O barulho da Somatória

yoka-somatoria

Yoka vem comendo pelas beiradas e aos poucos vai formando um belo catálogo em seu selo Somatória do Barulho. Responsável pela materialização de vinis de Elo da Corrente, Zulumbi, MV Bill e Sabotage (além de reedições para clássicos de Paulo Bagunça e e Noriel Vilela, além de distribuir discos do Tribo Massahi, Ekundayo e Russo Passapusso), ele completa a discografia do Instituto em vinil ao reeditar o clássico Coleção Nacional pela primeira vez neste formato, depois de transformar em LP o disco que a dupla de produtores lançou no ano passado, o pesado Violar. E é só o começo. Além de uma nova edição para o primeiro disco de Sabotage (Rap é Compromisso, em vinil transparente, capa dupla e remixes do Primo e de Nuts), Yoka sonha alto: “Cara, tem muito disco pra ser lançado, mais do que eu possa sonhar, na verdade. A música brasileira é coisa séria”, me explicou num papo por email, que continua abaixo. “Ficaria feliz com o Sobrevivendo no Inferno dos Racionais MC’s. Não custa sonhar, né?”, ri, sem estar brincando.

Conta a história da Somatória do Barulho. Ela sempre foi um selo?
Sim! Começamos em 2010, quando eu ainda vivia na Espanha. Nosso primeiro lançamento foi um projeto autoral meu intitulado Pássaro Imigrante, um EP com tiragem de apenas 300 cópias. Não existia nenhuma pretenção de virar um selo até ai, mas isso encorajou seguir… No ano seguinte viemos pra São Paulo e aqui desenvolvemos parcerias, projetos com outras pessoas que faziam o mesmo que a gente. Isso fortaleceu geral.

Vocês sempre tiveram um foco específico num tipo de som ou estão abertos a novidades?
Não temos um foco específico, temos nossas referências com base na cultura hip hop, mas seguimos outras vertentes da música brasileira também. Nosso sub-selo Candonga Discos lançou uma série de raridades da música brasileira em compactos e pela Somatória do Barulho já lançamos algumas pérolas brazucas também. Conforme o mercado cresce, aumenta também as chances de expandir o catálogo e a identidade real de um selo. Estamos construindo isso tudo e estamos abertos a tudo, especialmente as novidades. Não é mentira o que dizem por ai, o mercado de vinil tá bem bacana, obrigado!

colecao-somatoria

Agora vocês estão lançando o Coleção do Instituto, além de terem lançado a versão em vinil do Violar. Qual a importância do Instituto para essa cena de vinil atual? Qual a influência deles na história da Somatória?
O Coleção Nacional quebrou vários tabus no hip hop em 2002, tabus pessoais meus também dentro da música, colocaram o grande Sabota pra cantar samba e muito artista pra cantar e rimar em bases fora da sua zona de conforto, tanto no Coleção, quanto no Violar. Isso marcou muita gente. A importância que isso tem… Poxa, pra mim é a atitude, de fazer música com criatividade, zelo, capricho.

Você pode gostar...