Negro Leo: Action Lekking no Centro da Terra

action-lekking-20

Action Lekking, um dos aclamados discos de 2017, foi experimentado ao vivo antes de ser lançado na temporada que Negro Leo fez no Centro da Terra em abril do ano passado. É natural que ele volte para um dos locais onde foi gestado em versão completa – e intensa. Ao lado do baterista Serginho Machado, do baixista Fabinho Sá e do técnico de som Bernardo Pacheco, Leo aprofunda-se no atordoo musical proposto no disco em duas apresentações febris de seu disco duas terças de fevereiro no Centro da Terra. A ordem do caos político e social brasileiro será dissecada em duas sessões complementares em que o disco é revisitado sob a ótica do início do novo ano (mais informações aqui e aqui). Conversei com Leo sobre assuntos correlatos ao tema do disco.

Action Lekking conversa com a Tropicália, 50 anos depois?
Outro dia um jornalista estrangeiro deu que eu fazia faixas e não canções. Pô, esse cara é um idiota da objetividade, eu sou lá o Tom Jobim ou Chico Buarque ou o Noel Rosa?
Essas coisas me irritam, saca, num tom super arrogante, desqualificando o lance, dizendo que eu supunha que o grande barato da Tropicália fosse a abordagem sonora e não as canções. Quer dizer, essa aproximação com a Tropicália é legítima – houve o salto, quem pegou, pegou, eu aprendi ouvindo – mas é tremendamente redutora se você pegar a visão de como venho afirmando meu repertório, conectado com perspectivas que sequer tomaram conhecimento do tropicalismo, gente do Brasil. O tropicalismo me interessa na medida em que é a modulação mais radical e controvertida da crítica de esquerda ainda hoje por causa do alto investimento primitivo (realista) no lance. A distensão do mundo é provocada pela colisao do eu com seu duplo engajado e não pela luta e esperança, que seria dissoluçao do eu no seu duplo engajado. Dessa colisão resta a percepção do gozo como horizonte desejável e a valorização da brutalidade urgente no gesto. O tropicalismo é complexo no debate cultural brasileiro porque revelou o mecanismo do desejo cultural: o que falta é o que transforma, ou seja, a lacuna tem q servir pra expiar e transcender. Por isso estamos muito avançados em relaçao aos europeus.
Essa coisa de deslocar o elemento cultural, produzindo um sentido vertiginoso, Lula e FHC, Che e Coca-Cola, sempre me interessou também. Quem criou a responsabilidade foi a esquerda ortodoxa. A única esquerda possível percebe o elemento cultural do ponto de vista palpável, sou Lula 2018, é o gesto mais mecânico, automático, utilitário, solidário, instintivo que se poderia tomar em política, qualquer outro passa por demandas psicológicas, questões mal resolvidas, foro íntimo, divã. Então pô, esse estrangeiro leu minhas letras? Sei lá, acho tudo muito simplificador.

Fala mais sobre essa questão política neste tenso 2018.
Eu confesso que me dá um prazerzinho sádico quando a grande imprensa me telefona e eu digo ao jornalista que se ele não for honesto o suficiente pra publicar que o jornal pro qual ele trabalha é anti lek, que seja honesto para não publicar nada. Outro dia foi com um cara do Globo.
Eu que sou muito idiota ou esse pessoal que acha q Lula ‘perdeu uma oportunidade historica’? Pessoal acha que política é sonho, isso é coisa de hippie e psicanalista. Política é aquele verso do Sergio Sampaio: suje os pés na lama e venha conversar comigo.
Cês viram a campanha #aprendizlegal do governo federal na TV aberta? Um aprendiz ganha entre 1/3 e 2/3 do salario mínimo que varia de acordo com as horas semanais trabalhadas. Tão encorajando empregadores a contratar aprendiz para não custear empregado.

action-lekking-27

Como 2013 conversa com 2018?
Quando 2013 estourou com as jornadas eu percebi que a única mobilização honesta e salutar naquele contexto provinha dos anarquistas, pros quais o estado tem que acabar mesmo. Mas logo fui percebendo que aquilo seria engolido tanto pelo governo federal, pra quem aquilo era uma demanda irrealizavel de esquerda, como serviria posteriormente à linha acessória do golpe via captura discursiva da mídia, que deu no antipetismo.
Acho que Bernardo Oliveira me aplicou Jesse de Souza na rede. Revisão histórica potencialmente destruidora de nossa sociabilidade escravista. Ate a esquerda radical, q eu prefiro chamar de naif ou ingenua, teve que reconhecer o balanço, embora lamentasse o engajamento de Jesse na defesa de Lula e Dilma.
A partir daí o Lek começou a ganhar forma na minha cabeça. Daí foi misturar um pouco as expectativas das classes populares em ‘Meus Filhos, Meu Tesouro’ de Jorge Ben, com a tranformaçao do elemento cultural nos contextos empobrecidos. Enquanto o liberalismo estimula uma espécie de diferença que tende a se anular no contexto consumidor – o mercado -, a ecologia estimula uma super diferença na relaçao natureza x mercado – a sociedade. Isso vai ter que ser equilibrado em algum momento por um governo de esquerda.

E qual o papel do Carnaval nessa história toda?
Eu vejo pessoas problematizando o Carnaval na rede. Pô, isso é coisa de gente mesquinha, né? Gente amargurada. Não gosta de Carnaval, fica calado. O Carnaval também é dos tolos, é da direita e da esquerda, é o momento mais delicado da nossa sociabilidade brasileira. É a festa popular. O Carnaval nos ensina, de maneira inequívoca, nas palavras de Flavio de Carvalho, que o mais baixo na hierarquia social é quem dita a moda. O Carnaval nos mostra claramente o paraíso artificial da política. Talvez seja a única força anárquica autêntica em potencial do brasileiro. Algo capaz de derrubar o estado. Pense no simbolismo do prefeito entragando a chave da cidade ao Momo. Quando o carnaval passa é difícil entender como as pessoas conseguem retomar sua vida ‘normal’. Eu sempre me fodia na administraçao psíquica do lance. Nao é facil castrar toda liberdade já na quinta depois das cinzas.

Como Action Lekking se encaixa neste contexto?
Eu quero exaltar o brilhantismo e inventidade de Sergio Machado e Fabio Sá. A presença deles é a maior força do disco. Sergio ja vinha com a ideia de processar sua bateria com mics ligados a um synth, o que eu fiz foi levar essa ideia a todos os instrumentos na mistura. Pepe e Renato Godoy montaram uma nave digital/analógica q nao deve nada a Abbey Road e depois Manso juntou-se a nós e deu grandes ideias, como o vari-fi onde deveria haver um solo em “Lek Lover”. O mais incrivel na historia do actionlekking é a maneira absolutamente fortuita como as coisas se deram. Ava (Rocha, esposa de Leo) recebeu um telefonema de Funai (Rodrigo “Funai” Costa, técnico responsável pelo som da Red Bull Station), depois de quatro artistas que haviam cancelado gravação no Red Bull Station. Como ela também estava gravando o disco dela lá, ele supos que ela quisesse gravar alguma coisa no buraco ocioso do estúdio. Mas ela também não podia e me indicou. Liguei pra Fabio e Sergio e fiz o convite, pra minha sorte eles podiam e toparam. Gravamos o disco em três dias. Depois mixamos em uma semana no estudio do Pepê no rio (que aliás recomendo fortemente pela estrutura e pelo astral).

E como você trouxe o disco para o palco?
Fizemos o primeiro show oficial do Aktion no festival Fora da Casinha. Bernardo Pacheco fez o som do nosso palco, eu apenas disse a ele que queria que a master do PA fosse manipulada impiedosamente com efeitos, algo que Estevao Case fazia nos shows do Água Batizada, mas ali apenas a voz era processada. Eu tinha imaginado um disco muito processado, quando saiu, lembro de Alejandra Luciani, engenheira de gravação do disco, comentar que tinha ficado aquém da imaginação. Ela tava certa, mas eu nao podia perder as canções e arriscar um ano de ostracismo por ter lançado um disco ‘muito louco’. Quando pintou esse arremedo de crítica na beatbrazil, do tal gringo que mencionei acima, vi q podia ter realmente feito algo ainda mais insano. Esse ano vou gravar mais um disco com Sergio e Fabio, dessa vez com Kiko Dinucci no violão e Vítor Araújo escrevendo os arranjos pra orquestra. Pensei também em alguns solistas, quero reabilitar o solo, o indie matou o solo. Vai ser tão quente, tão quente que vai carbonizar cérebros e corações desavisados.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Roger disse:

    Pessoal, o horário lá no evento criado no face para o dia 27/02 está das10hs da Manhã as 14hs!
    Diferente do horário postado aqui!