May Jailer: A terceira encarnação de Lana Del Rey

Sabemos que nossa querida diva de plástico Lana Del Rey chamou-se Lizzy Grant em uma encarnação passada, mas alguém já havia ouvido falar nessa tal May Jailer, cujo único disco – batizado de Sirens – apareceu no YouTube essa semana. Mas é real? É mesmo Lana Del Rey ou é alguém com uma voz muito parecida fingindo ser um alter ego anterior de Ms. Del Rey? É o disco que Lizzy Grant não lançou que foi rebatizado depois da fama? Quem está por trás deste, “vazamento”: a própria Lana ou algum hater obsessivo? Como tudo em Lana Del Rey, o mistério da autenticidade prevalece.

Ouça May Jailer abaixo, antes que alguém tire do ar.


May Jailer – “Birds of a Feather”


May Jailer – “Find My Own Way”


May Jailer – “Westbound”


May Jailer – “Bad Disease”


May Jailer – “All You Need”


May Jailer – “My Momma”


May Jailer – “Aviation”


May Jailer – “For K (Part 1)”

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Junior disse:

    O nome verdadeiro dela é Elizabeth Grant, e o apelido de Elizabeth é Lizzy em qualquer língua inglesa. Lizzy Grant foi o nome que ela usou quando teve seu contrato assinado pela primeira vez com a gravadora que disponibilizou seu primeiro álbum, o conhecido “Lizzy Grant a.k.a. Lana Del Rey” (2009). O que ela fez depois disso foi comprar novamente os direitos das músicas e tirá-las de circulação para poder usá-las futuramente, já que ela tinha recebido uma proposta mais interessante da Universal. O nome Lana Del Rey vem de Lana Turner (atriz norte-americana) e Ford Del Rey (carro famoso dos anos 80), e esse nome artístico ela diz que escolheu por acaso prq que soa bem, além de ter sido uma forma de homenagear os amigos hispânicos que teveenquanto morou em Miami e que ela diz terem sido muito importantes na sua vida. Nas entrevistas que ela já concedeu, ela afirma que sempre fez música e sempre gravou, e a forma como ela se refere ao álbum “Born To Die” (2012) é como se ele não fosse o único. O uso de pseudônimos por artistas é uma forma de se desligarem de obrigações contratuais, já que ela, como Lana Del Rey, tem seu nome artistico, marca e músicas registradas para a Universal, então isso faz parecer que ou este álbum estava nas mãos de outra gravadora, ou ela mesma soltou o álbum na rede. Então, no fundo, essa questão de Lana Del Rey ser farsa, ou ter crises de identidade ou alter egos, e passar a impressão de fazer tudo meticulosamente marketado, é mais especulação da mídia do que verdade de fato. É claro que ela passou a associar o nome artístico a um visual, mas qual o artista que não faz isso? Uma pesquisa biográfica básica dela junto com as diversas entrevistas disponíveis no youtube deixam as coisas bem claras.

  2. Ângelo Capozzoli disse:

    Mas seria animal se ela fosse uma artista que usa, conscientemente, heterônimos. Um Fernando Pessoa da música pop. Esses discos onde ela usa nomes diferentes só a enriquecem como personagem. Continuo achando ela muito foda (e as músicas são sempre muito boas).

  3. André disse:

    Tem uma música no álbum Lizzy Grant que se chama “For K (Part 2)”. Faz sentido!

  4. joão disse:

    Se ela é uma farsa ou um “Arvore verde de plastico” eu não sei, só sei que encontro na musica e na voz dela algo que não vejo em nenhum outro artista. (acabei de ouvir May Jailer e já me apaixonei por All You Need.