Os indicados a melhores do ano na APCA em 2020

A comissão de música da Associação Paulista dos Críticos de Arte, da qual faço parte, revelou nesta semana, os indicados às principais categorias da premiação neste ano. Devido ao ano estranho que atravessamos, reduzimos a quantidade de premiados, focando nas categorias Artista do Ano, Revelação, Melhor Live e Disco do Ano. Além de mim, também fazem parte da comissão Adriana de Barros (editora do site da TV Cultura e colunista do Terra), José Norberto Flesch (do canal JoseNorbertoFlesch), Marcelo Costa (Scream & Yell), Pedro Antunes (colunista do UOL e Tem um Gato na Minha Vitrola) e Roberta Martinelli (Radio Eldorado e TV Cultura). A escolha dos vencedores deve acontecer de forma virtual no dia 18 de janeiro. Eis os indicados às quatro principais categorias:

Os 5 artistas do ano
Caetano Veloso
Emicida
Luedji Luna
Mateus Aleluia
Teresa Cristina

Os 5 artistas revelação
Flora – A Emocionante Fraqueza dos Fortes
Gilsons – Várias Queixas
Guilherme Held – Corpo Nós
Jadsa e João Milet Meirelles – Taxidermia vol 1
Jup do Bairro – Corpo sem Juízo

As 5 melhores lives
Arnaldo Antunes e Vitor Araujo (03/10)
Caetano Veloso (07/08)
Emicida (10/05)
Festival Coala – Coala.VRTL 2020 (12 e 13/09)
Teresa Cristina (Todas as Noites)

Os 50 melhores discos
Àiyé – Gratitrevas
André Abujamra – Emidoinã – a Alma de Fogo
André Abujamra e John Ulhoa – ABCYÇWÖK
Arnaldo Antunes – O Real Resiste
Baco Exu do Blues – Não Tem Bacanal na Quarentena
Beto Só – Pra Toda Superquadra Ouvir
BK – O Líder Em Movimento
Bruno Capinam – Leão Alado Sem Juba
Bruno Schiavo – A vida Só Começou
Cadu Tenório – Monument for Nothing
Carabobina – Carabobina
Cícero – Cosmo
Daniela Mercury – Perfume
Deafkids – Ritos do Colapso 1 & 2
Djonga – Histórias da Minha Área
Fabiana Cozza – Dos Santos
Fernanda Takai – Será Que Você Vai Acreditar?
Fran e Chico Chico – Onde?
Giovani Cidreira e Mahau Pita – Manomago
Guilherme Held – Corpo Nós
Hiran – Galinheiro
Hot e Oreia – Crianças Selvagens
Ira! – Ira
Joana Queiroz – Tempo Sem Tempo
Jonathan Tadeu – Intermitências
Josyara e Giovani Cidreira – Estreite
Julico – Ikê Maré
Jup do Bairro – Corpo sem Juízo
Kiko Dinucci – Rastilho
Letrux – Letrux aos Prantos
Luedji Luna – Bom Mesmo É Estar Debaixo D’água
Mahmundi – Mundo Novo
Marcelo Cabral – Naunyn
Marcelo D2 – Assim Tocam Meus Tambores
Marcelo Perdido – Não Tô Aqui Pra Te Influenciar
Mateus Aleluia – Olorum
Negro Leo – Desejo de Lacrar
Orquestra Frevo do Mundo – Orquestra Frevo do Mundo
Pedro Pastoriz – Pingue-Pongue com o Abismo
Rico Dalasam – Dolores Dala Guardião do Alívio
Sepultura – Quadra
Seu Jorge & Rogê – Seu Jorge & Rogê
Silvia Machete – Rhonda
Tagua Tagua – Inteiro Metade
Tantão e os Fita – Piorou
Tatá Aeroplano – Delírios Líricos
Thiago França – KD VCS
Wado – A Beleza que Deriva do Mundo, mas a Ele Escapa
Zé Manoel – Do Meu Coração Nu

Quando o Maglore encontrou o casal Pato Fu

maglore-fernanda-takai-john-ulhoa

Gravada orginalmente pelo grupo indie baiano Maglore para ser lançado em seu disco de 2017, o ótimo Todas as Bandeiras, “Não Existe Saudade no Cosmos” só viu a luz do dia no fim daquele ano, quando foi oferecida a Erasmo Carlos, que topou gravá-la em seu Amor é Isso. O próprio Maglore já registrou a faixa quando lançou seu disco ao vivo, mas finalmente mostra a versão em estúdio, desta vez com a participação do casal Pato Fu Fernanda Takai e John Ulhoa.

Ficou joia.

Um momento de introspecção

bnegao2020

Bati um papo com BNegão, Mariana Aydar, Hamilton de Holanda e Fernanda Takai sobre suas novas rotinas em tempos de quarentena, época de shows feitos pela internet e de introspecção técnica e criativa em uma matéria para o site da UBC, confere lá.

Como vai, Fernanda Takai?

Foto: Beto Staino

Foto: Beto Staino

Como parte da divulgação do DVD que Fernanda Takai gravou em Inhotim, surge o clipe da versão que ela fez para “Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme”, de Reginaldo Rossi, que ela passa em primeira mão para o Trabalho Sujo.

Aproveitei o anúncio do clipe para conversar com ela sobre o show, as novidades do Pato Fu e o show que fizeram neste fim de semana em São Paulo, dentro do Festival Magnéticos 90, organizado pelo Marcelo Costa do Scream & Yell inspirado pelo livro de mesmo nome de Gabriel Thomaz, do Autoramas, que conta a história do rock independente no Brasil da última década do século passado.

Conte como foi gravar um DVD ao vivo em Inhotim.

Como você conheceu esta música? Você conheceu Reginaldo Rossi pessoalmente?

Fale sobre o Música de Brinquedo 2.

Vocês participaram do festival Magnéticos 90: quais lembranças desse período?

Como foi o show de vocês neste festival?

Como você concilia sua carreira solo com o Pato Fu?

E o que mais você está planejando para 2017?

Silva + Fernanda Takai: “De perto que a gente se faz um bem”

silva

Mais uma música nova do disco do Silva, que chega inteiro na semana que vem. “Okinawa” tem a participação da Fernanda Takai – e funciona bem.

Silva 2014: Vista pro Mar

silva-2014

Silva começa a mostrar seu segundo disco a partir da próxima segunda-feira, quando ele mostra a primeira faixa do disco, chamada de “Janeiro”. A íntegra de Vista pro Mar chega à internet no dia 17 de março e até lá ele vai liberando uma faixa nova por semana, via iTunes. O disco conta com a participação especial da Fernanda Takai na faixa “Okinawa” e o setlist segue abaixo:

Continue

Que Clã?

Caí de paraquedas no show da banda portuguesa Clã no sábado passado e tive uma boa surpresa. Lançando a coletânea Catalogue Raissoneé pelo selo Allegro Discos no Brasil, o quinteto fez dois shows no Sesc Pompéia que contaram com participações especiais: o de sexta contou com as presenças de Arnaldo Antunes e Zeca Baleiro e no que eu fui o casal John e Fernanda, do Pato Fu, eram os convidados. Se fosse brasileiro, o Clã provavelmente seria uma banda indie que, além de tocar no Studio SP, no Inferno e em alguns festivais independentes do Brasil, também conseguiria datas no Sesc para lançar seu disco. Talvez não contasse com as presenças da primeira noite, devido ao abismo que existe entre a música pop brasileira e a MPB (as coisas estão mudando aos poucos, vide a presença de Arnaldo no disco do Cidadão Instigado). O Pato Fu está mais próximo da realidade indie do que daquela da MPB, por isso as bandas conversaram bem – a ponto do próprio Clã ter gravado “Depois” da banda mineira (que eles tocaram no show). Mas se existe uma lacuna enorme entre a música pop feita no Brasil e em Portugal, ela aumenta ainda mais pela distância entre dois “gêneros” que insistem em separar adultos de adolescentes, como se faixa etária determinasse gosto musical. Felizmente, como eu disse, as coisas estão mudando.

Vida Fodona #172: Esse programa inaugura uma era e encerra outra

Dando um tempinho na Temporada Sem Parar para mais um Vida Fodona tradicional, cheio de falação aleatória entre as músicas – e o programa ainda marca a inauguração de novas instalações e o início da despedida da unidade móvel da UAM.

Cidadão Instigado – “Escolher Pra Quê?”
Flaming Grooves – “Have You Seen My Baby?”
Gossip – “Vertical Rhythm”
Friendly Fires – “Skeleton Boy (Grum Remix)”
Franz Ferdinand – “Womanizer”
Noah & the Whale – “Love of an Orchestra”
Thom Yorke – “The Present Tense”
Fernanda Takai – “There Must Be An Angel (Playing With My Heart)”
Lucas Santtana – “Cira Regina e Nana”
Florence and the Machine – “Halo”
Miami Horror – “Make You Mine (Fred Falke Remix)”
Passion Pit – “Sleepyhead (Starsmith Remix ft. Ellie Goulding)”
Arctic Monkeys – “Dangerous Animals”
Erasmo Carlos – “Noite Perfeita (Uma Farra no Tempo)”
Mick Ronson e David Bowie – “Like a Rolling Stone”
Gabriel Thomaz & Móveis Coloniais de Acaju – “A Shot in the Dark Sim, E Daí?”
Wado – “Estrada”
Killing Chainsaw – “The Woke of Jo”
Cat Power – “Dreams”

Colaqui.