Quatro vezes Kate Tempest

katetempest-

Já acompanhava a carreira de Kate Tempest, mas do ponto de vista dos discos, tanto que elenquei seu Everybody Down como um dos meus discos favoritos de 2014. Mas seu trabalho vai muito além da música – ela é poeta, dramaturga e escritora, tem o completo domínio da palavra, seja escrita ou falada. Pude acompanhá-a de perto durante sua primeira vinda ao Brasil, primeiro durante a Flip, em que trabalhei pela terceira vez consecutiva cuidando das mídias sociais do evento. Lá pude vê-la em três momentos: o primeiro deles no sarau de abertura da festa literária, quando ela recitou seu épico “Brand New Ancients”, após ser apresentada pela mestra de cerimônias Roberta Estrela D’Alva:


Kate Tempest – “Brand New Ancients”

Depois foi quando ela participou da mesa O Palco é a Página, ao lado do poeta carioca Ramon Nunes Mello (que segurou bem a onda do lado dela, uma grata surpresa). Lá, Kate recitou, de cabeça, o início de seu romance, lançado no Brasil com o título de Os Tijolos nas Paredes das Casas, lançado pela editora Leya:


Kate Tempest – “The Bricks That Built the Houses (introduction)”

E depois emendou seu incrível poema “Hold Your Own”, que batiza uma coletânea de suas poesias mas nunca foi publicado:


Kate Tempest – “Hold Your Own”

A terceira vez foi durante a mesa de encerramento da Flip, Livro de Cabeceira, em que ela leu um trecho do romance Murphy, do irlandês Samuel Beckett. Peguei pela metade, como vocês podem ver:


Kate Tempest lê Murphy, de Samuel Beckett

Encontrei com ela duas outras vezes, uma em Paraty, à noite, entre uma festa e outra, mas preferi deixá-la à vontade. E depois no restaurante Bica do Curió, em Taubaté, quando não resisti ao papparazzismo para registrar o encontro improvável dela e do norueguês Karl Ove Knausgård no restaurante de beira de estrada mais Wes Anderson que conheço:

Knausgård e Tempest na Bica do Curió

Uma foto publicada por Alexandre Matias (@trabalhosujo) em

Tive que comentar sobre a inusitada foto quando a encontrei pessoalmente pela primeira vez, na quarta vez que pude vê-la ao vivo, quando fiz conversei com ela na livraria Saraiva do Shopping Pátio Paulista, durante o lançamento do seu livro em São Paulo. Na conversa, ela recitou outras duas vezes. Na primeira delas, ela recitou um poema sem nome, que fez em homenagem à importância do hip hop para sua descoberta como artista:


Kate Tempest – “Hip Hop”

E mais uma vez ela recitou o início de seu romance, que é tão envolvente e cativante quanto suas performances, vale muito à pena ler:


Kate Tempest – “The Bricks That Built the Houses (introduction)”

Dali ela ia pra Bahia, fugir das pessoas, depois de quatro meses incessantes de turnê. Já tinha composto seu próximo disco, que iria lançar logo depois das férias e lamentou não ter vindo ao Brasil fazer shows devido à pressa, mas amou o país e disse que quer voltar. Vale à pena acompanhá-la.

Você pode gostar...