Mostra de Cordas Dedilhadas

cordas-dedilhadas

O mês de agosto do Centro Cultural São Paulo é dedicado a derrubar barreiras entre música erudita e popular – e a Mostra de Cordas Dedilhadas, cuja décima sexta edição ocupa diversos espaços do CCSP, é o carro-chefe desta transformação, apresentando obras que vão de recitais e concertos clássicos a apresentações que flertam com o teatro e a música flamenca, além do cinema. A mostra traz apresentações de nomes nacionais e internacionais, como Angela Muner, Rémy Reber, Esdras Maddalon, Flávio Apro, Andrea Roberto, Fabio Moraes e um sarau em homenagem a Ronoel Simões, um dos maiores colecionadores de gravações de violões do mundo, cujo acervo foi adquirido recentemente pelo próprio Centro Cultural. Até os Concertos de Discos deste mês, que anuncio em breve, vão para esta vertente. Abaixo, o texto de apresentação que escrevi para o catálogo da mostra, que está sendo distribuido gratuitamente em todas as apresentações. A programação completa você vê no site do CCSP.

Uma só música
A Mostra de Cordas Dedilhadas deixa clara que a divisão entre música popular e erudita é artificial

Em algum momento na virada do século dezenove para o século vinte, a música virou duas. Novas invenções passaram a permitir a gravação e reprodução de músicas sem que fosse preciso a presença de um músico, mas aquela novidade tecnológica vinha com uma desvantagem – havia uma limitação de tempo de registro e nos poucos minutos que a gravação podia ser realizada, não cabiam obras e peças inteiras que foram compostas nas décadas e
séculos anteriores.

A partir desta inovação, o foco da história da música deixa de ser estético e passa a ser comercial, fazendo que os novos empreendedores do incipiente mercado fonográfico deixassem conservatórios e salas de concerto em segundo plano em busca de músicos que tocassem na rua, em bailes, festas e saraus. Estes novos músicos, que cantavam e tocavam melodias que não exigiam partitura e muitas vezes abriam espaço para o improviso, a informalidade e até o duplo sentido, aos poucos foram sendo os criadores da canção, este novo formato musical que tornou-se padrão naquela nova forma de se comercializar música.

Assim aconteceu a separação entre a música popular e a música erudita – e enquanto a primeira foi se tornando cada vez mais abrangente e passou a ditar as regras do jogo, a segunda encolheu-se, vestiu fraque e passou a tocar em locais cada vez mais restritos e isolados.

Com a Mostra de Cordas Dedilhadas, a curadoria de música do Centro Cultural São Paulo quer abolir esta barreira, mostrando que estas duas facções na verdade fazem parte de uma mesma essência, pura e indivisível – a música em si. Ela pode ser acessível a ouvidos cultos e incultos, seja composta e executada por virtuoses ou diletantes. A divisão da música em duas categorias reforça uma separação social e econômica mais do que cultural e tanto artistas quanto públicos eruditos e populares não apenas podem como devem se misturar e conhecer uns aos outros.

A arte e a cultura devem aproximar e não afastar. Agregar e não elitizar. Uma só arte, uma só cultura. Uma só música.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *