R.E.M. (1980-2011)

A banda anunciou o fim de sua carreira nesta quarta e, falando sério, já tinha passado do tempo.

Os últimos discos do grupo são apenas ecos do que a banda foi um dia e vê-los sendo recebidos com elogios e palmas dava uma sensação de preguiça misturada com complacência ao mesmo tempo em que novas gerações eram apresentadas a uma versão aguada do que era o R.E.M. e se encantando com tão pouco – um fenômeno parecido com o que ocorreu com David Bowie a partir dos anos 80, em que cada novo e vazio disco era recebido com faixas em que se lia “O camaleão do rock voltou à boa forma”, puro otimismo condescendente. Para sua sorte, a banda ao vivo ainda soltava suas faíscas o que, felizmente, manteve sua reputação inabalada:


R.E.M. – “Electrolite”, São Paulo, 10 de novembro de 2008


R.E.M. – “Orange Crush” + “It’s the End of the World…”, São Paulo, 10 de novembro de 2008

Resta saber o que acontecerá com seus criadores de agora em diante. Se Michael Stipe vai cair no indie-jet-set de vez e se tornar uma personalidade multimídia, como um David Byrne gay, ou se vai insistir em compor canções para discos solo que só satisfazem a fome dos fãs, como um Morrissey americano. Se Peter Buck vai se tornar convidado de luxo de bandas indie, curador de obras de crítica musical, autor de songbooks de um novo cancioneiro norte-americano ou entregar prêmios em cerimônias da indústria do disco. Se Mike Mills vai abrir um estúdio, uma fazenda ou virar jurado de programa de TV. E em quanto tempo assistiremos uma “grande volta” do R.E.M. aos palcos. Eu chuto 2016 – e acho que tou chutando longe.

Antes disso, claro, vem a coletânea que encerrará a história da banda.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Alexandre disse:

    não concordo muito não. Acho que fizeram mesmo alguns discos (???) fracos , mas os últimos e, principalmente o últimos achei bem bom

  2. luciano disse:

    Eu também não achei que os últimos discos eram “ecos do passado”. Com exceção de “Around the Sun”, que realmente acho mais fraco, considero “Reveal”, “Accelerate” e “Collapse…” muito bons.
    Mas entre seus chutes sobre o futuro de cada integrante, acho que há grandes chances de acerto, principalmente o do Peter Buck.

  3. Fernando Souza Jr. disse:

    Acho que 30 anos juntos é muita coisa, em qualquer situação, ainda mais para uma banda de rock. Agora, dizer que o R.E.M. de agora é uma versão aguada de 30 anos atrás, discordo de forma veemente. Pode ser uma exceção no mundo do rock, mas tá aí uma banda que nunca se acomodou, sempre buscou a excelência, mesmo com momentos irregulares. “Acelerate” é um tremendo álbum, com um rock vigoroso e inspirado que não se vê por aí. Eles claramente se recusaram a se tornar uma banda cover deles próprios, como fazem tantos rockstars por aí.

  1. 23/09/2011

    […] não torço pro U2 pegar carona no anúncio do R.E.M. porque morro de medo de uma carreira solo (política?) do Bono. Comente por: Alexandre Matias […]