Morrissey em São Paulo

Só fui porque minha mulher havia comprado ingresso, mas lá pelo meio do show ela me olhou com uma cara de “vamos embora” que encontrou meu sorriso aliviado. Já tinha visto o Morrissey ao vivo no ano 2000 e não tinha achado nada demais – pelo contrário, a impressão que fiquei do show do ex-vocalista dos Smiths foi tão ruim que quando começou o auê sobre sua segunda vinda ao país, nem pensei em consultar o calendário para ver que dia o show cairia. Doze anos depois, restava-me exercitar expectativa – cogitei a possibilidade de curtir um show que, talvez por má vontade, cogitaria que fosse chato.

Mas há de ter muita boa vontade. O show foi tedioso e sem graça, a maior parte das músicas de sua carreira solo são chatíssimas e as músicas dos Smiths foram tocadas com preguiça. “There is a Light That Never Goes Out” – a deixa perfeita para ir embora (veja o vídeo abaixo) – parecia ser o momento “Yellow Submarine” do show de Ringo Starr no ano passado, caso Ringo tivesse algum remorso de um dia ter sido um beatle. Nem as brincadeiras com o público (“gracias?”, para com isso…) fizeram jus à reputação do ídolo dos anos 80. De que adianta alertar o público que o príncipe Harry está no Brasil querendo nosso dinheiro em um show em que os ingressos chegavam a 400 reais?

Além disso, o Espaço das Américas devia ser interditado para shows de médio porte para cima – aquele lugar insalubre só deveria funcionar para eventos de fim de ano de empresa ou festas de formatura. Pobre do público que vai assistir aos Los Hermanos ali.


Morrissey – “There Is A Light That Never Goes Out”

Fiz mais vídeos, se alguém tiver alguma curiosidade…


Morrissey – “Still Ill”


Morrissey – “You’re The One For Me, Fatty”


Morrissey – “I Will See You In Far-Off Places”


Morrissey – “Meat is Murder”


Morrissey – “Ouija Board, Ouija Board”


Morrissey – “Let Me Kiss You”

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Assisti pelo Terra, nada como o bom senso (e a preguiça) para me segurar em casa. E economizei uma grana.

  2. Cleiton disse:

    Ah, o show de Ringo…

  3. gi disse:

    Análise perfeita!

  4. Juliana Simon disse:

    mas tanto barulho…ai, gente…

  5. luciano disse:

    Matias , concordo com quase tudo na sua análise. Menos com sua “má vontade” em relação a carreira solo do Morrissey. Apesar de irregular no meio dos anos 90, seus últimos três trabalhos são ótimos.

  6. Gustavo disse:

    De boa… o show de 2000 foi o melhor que eu fui na minha vida e olha que não foram poucos… na lista tem Smashing Pumpkins, Neil Young, R.E.M., Foo Fighters, Beck, Superchunk, Moby, Dave Matthews Band, U2, entre vários outros….

    Achei o show ótimo, acho inclusive que ele podia tocar menos Smiths e focar mais na carreira solo (mas isto já é opinião minha)… trocaria algumas musicas por outras q ele não tocou como Irish Blood, English Heart…. Pra mim o Show foi acima da média, mas sou suspeito pra falar já q sou bem fã

    Agora quanto as instalações da casa, realmente muito ruim!

  7. Marcelo disse:

    Matias, vc é um mal amado, meu bom homem. Quanta amargura nesse coraçãozinho.

  8. mafra disse:

    ao vivo, ok, pode não ser grande coisa, mas, uepa, morrissey produziu alguns bons discos! dois deles, não titubeio dizer, tão bons quanto quaisquer dos álbuns dos smiths: “your arsenal” e “vauxhall and i”… vá, seu matias, dê uma chance para esses álbuns.

  9. Cristina disse:

    Cale-se

  10. Paulo disse:

    ” De que adianta alertar o público que o príncipe Harry está no Brasil querendo nosso dinheiro em um show em que os ingressos chegavam a 400 reais? “, boa Matias.

    • Roberta disse:

      É muita preguiça mental fazer uma afirmação dessa…paga-se SE QUISER 400 reais para assistir ao show do Morrissey. Agora, sai do seu bolso de contribuinte a politicagem com a Inglaterra, quer vc queira, quer não.

  11. ana paula disse:

    Critca da Critica de Alexandre Matias sobre o Show do Morrissey:

    A critica foi tediosa e sem graça, a maior parte dos comentarios de sua carreira são chatíssimos e seus argumentos foram escritos com preguiça.
    […]

  12. Que dilema esse de não saber em quê gastar seu dinheiro, heim?

  13. deniac disse:

    Cara, você tá parecendo o Forastiere na época da Bizz, em um momento em que ele foi resenhar um show da Angélica. Em outras palavras, como pode perder tempo e dinheiro resenhando sobre o que não gosta?

    Eu, particularmente, não suporto o trabalho do Paul Mccartney e por isso mesmo, jamais resenharei nada sobre o rapaz, já que não o aprecio.

    Não gosta? Ignore.

    • Israel disse:

      Total desconhecimento do propósito de uma crítica – como você vai saber que filme X é uma bomba e que deve passar longe se não tiver uma opinião fundamentada para te dar a dica? Troque “filme X” por peça, show, exposição, campeonato de luta no gel, whatever e voilá – terás uma crítica decente, o que infelizmente é difícil de encontrar hoje em dia. Para mais informações acerca desta nobre arte, favor googlar por Lester Bangs.

      Fico aliviado de ver esta crítica, assim fico sabendo que fiz bem em ter ido ver Black Drawing Chalks, Camarones Orquestra Guitarrística e Grindhouse Hotel, com direito a cerveja mezzo gelada, mezzo quente, tudo free, ao invés do velho Moz.

  14. Cristiano disse:

    Ainda tem pessoas que comentam “Análise perfeita!”
    Pseudo-intelectual!

  15. Zé Moleza disse:

    É, sem entrar no mérito, vale sempre repetir o alerta contido nesse texto:
    “De que adianta alertar o público que o príncipe Harry está no Brasil querendo nosso dinheiro em um show em que os ingressos chegavam a 400 reais?”

    Até quando Brasil?

  16. japaOne disse:

    ”De que adianta alertar o público que o príncipe Harry está no Brasil querendo nosso dinheiro em um show em que os ingressos chegavam a 400 reais?” Great!!
    E a bagaceira continua!

    • Roberta disse:

      Simples assim: ninguem perguntou se voce queria pagar pela visita do principe Harry. O show do Morrissey vc paga se quiser.

  17. J. disse:

    Fico surpreso de ouvir de um cara calejado como Alexandre Matias um comentário tão ingênuo como “que adianta alertar o público que o príncipe Harry está no Brasil querendo nosso dinheiro em um show em que os ingressos chegavam a 400 reais?” Você não acha de verdade que essa grana é estipulada pelo artista e vai diretamente para o bolso dele, né? A média do ingresso mais caro nos shows da América Latina, tirando os do Brasil, foi de 200 reais, e o mais barato ficou sempre entre R$ 60 e R$ 80. Você pode culpar Morrissey pelo show preguiçoso, mas esse preço é fruto do custo de vida exorbitante no Rio e em SP (em total contraste, aliás, à qualidade de vida), da avareza dos produtores e da tal da meia-entrada.

  1. 26/03/2012

    […] Eu não gostei, mas teve quem gostasse, portanto… […]