Madrid no Prata da Casa

Uma sessão de descarrego, madura e moderna

Sei que tou com um monte de shows pendentes pra comentar (e enrolando pra retomar o Vintedoze, mas isso é outra história), mas o fato é que quem foi ao Prata da Casa na terça passada pode ter um gostinho de um dos melhores discos de 2012, com direito a dois brindes. A dupla Madrid – Adriano ex-Cansei e Marina ex-Bonde num portmanteau de seus nomes – subiu ao palco da choperia do Sesc Pompéia acompanhados de um baterista e um guitarrista. Ele ao piano, ela (por vezes) ao violão, os dois dividindo vocais em canções em inglês que saem correndo de seus respectivos e recentes passados musicais na pishta de dança.

Exorcizam beats e berros em duetos dóceis mas austeros, tristes, amargurados mas destemidos, olhando para frente, sempre enaltecendo a canção, este talvez o formato definitivo do século 20, mais que o automóvel, o jazz, a calça jeans ou Hollywood (vintedozers gonna vintedoze). Renegam todo o novidadismo do século vigente com hinos de guerra e baladas melancólicas, que desatam a chorar idas e vindas de relações cotidianas. A ironia ainda segue presente, mas sutil, transbordando apenas nas piadas idiotas que Adriano – confessando o nervosismo ao piano de cauda – usa pra provocar Marina, de salto, saia e cabelão. Mas apesar do formato vintage (remontam aos anos 60 de Serge Gainsbourg, Lee Hazlewood e Nancy Sinatra, a produção do Brill Building, alguma referência à Motown – mas não à Stax), o Madrid está mais próximo de duplas contemporâneas que celebram estes clássicos anos 60, como Mark Lanegan e Isobel Campbell, PJ Harvey e John Parish, Nick Cave e inúmeras divas pessoais. Há uma sensibilidade indie que é inerente ao gosto musical dos dois – e um inevitável parentesco com o projeto individual de Adriano, o Ultrasom.

Sem demonstrar insegurança, mostraram um espetáculo adulto e moderno como poucas vezes se vê no pop brasileiro, que ao mesmo tempo que não corre atrás do último hype para não perder o bonde da história (“been there, done that”, parecem suspirar aliviados) como também não tenta vender a fonte da juventude como uma utopia possível (algo até mais comum, nesta cena brasileira dos anos 10). São apenas artistas cantando histórias, mesmo que vestindo uma outra fantasia de palco. E fazem isso bem, sem afetação nem maneirismos – e além do repertório do primeiro disco, que em breve aparece por aí online, também tocaram músicas do Camera Obscura e do Ladytron, confirmando o apreço por um indie dance que até habita a mesma audiosfera que o Bonde do Rolê e o Cansei de Ser Sexy, mas que circula em horários diferentes, e quase não se encontram. Como o junkie que descobre a academia ou o consumista que alcança o zen do desapego, o Madrid é quase uma sessão de descarrego, mas mais catártico que pesado.

Fiz uns vídeos abaixo, veja aê:


Madrid – “Destroy Everything You Touch”


Madrid – “Let Go of Me”


Madrid – “Bride Dress”


Madrid – “My Maudlin Career”


Madrid – “Free Fall”


Madrid – “I Fly” / “Home” / “Young Pushkin”


Madrid – “Destroy Everything You Touch”

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Daniel Araujo disse:

    “Vintedozers gonna Vintedoze”. Indeed.

    Sentimos falta do vintedoze, e sentimos também uma certa vibe pé frio por não ter havido mais vintedozes depois de nossa humilde participação no mesmo.

    Que surpresa esse Madrid. Depois de ler esse post fiquei curioso pra ver o show. Pena que já foi. Pelos nomes envolvidos, imaginava outra coisa desses caras.

    COngratulações pelo uso de “portmanteau”

  1. 06/07/2012

    […] um show para o projeto Prata da Casa, que tem curadoria do Alexandre Matias, do Trabalho Sujo, o Madrid mostrou sua versão de Destroy Everything you Touch. A escolha da canção (além de se […]