Rush: Um monumento à autoimportância

foofighters-rush

Sim, são os Foo Fighters celebrando a chegada do Rush ao Rock’n’Roll Hall of Fame na quinta-feira passada, fazendo cosplay do trio canadense e tocando nada menos que “Overture”, do icônico 2112:

A homenagem não ficou só em música. Dave Grohl empolgou-se e preparou um discurso daqueles para celebrar a importância da banda, explicando que a banda preferiu seguir fiel aos seus princípios mesmo que eles parecessem cafonas e datados. Ao destacar as qualidades nerds e cheias de autoimportância de cada um dos três músicos que são a única formação clássica do grupo (caso raríssimo na história do rock), Grohl também reforça a devoção dos fãs da banda, algo que, compara, só chega aos pés do Grateful Dead, chegando ao centro de sua argumentação disposto a listar, um a um, todos os títulos de discos da banda como clássicos imbatíveis que só os fãs de Rush sabem reconhecer.

Logo em seguida foi a vez do próprio trio foi agradecer a reverência, para, depois das falas de Geddy Lee e Neil Peart (que, além de reconhecer a honraria, saudaram o humor e a paciência dos companheiros de banda), terminar com um discurso peculiar do guitarrista Alex Lifeson, que caracteriza o quanto o Rush está fora dos padrões da história do rock. Talvez tenha a ver com o fato de eles serem canadenses…

E, pouco depois, fazer o que sabem fazer melhor:

Não dá para desmerecê-los. Por mais que o trio pareça caricato e brega para quem o vê de fora, é inevitável reconhecer o Rush como uma das forças mais emblemáticas da história da música pop. Dave Grohl comparou a seriedade da devoção de sua horda de fãs com as dos deadheads, o culto itinerante que persegue o Grateful Dead para onde ele for, mas que esse fanatismo tem parentesco com outro tipo de religião cultural, igualmente caricata e brega: o nerd clássico. Não esse nerd cool e digital de hoje em dia, que curte música eletrônica, se veste com roupas de grife e circula por agências de publicidade e casas noturnas. Mas aquele nerd anos 70, mais feio e desajustado que um personagem do Crumb e completamente obcecado com algum assunto invariavelmente chato e meticuloso: montar computadores, plastimodelismo, radioamadorismo, RPG, histórias em quadrinhos, ficção científica ou cards de beisebol. E Rush. Enquanto Led Zeppelin e Pink Floyd faziam o som que a geração pós-hippie descobria seu próprio hedonismo, o Rush convidava fãs a um universo particular, alheio ao resto do mundo, cerebral, em que ficção científica, música erudita, filosofia e sagas épicas serviam como fio condutor para riffs inesquecíveis, refrões memoráveis, solos arrebatadores (inclusive de bateria, claro).

Tive minha fase Rush na adolescência e ouvi até furar discos como Moving Pictures, Fly by Night, Exit… Stage Left, Hemispheres, Permanent Waves e 2112. Sei cantarolar riffs, solos e letras inteiras graças a horas ouvindo os três canadenses tocarem muito alto na sala de estar da casa dos meus pais ou nas caixas de som de um carro de algum amigo, seja parado em alguma paisagem pastoril brasiliense ou à toda sem rumo pelas avenidas intermináveis da minha cidade. Mas nunca havia os visto ao vivo. Afinal, houve um tempo em que “o show do Rush no Brasil” era o equivalente a “o show do Radiohead no Brasil”, uma utopia inalcançável, um grande amanhã.

Calhou dos três anunciarem finalmente sua vinda na época em que eu vivia minha fase frila, três anos sem patrão que me fizeram entender a amplitude do conceito de jornalismo e sua natureza artística (mas isso é outra conversa). Ao saber da confirmação da vinda do Rush ao Brasil, acionei o compadre catarinense Emerson “Tomate” Gasperin, que ainda morava em São Paulo, para celebrar nossa devoção adolescente do passado em forma de ganha-pão e vendemos para uma pequena editora que nem me lembro o nome (só do logotipo, uma silhueta de um caubói – !?!?!) um especial sobre a banda. Chamei outro chapa que também era afeito ao trio – o alagoano Fernando Coelho, ele sim fã de carteirinha -, e juntos escrevemos uma revista inteira dedicada ao Rush, suas diferentes fases, discografia comentada, dados sobre os instrumentos usados e até uma história em quadrinhos dedicada aos fãs do grupo (escrita e desenhada por outro broder, Zé Dassilva). A revista nos valeu a grana do frila e ingressos para o show – uma forma que nós encontramos para cumprimentar uma seriedade adolescente que encontrou no culto ao grupo uma forma de ser exercida. O único resquício digital dessa revista que encontrei foi esta imagem abaixo, no cache do Google de uma página do Mercado Livre que já não existe… Com certeza a tenho em algum lugar aqui em casa, quando encontrar conto a história completa.

revista-especial-rush

Mas ela é só um exemplo do tipo de determinação que é compatível àquela motivada pelas canções do grupo. Como escreve Neil Peart num dos clássicos do grupo, para a voz esganiçada de Geddy Lee cantar:

“You can choose a ready guide in some celestial voice.
If you choose not to decide, you still have made a choice.
You can choose from phantom fears and kindness that can kill;
I will choose a path that’s clear-
I will choose Free Will”

Nerdismo pesado.

Você pode gostar...

9 Resultados

  1. Adriano A G disse:

    Tenho essa revista até hoje e me ajudou muito a criar meu projeto de conclusão de um curso de design de embalagens. Criei protótipos de embalagens para uma coletânea de discos da banda, baseadas nas fases do grupo. Sou nerd? rs

  2. Tiago disse:

    Legal a matéria – que na verdade só estou respondendo como fã do Rush mesmo (he!)

    Mas eu acho que a indicação da banda para o Hall da Fama do Rock hoje se deve ao redescobrimento da banda pela crítica estadunidense (que sempre foi crítica ferrenha do rock progressivo), inclusive graças a mídia digital que proporcionou a facilidade ao acesso a material mais ‘obscuro’ e ‘perdido’.

    Tanto que hoje existe um certo ‘culto’ a músicas e álbuns menos famosos/de sucesso como o “Caress of Steel” (judiado pela mídia especializada e público na turnê ‘Down the tubes’)…

  3. Eduf disse:

    Hoje chamam isso de modelo de negócios. Nicho.
    http://blog.priceonomics.com/post/48216173465/the-business-of-phish

    O tal do Seth Godin praticamente ganha a vida escrevendo sobre isso, né?
    http://www.sethgodin.com/sg/books.asp

  4. Cassiano disse:

    O Rush é realmente uma banda singular. É o único elogio que eu consigo fazer a eles, sem deboche. O som, progessivo no limite da perfeição formal, nunca me pegou em nada. E a voz do Geddy Lee se compara à do Jon Anderson de tão irritante.

  5. bernardo mortimer disse:

    Sou saudosista: fã dos textos grandes aqui do Sujo. Boa!

  6. Fred disse:

    Rapaz, fui a esse show do Rush no Rio, em 2003 (patrocínio de uma marca de cerveja chamada Santa Cerva!). Show maravilhoso. Também tenho o DVD daquela apresentação no Rio. Quanto a essa revista, eu acho que eu já li sim! Por acaso na última página tem um perfil do Neil Peart?

  7. Paulo disse:

    Nada contra o Rush até acho algumas musicas legais e interessantes, mas uma coisa e certa o Dave Grohl provavelmente e o cara mais arroz de festa de todos os tempos.

  8. Leonardo disse:

    Por sorte nunca tive minha fase Rush. Mas qualquer um que frequentou um pouquinho a lendária Nuvem Nove aprendeu a ter um carinho especial pelo trio.
    Abs.

  9. J Eduardo Dantas disse:

    Descobri o Rush há uns dois anos e o que vi ali foram: ótimas músicas, canções bem tocadas, três instrumentistas excepcionais… e aquele fator rock’n’roll que sempre agrada: solos, volume alto, inadequação adolescente… não tem como não curti, sério…