Pra quem perdeu o Gang of Four e o Miles Kane de graça no domingo no Parque


Miles Kane – “Better Left Invisible” / “Kingcrawler”


Miles Kane – “Hey Bulldog”


Miles Kane – “Inhaler”

Nem vou elogiar demais pra não parecer cabotino (afinal, a curadoria foi minha): mas o domingo no Parque da Independência, que reuniu os shows do 15º Festival da Cultura Inglesa, foi incrível. Dia lindaço, friozinho com sol, shows impecáveis, público apaixonado, show de graça, de dia, terminando às 20h. Só faltava o metrô ser do lado pra ser perfeito (um dia chegamos lá). Fiz videozinhos dos shows do Gang of Four e do Miles Kane pra quem deu mole e não pode ir…


Gang of Four – “You’ll Never Pay For The Farm”


Gang of Four – “Not Great Men”


Gang of Four – “I Parade Myself”


Gang of Four – “Paralysed” / “A Fruit Fly in the Beehive”


Gang of Four – “What We All Want”


Gang of Four – “Return the Gift”


Gang of Four – “To Hell With Poverty”


Gang of Four – “I Love a Man in An Uniform”


Gang of Four – “Natural’s Not In It”


Gang of Four – “He’d Send In The Army”


Gang of Four – “Damaged Goods”

E em “He’d Send In The Army”, em que Jon King destrói um microondas no palco, o Diego me filmou filmando.

Quando eu e o Jon (King, vocalista da banda) começamos, nos perguntávamos: ‘O que motiva as pessoas? O que as faz fazerem o que fazem?’. É claro que você pode resumir isso em apenas ‘economia’, mas não é só isso. As pessoas ainda estão fazendo as mesmas coisas que faziam no século passado, o marido ainda trazia o dinheiro para casa enquanto a mulher cuidava da comida e dos filhos. O mundo havia mudado, mas essas relações ainda não. Pelo contrário, elas haviam se tornado prisões: família, emprego, propriedade. As pessoas se prenderam nisso de uma forma que acham que isso é a vida delas.

Temos uma música chamada ‘Natural’s Not In It’ que fala exatamente sobre isso. Tudo aquilo que chamamos de “natural”, na verdade, é artificial, é criado pelo homem. Seja a sociedade, o conceito de justiça, de bom senso… Tudo isso é invenção humana, nada disso é natural. As idéias não são naturais. Qualquer uma delas, todas elas – são inventadas.

E não queríamos ser os portavozes da nova esquerda. Para isso, tiramos todas as referências de política de nossas letras e títulos – você vê os nomes das músicas e não diz que o conteúdo delas é política –, tudo que pudesse lembrar a política dos jornais tava fora. Não queríamos dizer ‘você está certo’, ‘você está errado’, ‘você é de esquerda’, ‘você é de direita’. Não queríamos nos separar das outras pessoas. Queríamos, sim, lembrar pra elas que, esquerda ou direita, estamos nesse barco juntos.

Mas a forma que você colocou é bem razoável. É isso: o Gang of Four não era uma banda de protesto, mas uma banda de crítica. Uma crítica à sociedade, à forma que vivemos, à música, ao rock, ao punk rock, às outras bandas, a nós mesmos. Era mais ou menos como o Situacionismo dos anos 60, não queríamos nos levar a sério, mas não queríamos só isso.

Trecho da entrevista que fiz com Andy Gill em 2006, que transformei em depoimento pra Bizz.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Mateus disse:

    Essa cena do microondas é clássica! Ocorreu em 2006 também.

  2. Rafa Gushi disse:

    Só elogios ao festival e ao Gang of Four nem se fale! Os videos do palco ficaram ótimos, mostrou nitidamente toda a performance louca do Andy e do Jon.
    A parte do micro-ondas me fez lembrar uma coisa meio Skinny Puppy e Einstürzende Neubauten em shows, rsrs…

    Ótima entrevista tbm. Abs!

  3. Ivan Costa disse:

    Po Alexandre.. eu sei que tu gosta de filmar os shows que tu vais.. mas a qualidade do som é tão ruim que eu nao aguento assistir 5 segundos.. sem falar na tremedeira da camera.. hahahaha tirando isso ta bom demaaais! abraaço!

  4. Filmo pra nao esquecer.

  5. Amanda disse:

    poxa, você não conseguiu filmar Come Closer, do Miles Kane? Mas mesmo assim, obrigada por postar!

  6. Nao filmei, Amanda, foi mal 🙂

  7. Letícia disse:

    Olha, o show foi ótimo, mas essa necessidade de colocar área vip na qual não aparece ninguém até o último show é sofrível. eu tive que aguentar blood red shoes e miles kane, nenhum dois quais me interessava, para poder assistir de perto gang of four, enquanto as mais de 150 cadeiras a minha frente nunca eram ocupadas, para posteriormente aparecerem 50 pessoas, muitas das quais nem prestavam atenção ao show, e ocuparem a área desproporcional entre o público mesmo e o palco. achei desnecessário e inútil, além de elititsta e puramente babaca.

  1. 30/05/2011

    […] Trabalho Sujo: Para quem perdeu Gang of Four e Miles Kane […]

  2. 22/03/2012

    […] da Independência num dos melhores eventos no Brasil do ano passado (quem foi sabe, quem não foi pode conferir aqui). E, aos poucos, vamos divulgando as novidades do festival deste […]

  3. 23/03/2012

    […] da Independência num dos melhores eventos no Brasil do ano passado (quem foi sabe, quem não foi pode conferir aqui). E, aos poucos, vamos divulgando as novidades do festival deste […]

  4. 07/04/2012

    […] Stones. O festival acontece em São Paulo no fim deste mês, no mesmo Parque da Independência que, ano passado, viu Gang of Four, Miles Kane e Blood Red Shoes, A curadoria do festival é minha e do compadre Lúcio Ribeiro. Tweet Comente por: […]

  5. 02/04/2013

    […] ao contrário das duas edições anteriores (que tiveram como principais atrações o Gang of Four e o Franz Ferdinand), este ano eu não estou na curadoria do evento, que ficou a cargo apenas do […]