Ralice…

E Alice é pior – e melhor – do que eu esperava. Consegue mostrar que Tim Burton, quando quer, não fala nada com nada, passa o filme inteiro delirando na possibilidade vazia de um diretor de arte assumir a direção de um filme. Visualmente Alice é lindaço, delírio psicodélico vitoriano detalhista, quase artesanato digital. Mas cadê a história? Em vez de nos importarmos com os personagens e com o que acontece com eles, tem-se a sensação de estar num parque temático sobre Alice no País das Maravilhas – e na versão Disney, só que humanizada. Se na Fábrica de Chocolates Burton já tinha exagerado no açúcar ao misturar sua história com a do filme, em Alice dá pra sentir a gana do merchandising em cada flor falante, em cada bicho colorido que aparece do nada. Pelo menos a minha queria Mia Wasikowska não compromete, como eu havia lido por aí.

Mas vou falar melhor do filme depois, estou terminando de ler algo que tem a ver com o assunto do filme e achei melhor falar dos dois ao mesmo tempo. Em breve…

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Roberta M disse:

    Eu me decepcionei com o filme… é lindo, realmente, mas é isso e só. Até a própria Mia é engolida pela trama desengonçada…

  2. Bufo disse:

    Eu também me decepcionei e olha que eu sou fã do Tim Burton (gostei até do remake de Planeta dos Macacos). Tem até umas idéias interessantes quando a Alice volta ao país das maravilhas (o que também leva uma eternidade), mas o ato final parece aquelas missões de videogame (de game ruim, pois tem muito game com história melhor que filme por aí).
    E visualmente é muito bonito como todo filme do Tim Burton, mas depois de Avatar (que tem uma história mais cliché ainda), meu padrão visual-bonito-pra-esquecer-história-medíocre aumentou muito (ainda mais em 3D!!). Vamos ver se o TRON Legacy conseguirá esse feito.
    A única coisa boa desse hype em torno desse último Alice da Disney foi que finalmente me fez ler a edição comentada de Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho e o que Ela Encontrou por Lá.