Por que estamos obcecados com Stranger Things?

Qual foi o nervo psicológico coletivo que essa série acertou? Obviamente há o ar nostálgico, mas não é só isso. Será que também há uma nostalgia em cima de uma paranoia do passado? Será que é o ar de esperança que a série parece abrir em uma época tão sombria? Será que faltam novos protagonistas pré-adolescentes? Ou é a saudade de uma época pré-digital?

wllbyers

Esse poster apareceu durante a Comic Con de San Diego.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Alien disse:

    desconheço

  2. fernando coelho disse:

    Oi Matias,

    Vou comentar por que fui assistir ao primeiro capítulo a partir dessa postagem.

    Bem, vi um episódio de estreia que parece o tempo todo reafirmar o velho modelo “perfeito” de vida norte-americano. Está lá tudo de novo: o subúrbio de classe média, o café da manhã em família, o policial abusado com cara de mocinho, a bandeira a tremular na delegacia, o super projeto secreto das forças armadas, crianças com superpoderes misteriosos e eloquência de adultos de 40 anos e – o que não podia faltar em tempos em que se questiona a venda livre de armas no país – a cena com o garoto a empunhar um rifle prestes a atirar no ser alienígena que veio do espaço para destruir a América.

    E aí, tem certeza que dá para avançar nesse negócio?