Radiohead, em 97; Deserter’s Songs, do Mercury Rev, em 98; e, em 1999, Soft Bulletin, dos Flaming Lips; Good Morning Spider, do Sparklehorse; o Terror Twilight, do Pavement; e o Virgin Suicides do Air.

A alma do grupo é o vocalista, guitarrista, tecladista, produtor e principal compositor, Jason Lytle, que é o nosso condutor neste pequeno conto de ficção-científica. Sem uma linha narrativa central, o disco vai contando pequenas histórias de um planeta pós-alta tecnologia, em que a natureza, por capricho próprio (ou para garantir a própria sobrevivência), desliga todas as máquinas e os homens têm apenas que aprender como viver sem elas.

Descobrimos um planeta onde aparelhos inúteis são jogados fora em florestas, onde robôs morrem lentamente e a natureza volta a ser um prazer quase lúdico para o homem moderno, recém-transformado em novo-primata ao ter de conviver sem as ferramentas que tornaram sua vida preguiçosa. Mas em The Sophtware Slump (“O Colapso dos Sophtwares”, escrito errado mesmo, como o “ph” no lugar do “f”), vivemos num mundo em que o acontecimento do título é lembrado como um marco na história, embora não se tenha exata noção do que realmente significou aquilo. São pelo menos duas gerações após o fim das máquinas do século 20 e a natureza volta a exercer o papel de divindade (que a ciência – via tecnologia – havia substituído) sobre novos humanos que não sentem falta do conforto de outrora porque só ouviram falar nele, nunca o desfrutaram. E numa lenta conclusão, o Ctrl+Alt+Del planetário talvez tenha sido a melhor coisa que já aconteceu à Terra.

Ele abre como um banjo distorcido de “He’s Simple, He’s Dumb, He’s the Pilot”. “À deriva de novo, homem 2000?/ Perdeu os mapas, perdeu os planos/ Você ouviu eles gritarem: ‘Pousa, porra, pousa!’/ Você diz que não consegue/ Mas acho que você consegue”, canta solitário (ouvimos o som de árvores, insetos e aves ao fundo) em busca da esperança no homem do ano 2000. “Você está pronto?”, pergunta uma voz da cabine. “Sim”, responde o vocalista antes de parar de tocar o banjo. A torre retorna: “OK, 1, 2, 3, 4” e um teclado cafona (bem anos 80) e o compasso marcado por uma bateria leve passem a acompanhar o vocal. O clima já não é o mesmo. “Como vai, homem 2000?/ Bem-vindo de novo à terra firme, amigo/ Ouvi falar que os controles estavam presos/ É bom tê-lo de volta”. Uma frase assobiada por um teclado vagabundo abre a terceira parte da música, agora com violão, cordas e efeitos sonoros da era Atari. “Mas acho que eles não entendem/ Eles nunca entendem/ Eles dizem: ‘vá encontrar, homem 2000’/ Temos novos planos/ Mas em vez disso/ Eu estou aqui pra te contar/ Eu acredito que eles querem que você desista/ Você está desistindo, homem 2000?”. O clima de dúvida faz com que o piano assuma o primeiro plano com notas dissonantes e logo as rédeas da canção, enquanto cordas digitais e mais efeitos sonoros crescem ao fundo, criando uma paisagem decadente e surreal ao mesmo tempo que atemporal. “Você está cedendo, homem 2000?”, pergunta o narrador, enquanto um segundo vocal faz a pergunta que explica o colapso do título – “Você amou este mundo ou este mundo não te amou?”. Teclados ainda mais retrô (eles são onipresentes daqui pra frente) passam a cantar a melodia, enquanto os vocais vão morrendo lentamente, junto com a canção… Devagar como o computador de 2001… Como o fim de uma faixa do Pink Floyd… “Não desista, homem 2000”.

Depois de nos situar no apocalipse pós-colapso, o disco passa a nos contar pequenas historietas deste novo mundo, que só nos ajudam a ver e imaginar um mundo sem máquinas. O country-steady de “Hewlett’s Daughter” fala que “do alto dos destroços/ Geleiras e armários/ Assisto à bagunça/ E meço a pressão/ Sofás flutuando em estradas”. A triste “Jed the Humanoid” descreve a criação e a morte de um robô (Jeddy 3 – o que faz a bizarra conexão com o Rush, cujo vocalista, Geddy Lee, é fissurado em ficção-científica e escreveu pelo menos dois discos que são refletidos em Slump – 2112 e Farewell to Kings), que se mata depois que se torna obsoleto – e, conseqüentemente, não amado. “The Crystal Lake” é pesada e plácida ao mesmo tempo e trata um lago como um oráculo, que “sabe que você é só um homem moderno”. Pesada e rápida, “Chartengrafs” vem em seguida falando em “trocar tabelas e gráficos por risadas”. A bucólica “Underneath the Weeping Willow” pede a purificação através da natureza: “Quero dormir sob o salgueiro chorão/ Ele chora toda noite quieto/ Lacrimeja tudo à minha volta/ Dormirei sob aquele som/ E finalmente serei permitido/ A acordar e ser feliz de novo”.

Ao centro do disco, talvez sua faixa mais significativa, “Broken Household Appliances National Forest”. A paisagem da destruição é descrita com detalhe: “Sentado numa torradeira como se fosse uma pedra/ Não preciso me preocupar em tomar choque/ Todas as microondas morreram/ Como a salamandra disse/ Geladeiras servem de casa para sapos/ O cabo elétrico é como um tronco oco/ Floresta Nacional dos Eletrodomésticos Quebrados/ Ar-condicionado nas árvores/ Floresta Nacional dos Eletrodomésticos Quebrados/ Lama e metal se misturando bem”. Dividida em duas partes, a faixa começa contemplativa e melancólica até cair no momento mais pesado do disco, rock parte punk parte metal, sem esquecermos da sonoridade retro-eletrônica que permeia todo álbum.

Ele prossegue com a tensa e realista “Beautiful Ground”, em que ele admite que “tentou cantar engraçado como o Beck/ Mas me deprimiu”, logo após, como o cantor americano, empilhar referências consumistas como “Terra de TV ar-condicionado/ 20 paus/ Vai pro banco”. A faixa termina como uma canção de amor ao chão (“Belo chão”, diz o título), parceiro de bebedeiras do compositor. A instrumental E. “Knievel Interlude (The Perils of Keeping it Real)” passa longe da adrenalina que seu personagem-título (o dublê mais famoso dos Estados Unidos, Evel Knievel) e usa um relógio como metrônomo, um triste teclado como voz principal e uma apreensão pré-erupção como acompanhamento. “Miner at the Dial-a-View” lembra um Sebadoh fase Bakesale com produção hi-fi. O narrador conta como não encontrou seu amor através do Dial-a-View (em bom português, “Disque-e-Veja”), um aparelho que, provavelmente via satélite, filma qualquer pedaço do planeta apenas ao digitar latitude e longitude. “Eu vi sua casa e seu carro/ Mas não sei onde você está/ Pelo Disque-e-Veja”, reclama o narrador. A faixa acaba com a palavra “dream” (sonho) repetida automaticamente, até entrar no epílogo, “So You Aim Toward the Sky”, que depois de certificar-se que o personagem está a caminho do céu, despede-se: “Voe/ Longe/ Da dor”. As cordas vão baixando e um piano dá a última nota do disco.

Musicalmente, o grupo está parado numa estranha encruzilhada. De um lado, é clara a influência de rock dito clássico (especificamente aquele com ambições mais épicas que a média), do final dos anos 60 e começo dos 70 – progressões de acordes à Jimmy Page, atmosferas tipicamente Pink Floyd, ecos de Rush. À frente está a sonoridade retrô do tecnopop dos anos 80 e de bandas pseudo-modernas nos anos 70, como Electric Light Orchestra, com teclados ultrafuturistas para seu tempo, que soam brega hoje em dia. No outro lado está a influência da geração folk atual, de artistas como Radar Bros., Sparklehorse e Will Oldham. Por trás, vem o espírito de Neil Young, velho caubói que flertou com a eletrônica rasteira em um tortuoso aposto no começo dos anos 80.

Neste meio do caminho, o grupo pinta um quadro em que a única função da tecnologia parece ser desaparecer para que o homem recobre o sentido da vida junto à natureza. Entre restos de computadores (espalhados pelo encarte do disco) e fios inúteis, não teríamos outra opção senão voltarmos a uma vida selvagem e rural. E ficaríamos brincando de montar palavras com letras arrancadas de teclados, como sugere a capa. Sem pressa, sem tensão, sem afobação. Livres, enfim.