O futuro logo ali

logologo

Conversei com o casal Kelly e Zach Weinersmith, autores do livro Logo, logo – Dez novas tecnologias que vão melhorar e/ou arruinar tudo, que está sendo lançado no Brasil pela editora Intrínseca, sobre a noção atual de futuro, em um papo para o site da editora. Um trecho:

Qual é o papel da ficção científica na previsão do futuro?
Achamos que há uma espécie de ecossistema criado entre ciência e ficção científica, onde eles se afetam mutuamente o tempo todo. A ficção científica dá ideias para os cientistas e inspira jovens a seguirem carreira na ciência. E cientistas podem criar novas coisas que também inspiram a ficção científica. E o ciclo se repete. A ficção científica tem um papel especial ao prever os perigos e as preocupações éticas nos quais os cientistas talvez não estejam pensando.

Teorias terraplanistas, criacionismo e todo tipo de pseudociência são comuns atualmente nas mídias sociais: estamos vivendo numa época perigosa para a ciência. Como ela pode atravessar esta fase obscura que está encarando?
Difícil dizer. Uma coisa que pode ser importante, mas que há poucas pessoas estudando, é algo chamado de “a ciência da política científica”. Em resumo: temos muitos programas públicos e privados feitos para criar mais cientistas ou criar uma sociedade mais cientificamente alfabetizada. Mas nós não temos uma boa ciência que possa nos dizer o que funciona!

A íntegra da conversa pode ser lida no site da Instrínseca.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *