Slavoj Zizek @ OccupyWallStreet

Ouça o que ele tem a dizer (e, de novo, se alguém se dispuser a traduzir, reproduzo aqui) e agradeça a tradução feita pela Mariana, pelo Fred e pelo Daniel. Valeu mesmo, guys:

[…] “[Eles estão dizendo] que nós somos perdedores, mas os verdadeiros perdedores estão lá em Wall Street. Eles foram afiançados por bilhões do nosso dinheiro. Nós somos chamados de socialistas, entretanto, aqui há, de fato, socialismo – para o rico. Eles dizem que nós não respeitamos a propriedade privada. Mas na crise de 2008, mais propriedades obtidas através de trabalho duro foram destruídas do que todos nós estamos estamos aqui para destruir, noite e dia, por semanas. Eles te dizem que nós somos sonhadores; os verdadeiros sonhadores são aqueles que pensam que as coisas podem ir adiante indefinidamente da forma em que estão. Nós não somos sonhadores; nós estamos acordando do sonho que está se transformando em pesadelo. Nós não estamos destruindo nada; nós estamos apenas testemunhando como o sistema destrói a si próprio. Nós todos sabemos [inaudível] de desenhos animados. O gato alcança o precipício, mas continua caminhando, ignorando o fato de que não há nada abaixo de seu chão. Só quando ele olha pra baixo e percebe isso, ele cai. Isso é o que nós estamos fazendo aqui. Nós estamos dizendo para os caras lá em Wall Street, ‘Hey, olhem pra baixo!’

[inaudível] “…Em 2011, o Governo Chinês proibiu, na TV, em filmes e novelas, todas as histórias [inaudível – algo sobre realidades alternativas ou viagem no tempo]. Esse é um bom sinal para a China; isso significa que as pessoas continuam a sonhar com alternativas, ainda que atacados e proibidos, continuam sonhando. Aqui nós não pensamos em proibições, porque [inaudível – “a história”?] oprimiu nossa capacidade de sonhar. Olhem para os filmes que nós vemos a todo o tempo. É fácil imaginar o fim do mundo – um asteróide destruindo toda a vida, e assim por diante – mas nós não podemos imaginar o fim do capitalismo. Então, o que é que estamos fazendo aqui? Deixe me contar a vocês uma velha piada, dos tempos do Comunismo. Um cara foi enviado para trabalhar no leste alemão, vindo da Sibéria. Ele sabia que suas cartas seriam lidas pelos censores, então ele disse a seus amigos: “Vamos estabelecer um código. Se a carta que eu enviar etiver escrita em caneta azul, é verdade o que eu digo; se estiver escrita em caneta vermelha, é falso.” Depois de um mês, seus amigos receberam a primeira carta. Tudo estava escrito em azul. Dizia a carta: “Tudo é maravilhoso aqui. As lojas estão cheias de boa comida, os cinemas passam bons filmes do oeste, os apartamentos são grandes e luxuosos. A única coisa que não se pode encontrar é uma caneta vermelha.” É assim que nós vivemos. Nós temos todas as liberdades que queremos, mas o que está nos faltando é uma caneta vermelha: a linguagem para articular nossa não-liberdade. A forma como somos ensinados a falar sobre liberdade, ‘guerra ao terror’, e assim por diante, falsifica a liberdade. E isso é o que vocês estão fazendo aqui: Vocês estão dando a todos nós uma caneta vermelha.

Há um perigo: Não se apaixonem por si mesmos. Nós temos um momento lindo aqui. Mas se lembrem: Carnavais vêm facilmente. O que importa é o dia seguinte, quando nós temos que retornar à vida normal. Haverá mudanças, então? Eu não quero me lembrar desses dias, você sabe, como ‘Oh, nós éramos jovens, aquilo foi lindo…’ Lembrem-se que a nossa mensagem básica é, ‘Nos é permitido pensar sobre alternativas’ Um tabu é quebrado. Nós não vivemos no melhor mundo possível. Mas ainda há uma longa estrada. Existem questões realmente difíceis, que nos confrontam. Nós sabemos o que nós não queremos, mas o que nós queremos? Que organização social pode substituir o capitalismo? Que tipo de novos líderes nós queremos? Lembram-se: O problema não é a corrupção ou a ganância; o problema é o sistema que te empurra para a corrupção. Tema não só os seus inimigos, mas também seus amigos que estão trabalhando para diluir esse processo, da mesma forma que você toma café sem cafeína, cerveja sem álcool, sorvete sem gordura. Eles tentarão transformar isso em um protesto moralmente inofensivo, um protesto descafeinado. Mas a razão pela qual nós estamos aqui é que nós temos o suficiente do mundo para reciclar garrafas de Coca Cola para dar dois dólares para caridade, ou comprar um capuccino da Starbucks, do qual 1% vai para as crianças famintas do Terceiro Mundo pra nos sentirmos bem. Depois da terceirização do trabalho e da tortura [inaudível – chama por “mic check”] …Nós podemos ver isso por um longo tempo, nós permitimos que nosso engajamento político também seja terceirizado. Nós o queremos de volta.

“Nós não somos Comunistas, se Comunismo significar o sistema que entrou em colapso em 1990. Lembrem-se que hoje, aqueles Comunistas são os mais eficientes, implacáveis capitalistas. Na China, hoje, nós temos um capitalismo que é ainda mais dinâmico que o seu capitalismo norte-americano, porém, não precisa de democracia, o que quer dizer, quando vocês criticam o capitalismo, não permitam que insinuem que vocês são “contra a democracia”. O casamento entre capitalismo e democracia acabou. Uma mudança é possível.”

“Agora, que nós consideramos possível hoje – apenas siga a mídia. Em uma mão há a tecnologia e a sexualidade – tudo parece ser possível. Você pode viajar para a Lua, você pode se tornar imortal pela biogenética, você pode ter sexo com animais, ou qualquer outra coisa. Mas olhem para o campo da economia – lá, quase tudo é considerado impossível. Você quer aumentar um pouco os impostos para os ricos, eles te dizem que é impossível. Nós perdemos competitividade. Você quer dinheiro pra cuidados com a saúde, eles te dizem “Impossível!” Isso significa um Estado Totalitário.’ Há algo errado com o mundo, onde lhe é prometido ser imortal, mas eles não podem gastar um pouco mais com a saúde? Talvez nós tenhamos que configurar nossas prioridades direito. Nós não queremos padrões de vida mais altos; nós queremos melhores padrões de vida. O único sentido no qual nós somos Comunistas é porque nós nos importamos com os comuns; os comuns da natureza, os comuns do que é privatizado pela propriedade intelectual dos biogeneticistas. Para isso, e só para isso, nós devemos lutar.

O Comunismo falhou em absoluto; mas os problemas dos comuns estão aqui. Eles estão nos dizendo que você não é americano aqui, mas os fundamentalistas conservadores, que se intitulam os ‘verdadeiros’ americanos têm de ser lembrados de algo: O que é Cristianismo? É o Espírito Santo. O que é o Espírito Santo? É uma comunidade igualitária de crentes, que são unidos pelo amor que tem uns pelos outros e só possuem sua liberdade e a responsabilidade de fazer isso. Nesse sentido, o Espírito Santo está aqui agora, e lá em Wall Street tem milhões [?] que estão adorando ídolos blasfêmicos. Então, tudo o que precisamos é de paciência.

“A única coisa da qual eu tenho medo é de que nós, algum dia, apenas voltaremos para nossas casas, e então nos encontrem uma vez por ano, bebamos cerveja e nostalgicamente lembremos o quão lindo foi o momento que vivemos aqui. Prometamos a nós mesmos, que isso não será perseguido. Vocês sabem que as pessoas frequentemente desejam algo, mas não querem aquilo de fato. Não tenham medo de querer aquilo que vocês desejam.”

A transcrição saiu daqui, de uma dica da Sereia.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Willian Oliveira disse:

    O que disse e a sua participaçao na manifestação,me lembrou outro video do não menos importante,Eduardo Galeano,nas manifestações que aconteceram na Espanha, http://www.youtube.com/watch?v=mdY64TdriJk .

  2. Fred Costa disse:

    […] “[Eles estão dizendo] que nós somos todos perdedores, mas os verdadeiros perdedores estão lá em Wall Street. Eles foram socorridos por bilhões do nosso dinheiro. Nós somos chamados de socialistas, mas aqui já há socialismo – para os ricos. Eles dizem que nós não respeitamos a propriedade privada. Mas na crise financeira de 2008 foram destruídas muito mais propriedades arduamente adquiridas do que se todos nós estivéssemos destruindo-as dia e noite por semanas. Eles dizem a vocês que somos sonhadores; os verdadeiros sonhadores são aqueles que pensam que as coisas podem continuar do jeito que estão indefinidamente. Nós não somos sonhadores; nós somos o despertar de um sonho que está se tornando em pesadelo. Nós não estamos destruindo nada; nós só estamos testemunhando como o sistema está se autodestruindo. Todos conhecemos a cena clássica dos desenhos animados. O gato chega ao precipício, mas continua caminhando, ignorando o fato de que não há nada sob os seus pés. Apenas quando ele olha pra baixo e percebe, é que ele cai. Isto é o que estamos fazendo aqui. Nós estamos dizendo aos caras lá de Wall Street, “Ei! Olhem pra baixo!”.
    “…Em abril de 2011, o governo chinês, proibiu na tv, no cinema e na literatura todas as histórias que contêm realidades alternativas ou viagem no tempo. Isto é um bom sinal para a China; significa que as pessoas ainda sonham com alternativa; então você precisa proibir este sonho. Aqui nós não pensamos em proibição porque [inaudível – “a história”?] oprimiu até mesmo nossa capacidade de sonhar. Vejam os filmes que vemos o tempo todo. É fácil imaginar o fim do mundo – um asteroide destruindo toda a vida, e por aí vai – mas nós não conseguimos imaginar o fim do capitalismo. Então o que estamos fazendo aqui? Deixem-me contar a vocês uma antiga piada maravilhosa da época comunista. Um cara foi mandado da Alemanha Oriental para trabalhar na Sibéria. Ele sabia que suas cartas seriam lidas pelos censores, então ele contou a seus amigos, ‘Vamos estabelecer um código. Se uma carta minha for escrita em tinta azul, o que eu contar será verdade; se for escrita em tinta vermelha, será falso’. Após um mês, seus amigos recebem uma primeira carta. Tudo em azul. Esta carta diz: ‘Tudo está maravilhoso aqui. Os armazéns estão cheios de boa comida, os cinemas exibindo bons filmes do Ocidente, os apartamentos são grandes e luxuosos. O único que não achamos aqui é tinta vermelha.’ É assim que vivemos. Nós temos todas as liberdades que queremos, mas o que nos falta é tinta vermelha: a linguagem para articular a nossa falta de liberdade. O modo como somos ensinados a falar sobre liberdade, ‘guerra ao terror’, e assim por diante, falsifica a liberdade. E isto é o que estamos fazendo aqui: Vocês estão dando para todos nós a tinta vermelha.
    “Há um perigo: Não se apaixonem por si mesmos. Nós estamos nos divertindo aqui. Mas lembrem-se: a diversão é barata. O que importa é o dia seguinte, quando teremos que voltar à vida normal. Haverá alguma mudança então? Eu não quero me lembrar destes dias, como, ‘Oh, éramos jovens, foi tão lindo…’ Lembrem-se que a nossa mensagem básica é, ‘Nós podemos pensar em alternativas.’ Um tabu foi quebrado. Nós não vivemos no melhor mundo possível. Mas há uma longa estrada à frente. Há questões verdadeiramente difíceis a nos confrontar. Sabemos o que não queremos, mas o que queremos? Que organização social pode substituir o capitalismo? Que tipo de novos líderes queremos? Lembrem-se: O problema não é a corrupção ou a ganância; o problema é o sistema que te leva a ser corrupto. Cuidado não só com os inimigos, mas também com os falsos amigos que já estão trabalhando para diluir este protesto da mesma forma que você recebe café sem cafeína, cerveja sem álcool, sorvete sem gordura. Eles vão tentar transformar isso em um protesto moral inofensivo, um protesto descafeinado. Mas a razão pela qual estamos aqui é que estamos fartos de um mundo onde reciclar latas de Coca para doar alguns dólares para a caridade, ou comprar um cappuccino do Starbucks onde um por cento vai para as crianças com fome do Terceiro Mundo é o suficiente para fazer nos sentirmos bem. Após terceirizar o trabalho e a tortura, após as agências de matrimônio estarem inclusive terceirizando a nossa vida amorosa, nós percebemos que por um bom tempo permitimos que nosso engajamento político também fosse terceirizado. Nós o queremos de volta.
    “Nós não somos comunistas, se Comunismo significa o sistema que desmoronou em 1990. Lembrem-se que hoje aqueles Comunistas são os mais cruéis e eficientes capitalistas. Na China hoje, temos capitalismo que é até mais dinâmico que o seu capitalismo americano mas não precisa de democracia, o que significa que, se você critica o capitalismo, você não pode ser taxado como alguém “antidemocrático”. O casamento entre a democracia e o capitalismo acabou. Uma mudança é possível.
    “Agora, o que consideramos hoje ser possível – apenas veja os meios de comunicação. De um lado há a tecnologia e a sexualidade – tudo parece ser possível. Você pode viajar até a lua, você pode se tornar imortal com a biogenética, você pode fazer sexo com animais ou qualquer outra coisa. Mas olhe para o campo da sociedade e da economia – lá, quase tudo é considerado impossível. Você quer aumentar um pouco as taxas para os ricos, eles te dizem que é impossível. Perdemos competitividade. Você quer mais dinheiro para o sistema de saúde, eles te dizem, ‘Impossível! Isto significa um Estado totalitário’. Não há algo de errado com um mundo onde te prometem a imortalidade, mas não podem gastar um pouco mais com o sistema de saúde? Talvez precisemos endireitar nossas prioridades. Nós não queremos padrões de vida mais altos. Nós queremos padrões de vida melhores. O único sentido em que somos Comunistas é que nos preocupamos com o comum: o comum da natureza, o comum do que é privatizado pela propriedade intelectual, o comum da biogenética. Por isso, e apenas por isso, nós devemos lutar. O comunismo falhou completamente, mas os problemas do comum estão aqui. Eles estão dizendo a vocês que aqui não somos americanos, mas os fundamentalistas conservadores que se dizem os verdadeiros americanos devem ser lembrados de uma coisa: O que o Cristianismo? É o Espírito Santo. O que é o Espírito Santo? É uma comunidade igualitária de fiéis que estão conectados uns aos outros pelo amor e que possuem apenas a sua própria liberdade e a responsabilidade. Neste sentido o Espírito Santo está aqui agora, e lá em Wall Street há milhões [?] que estão adorando entidades profanas. Então tudo que precisamos é paciência.
    “A única coisa que temo é que algum dia simplesmente iremos pra casa, e então nos encontraremos uma vez por ano, para beber cerveja e nos lembrar nostalgicamente da época boa que tivemos aqui. Prometam a si mesmos que isso não irá acontecer. Vocês sabem que as pessoas geralmente desejam alguma coisa, mas não o querem de verdade. Não tenham medo de realmente querer aquilo que desejam.”

  3. Fred Costa disse:

    Meio corrido, porque minha cafeína acabou Matiolo, então pode conter erros..

  4. mariana disse:

    Traduzido 😀

    […] “[Eles estão dizendo] que nós somos perdedores, mas os verdadeiros perdedores estão lá em Wall Street. Eles foram afiançados por bilhões do nosso dinheiro. Nós somos chamados de socialistas, entretanto, aqui há, de fato, socialismo – para o rico. Eles dizem que nós não respeitamos a propriedade privada. Mas na crise de 2008, mais propriedades obtidas através de trabalho duro foram destruídas do que todos nós estamos estamos aqui para destruir, noite e dia, por semanas. Eles te dizem que nós somos sonhadores; os verdadeiros sonhadores são aqueles que pensam que as coisas podem ir adiante indefinidamente da forma em que estão. Nós não somos sonhadores; nós estamos acordando do sonho que está se transformando em pesadelo. Nós não estamos destruindo nada; nós estamos apenas testemunhando como o sistema destrói a si próprio. Nós todos sabemos [inaudível] de desenhos animados. O gato alcança o precipício, mas continua caminhando, ignorando o fato de que não há nada abaixo de seu chão. Só quando ele olha pra baixo e percebe isso, ele cai. Isso é o que nós estamos fazendo aqui. Nós estamos dizendo para os caras lá em Wall Street, ‘Hey, olhem pra baixo!’
    [inaudível] “…Em 2011, o Governo Chinês proibiu, na TV, em filmes e novelas, todas as histórias [inaudível – algo sobre realidades alternativas ou viagem no tempo]. Esse é um bom sinal para a China; isso significa que as pessoas continuam a sonhar com alternativas, ainda que atacados e proibidos, continuam sonhando. Aqui nós não pensamos em proibições, porque [inaudível – “a história”?] oprimiu nossa capacidade de sonhar. Olhem para os filmes que nós vemos a todo o tempo. É fácil imaginar o fim do mundo – um asteróide destruindo toda a vida, e assim por diante – mas nós não podemos imaginar o fim do capitalismo. Então, o que é que estamos fazendo aqui? Deixe me contar a vocês uma velha piada, dos tempos do Comunismo. Um cara foi enviado para trabalhar no leste alemão, vindo da Sibéria. Ele sabia que suas cartas seriam lidas pelos censores, então ele disse a seus amigos: “Vamos estabelecer um código. Se a carta que eu enviar etiver escrita em caneta azul, é verdade o que eu digo; se estiver escrita em caneta vermelha, é falso.” Depois de um mês, seus amigos receberam a primeira carta. Tudo estava escrito em azul. Dizia a carta: “Tudo é maravilhoso aqui. As lojas estão cheias de boa comida, os cinemas passam bons filmes do oeste, os apartamentos são grandes e luxuosos. A única coisa que não se pode encontrar é uma caneta vermelha.” É assim que nós vivemos. Nós temos todas as liberdades que queremos, mas o que está nos faltando é uma caneta vermelha: a linguagem para articular nossa não-liberdade. A forma como somos ensinados a falar sobre liberdade, ‘guerra ao terror’, e assim por diante, falsifica a liberdade. E isso é o que vocês estão fazendo aqui: Vocês estão dando a todos nós uma caneta vermelha.
    Há um perigo: Não se apaixonem por si mesmos. Nós temos um momento lindo aqui. Mas se lembrem: Carnavais vêm facilmente. O que importa é o dia seguinte, quando nós temos que retornar à vida normal. Haverá mudanças, então? Eu não quero me lembrar desses dias, você sabe, como ‘Oh, nós éramos jovens, aquilo foi lindo…’ Lembrem-se que a nossa mensagem básica é, ‘Nos é permitido pensar sobre alternativas’ Um tabu é quebrado. Nós não vivemos no melhor mundo possível. Mas ainda há uma longa estrada. Existem questões realmente difíceis, que nos confrontam. Nós sabemos o que nós não queremos, mas o que nós queremos? Que organização social pode substituir o capitalismo? Que tipo de novos líderes nós queremos? Lembram-se: O problema não é a corrupção ou a ganância; o problema é o sistema que te empurra para a corrupção. Tema não só os seus inimigos, mas também seus amigos que estão trabalhando para diluir esse processo, da mesma forma que você toma café sem cafeína, cerveja sem álcool, sorvete sem gordura. Eles tentarão transformar isso em um protesto moralmente inofensivo, um protesto descafeinado. Mas a razão pela qual nós estamos aqui é que nós temos o suficiente do mundo para reciclar garrafas de Coca Cola para dar dois dólares para caridade, ou comprar um capuccino da Starbucks, do qual 1% vai para as crianças famintas do Terceiro Mundo pra nos sentirmos bem. Depois da terceirização do trabalho e da tortura [inaudível – chama por “mic check”] …Nós podemos ver isso por um longo tempo, nós permitimos que nosso engajamento político também seja terceirizado. Nós o queremos de volta.
    “Nós não somos Comunistas, se Comunismo significar o sistema que entrou em colapso em 1990. Lembrem-se que hoje, aqueles Comunistas são os mais eficientes, implacáveis capitalistas. Na China, hoje, nós temos um capitalismo que é ainda mais dinâmico que o seu capitalismo norte-americano, porém, não precisa de democracia, o que quer dizer, quando vocês criticam o capitalismo, não permitam que insinuem que vocês são “contra a democracia”. O casamento entre capitalismo e democracia acabou. Uma mudança é possível.”
    “Agora, que nós consideramos possível hoje – apenas siga a mídia. Em uma mão há a tecnologia e a sexualidade – tudo parece ser possível. Você pode viajar para a Lua, você pode se tornar imortal pela biogenética, você pode ter sexo com animais, ou qualquer outra coisa. Mas olhem para o campo da economia – lá, quase tudo é considerado impossível. Você quer aumentar um pouco os impostos para os ricos, eles te dizem que é impossível. Nós perdemos competitividade. Você quer dinheiro pra cuidados com a saúde, eles te dizem “Impossível!” Isso significa um Estado Totalitário.’ Há algo errado com o mundo, onde lhe é prometido ser imortal, mas eles não podem gastar um pouco mais com a saúde? Talvez nós tenhamos que configurar nossas prioridades direito. Nós não queremos padrões de vida mais altos; nós queremos melhores padrões de vida. O único sentido no qual nós somos Comunistas é porque nós nos importamos com os comuns; os comuns da natureza, os comuns do que é privatizado pela propriedade intelectual dos biogeneticistas. Para isso, e só para isso, nós devemos lutar.
    O Comunismo falhou em absoluto; mas os problemas dos comuns estão aqui. Eles estão nos dizendo que você não é americano aqui, mas os fundamentalistas conservadores, que se intitulam os ‘verdadeiros’ americanos têm de ser lembrados de algo: O que é Cristianismo? É o Espírito Santo. O que é o Espírito Santo? É uma comunidade igualitária de crentes, que são unidos pelo amor que tem uns pelos outros e só possuem sua liberdade e a responsabilidade de fazer isso. Nesse sentido, o Espírito Santo está aqui agora, e lá em Wall Street tem milhões [?] que estão adorando ídolos blasfêmicos. Então, tudo o que precisamos é de paciência.
    “A única coisa da qual eu tenho medo é de que nós, algum dia, apenas voltaremos para nossas casas, e então nos encontrem uma vez por ano, bebamos cerveja e nostalgicamente lembremos o quão lindo foi o momento que vivemos aqui. Prometamos a nós mesmos, que isso não será perseguido. Vocês sabem que as pessoas frequentemente desejam algo, mas não querem aquilo de fato. Não tenham medo de querer aquilo que vocês desejam.”

  5. sergio lazaro dantas disse:

    Cristina
    O Slavoj Zizek ´, um dos filósofos que tentam renovar o marxismo.Ele é muito participante.Procura alternativa entre aquelas imposturas de socialismo (que na realidade não eram socialismo ) e os interesses do capital ocidental.
    Gosto do que ele pretende , mas parece muito ambicioso e até mesmo pura utopia pretender tomar o caminho de um novo projeto de sociedade.
    Estou como ele convicto de que é preciso ir mais longe, muito mais longe no caminho de um novo horizonte de vida em comum.Será preciso , sei muito bem,que para ir mais longe será preciso realizar um trabalho mais coletivo e mais aprofundado.
    Ele escreve e pensa de dentro de um mundo desenvolvido em crise, que não é bem o nosso caso. Nós temos que ajudar, como voce está fazendo a desenvolver e divulgar esses temas,mas nosso caso é acabar com a miséria, a fome, as “valas negras” da vida de milhares de pessoas famintas, que não estão ali porque querem mas que foram chutadas para escanteio pela nossa arrogância e prepotência.
    Acho que ele adota ideias do Lacan ou ele mesmo também é psicanista( Mas isso é assunto para a sua sogra )
    beijos papai

  1. 25/03/2014

    […] Foi o que disse o filósofo Slavov Jizek num discurso no Occupy Wall Street (e traduzido quase que integralmente num arranjo do …. […]