Mostra Prata da Casa: Rafael Castro e O Terno

E hoje na Mostra Prata da Casa é dia de rock, com O Terno e Rafael Castro juntando forças para um show que promete. O show começa às 21h na Choperia do Sesc Pompéia e os ingressos custam R$ 8,00. Abaixo, o texto que escrevi para o catálogo da Mostra:

prata-da-casa-2012

Rock sem glamour

O rock, esse gênero bastardo do rhythm’n’blues com a música caipira norte-americana que deu origem a parte da música pop como a conhecemos hoje, já tornou-se um clichê, principalmente quando prefere emular as referências de seu imaginário. Mas jaquetas de couro, motocicletas, homens cabeludos e barbudos, microfonia, eletricidade e solos de guitarra, entre outros acessórios, são apenas elementos estéticos que ajudaram o rock a se estabelecer no inconsciente coletivo e não a se firmar como forma de expressão cultural. O grande legado do rock é justamente permitir que gente com pouca idade e formaçao musical básica consiga reunir-se em trios ou quartetos formados apenas por baixo, guitarra e bateria para sintonizar na veia de uma geração e usar estes meios para comunicar-se de forma direta e sem rodeios. Foi o que aconteceu nos shows dos paulistanos Rafael Castro – acompanhado pelo trio que antes atendia por Os Monumentais – e O Terno, trio liderado pelo filho do vocalista dos Mulheres Negras, Maurício Pereira. Duas bandas de gerações diferentes que usam artimanhas do rock clássico para cantar, em português, crônicas do dia a dia de uma das principais cidades do mundo, quase sempre de um ponto de vista introspectivo e visceral. Seus shows no meio do ano foram separados por apenas um mês (Rafael tocou em julho, O Terno em agosto), e agora podem ser vistos no mesmo dia. Rafael, que abandonou a longa cabeleira e que já pode ser considerado um jovem veterano do rock paulistano do século 21, aproveitou o show para lançar seu primeiro disco sem Os Monumentais, batizado apenas de Lembra?, e levou seu séquito de fãs a entoar faixas que já são clássicos do autor, como “Amor Amor Amor” e “10% Cristão”. Já o trio O Terno, embora também lançando seu disco de estréia, chamado apenas de 66, mostrou que as faixas inéditas que formarão o segundo disco levam a banda para além do roquinho inocente e jovem guardista do CD de estréia, flertando com o mod, o hard rock e a psicodelia.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 21/02/2013

    […] na segunda noite da Mostra Prata da Casa, o público recebeu uma dose de eletricidade e humor graças à presença do pilhado Rafael Castro […]