O primeiro Trabalho Sujo

Eis o motivo pelo qual o One Hot Minute me é tão querido: ele foi o primeiro assunto do primeiro Trabalho Sujo, ainda impresso, que saiu no dia 20 de novembro de 1995, há quase uma década e meia. Desenterrei o bicho, dá até pra ler se tu clicar em cima.

Engraçado como algumas coisas já estão presentes desde o início: a mistura de música com tecnologia, bandas novas (o Linguachula foi o último disco do Banguela, a banda de Campinas que eu mais gostava; o Burt Reynolds era a banda do Wagner que hoje é o dono da Colours) e até a impressão digital. Como vocês sabem, é tudo um grande plano. E não reparem na feiúra da página (não fala assim, diz meu superego emocional). O lance é que eu mesmo diagramava – e nunca havia diagramado na vida. Aos poucos fui melhorando, teve uma época que era a página central do caderno de cultura de domingo, tinha calhamaços de textos e era bem istaile.

É, o anúncio é da Encol, mas era do jornal, não do Sujo. Não vai tendo idéia errada.

E, sim, há um plano de não só escanear como digitar todos os Trabalho Sujo impressos, páginas do jornal Diário do Povo, de Campinas, que foi a minha porta de entrada para o mundo das drogas – no caso específico, essa cachaça chamada jornalismo. Há um plano pra alguma comemoração desses quinze anos, daqui uns meses. Mas às vezes bate a preguiça e eu deixo rolar. Melhor do que arrumar coisa pra me preocupar…

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. blogdobracin disse:

    Eu ajudava a digitar tranquilo esses textos, se quiser é só avisar. Os 15 anos devem ser celebrados.

  2. Lou disse:

    devo ter algumas das retrospectivas de página dupla que rolava nos fins de ano. se eu achar te mando uns scans.

  3. Matias, que viagem no tempo! hahaha.

    Eu lia o Diário na adolescência – ou pré-adolescência. Com indas e vindas por blogs, acabei criando o projeto Rock ‘n’ Beats, e seus textos sempre foram inspirações na internet.

    Conversando sobre blogs, sites, acabei encontrando gente aqui em Campinas que lembra de você, como o Artur Araujo, da RAC, que foi professor meu de Jornalismo Multimidia, e aqui na EPTV, onde eu trabalho, o Araí. Ambos lembram de você no período que passou pela imprensa daqui.

    E sou a favor da digitaização dos Trabalho Sujos!

    Abraço,
    Junior.

  4. Ana Bean disse:

    * PRECIOUS *

  5. Serjão disse:

    Eu estava lá.
    E me orgulho disso.
    Tenho até hoje esse CD Room da Blender dos Beastie Boys.
    15 anos passou rapido demais.
    Foda!