Marcelo Camelo e o Toque Dela ao vivo

Sesc Pompéia @ São Paulo
28 de abril de 2011


Marcelo Camelo – “Tudo Passa”

Depois do debate de ontem (que foi bem legal, depois comento aqui), corri para o Sesc Pompéia pegar o primeiro show de Marcelo Camelo desde… (ele mesmo demorou pra lembrar antes de falar “setembro de”) 2009.


Marcelo Camelo – “Vermelho”

Foi um bom show, com Marcelo bem à vontade para, inclusive, cantar suas músicas dos Los Hermanos com tanta naturalidade e tranquilidade quanto as do disco novo. Não é propriamente um show envolvente – há uma distância de olhar na preguiça de sua performance que sorri para o público em vez de se jogar na emoção, nada que comprometa a apresentação, no entanto. Essa separação entre o artista e seu público diminui claramente nos momentos em que Marcelo surge sozinho no palco, sem o Hurtmold, e pede para o público cantar sozinho enquanto ele apenas toca.


Marcelo Camelo – “A Outra”

Nada relacionado ao Hurtmold, que deixa seu transe jazzístico em segundo plano para se portar perfeitamente como banda de apoio, funcionando como se pudessem traduzir Jack Johnson para o paulistanês ou como se o instrumental de Lulu Santos fosse orgânico como os Novos Baianos. Em momento algum nenhum músico se destaca, todos trabalhando para deixar Camelo bem à vontade – tanto musicalmente quanto no holofote.


Marcelo Camelo – “Vida Doce”

Do meu lado, enquanto filmava, Mallu assistia ao show no canto do palco. Mas seu olhar não era de idolatria, mas de orgulho. Estou esperando tanto esse terceiro disco dela…


Marcelo Camelo e Vanessa da Mata – “Samba a Dois”

O grande momento do show veio ao final, quando Camelo intimou Vanessa da Mata para o palco, quando os dois cantaram a música que abre o Bloco do Eu Sozinho Ventura. Foi um dueto informal, íntimo e familiar, mas me bateu uma estranha sensação de que talvez possamos rever essa cena (com essa mesma música, talvez) nos próximos 10, 20 anos…


Marcelo Camelo – “Acostumar”

E adorei o comportamento do público. Pensei que iria assistir à mais um espetáculo de idolatria típico dos shows dos Hermanos, mas, bem próximo do ídolo (regalias do palco da choperia do Sesc), os fãs de Camelo não se exaltavam… demais. Claro que todo mundo cantou todas as músicas juntos, que o silêncio reinava quando Camelo tocava pianinho e as palmas e os gritos explodiam quando ele as autorizava, mas nada de meninas chorando, um ou outro grito de “lindo!” soltado mais com ironia do que por fanatismo, mas havia uma sensação de familiaridade e reencontro que desce alguns degraus da esfera mega que os Hermanos habitava – um nível de intimidade que Amarante conseguiu logo que começou os ensaios do Little Joy e que, só agora, Marcelo consegue habitar. Talvez também seja culpa da maturidade dos fas que, dez anos depois de “Anna Júlia”, já estão mais comedidos e menos adolescentes…

Você pode gostar...

12 Resultados

  1. arlen disse:

    “Talvez também seja culpa da maturidade dos fas que, dez anos depois de “Anna Júlia”, já estão mais comedidos e menos adolescentes…”

    Acho q os fãs é que mudaram. No show aqui em Recife dava pra confundir, olhando para os fãs com um show do Restart, muita criançada que usava fraldas na época de Ana Júlia.

  2. eduardo disse:

    matias, só uma correção, a música “samba a dois” é a primeira faixa do ventura, e não do bloco.
    belo texto, belo show.
    um abraço

  3. Opa, valeu Eduardo!

  4. Cadu disse:

    Sobre o publico queria ser mais otimista mas infelizmente acredito q não mudou tanto assim… é só ver quando ele canta as musicas dos Hermanos, os gritos a idolatria estão lá … Saiu uma materia no site do Globo e mostrava varios fãs dos Hermanos, um garoto dizendo q ouviu o album novo do Camelo 1 vez só e que lamentava não ter tocado musicas do Bloco …

    Aposto q se o Camelo resolver tocar Vencedor ou Cara Estranho imediatamente aquela comoção e idolatria volta a aprecer no mesmo nivel …

  5. martins disse:

    Parabéns pela cobertura e pelos vídeos.

  6. Paula Maria disse:

    ô gracinha esse Camelo. Tô esperando muito ver esse show aqui na província, mas pelo público mirrado que apareceu no show em 2009, não sei se eles apostariam de novo. Eu espero que sim!

  7. @Leticce disse:

    Tô querendo chorar por ter perdido isso…ainda mais no sesc pompéia…cenário mais que perfeito 🙁

  8. George disse:

    Tu és gay. Tu és gay que eu sei.

  9. Falamos, ‘Vamos desvincular a imagem do Camelo ou até mesmo do Amarante do Los Hermanos’ . Mas, não paramos de vincular. é completamente automatico.
    A Questão é que ele se tornou um cara mais intimista, um show dele pode ser considerado igual ao do Prince Billy.
    Ele está atigindo um público mais maduro.
    Mas, sinto falta pra caramba dele suando e dançando sem parar junto com Amarante do que ele sentado e pedindo pra plateia cantar junto com ele.

  10. Kamila disse:

    O que você chama de não se exaltar demais, eu chamo de frieza… Achei que o público, talvez, não deu a resposta que o próprio Camelo esperava. Mas, eu posso falar por mim mesma: estava lá e achei o show LINDO!

  1. 29/04/2011

    […] Pompéia em show de lançamento do novo álbum do Camelo. Quem gravou foi o Matias, mais do show aqui. Previous postLykke Li triste, […]

  2. 04/05/2011

    […] uma turnê de quatro dias, o Trabalho Sujo compareceu ao primeiro, provavelmente o mais animado. Pelo fato da última apresentação ter acontecido em um domingo, haviam menores de 18 anos e […]