Kastrup e a luz no fim do túnel

Foto: Gal Oppido (Divulgação)

Foto: Gal Oppido (Divulgação)

Quatro anos separam o lançamento dos discos mais recentes do percussionista Guilherme Kastrup – quatro discos e uma Elza. Quando lançou Kastrupismo, em 2014, ele era um nome conhecido principalmente entre músicos e instrumentistas, mas a partir do ano seguinte, quando dirigiu o disco Mulher do Fim do Mundo, que reativou a carreira de Elza Soares, ele tornou-se um nome mais conhecido, fazendo com que seu próximo disco ficasse num futuro distante. Desde então, excursionou com a musa do samba pelo Brasil e no exterior, gravou um novo álbum de Elza reunindo jovens artistas mais uma vez e finalmente teve tempo para lançar seu novo trabalho, Ponto de Mutação, que começa a existir a partir desta sexta, quando o primeiro single, “Reaction”, chega às plataformas digitais. Mas o músico antecipou a faixa, que, como o disco, tem fortes conotações políticas (além de samples de Noam Chomksy e Malcolm X), em primeira mão para o Trabalho Sujo – o disco será lançado dia 12 de outubro e ele apresenta o show de lançamento dia 17 de outubro, no Sesc Pompéia.

“É um disco bem diferente do Kastrupismo – talvez eles se assemelhem pela busca da construção de uma música imagética, que provoque a construção de um filme na cabeça do ouvinte. Mas as cenas que Ponto de Mutação evoca já tem outro espírito”, ele me explica por email. “Como reflexo dos nossos tempos turbulentos, a sonoridade é muito mais densa e intensa. É majoritariamente instrumental, como o anterior, mas usa muito mais a palavra, seja ela cantada, falada ou sampleada.”

“O princípio do processo criativo foram sessões de improviso livre, sem nenhuma regra ou briefing, com alguns grandes parceiros como Kiko Dinucci, Marcelo Cabral e Rodrigo Coelho. Música livre e espontânea. Somente depois dessa fase é que peguei esse material bruto e comecei a selecionar e editar”, ele continua. “Em meio a esse processo, ganhei de presente da Arícia Mess o livro O Ponto de Mutação, do físico Fritjof Capra, que mexeu muito comigo, e me abriu uma nova forma de olhar para tudo isso que estamos vivendo. Como gosto muito da ideia de que um álbum seja como um filme, com enredo, princípio meio e fim, usei a inspiração do livro para desenhar um ‘mapa’ que ilustra o caos social de nossos dias e a curva de ascensão para uma nova era. Esse mapa serviu de esqueleto para que eu esculpisse as composições a partir desse roteiro. Nesse sentido, é um álbum temático. O tema é a transformação da nossa civilização e a prece esperançosa para que essa seja uma virada para fase mais iluminada. Que a força do feminino nos ajude a sair dessa decadência do sistema capitalista, machista-branco e hétero-dominante… Axé!”, ora o percussionista, antes de citar o I-Ching: “Ao termino de um período de decadência, sobrevém o ponto de mutação. A luz que fora banida ressurge…”

“Reaction é a primeira faixa do disco, e dentro do roteiro que falei acima, retrata esse momento de caos e decadência do sistema capitalista atual – na voz do pensador Noam Chomsky sampleada do filme Réquiem para o Sonho Americano”, ele continua. “Ela foi naturalmente escolhida como single pois, além de ser a introdução para o nosso enredo, tem uma sonoridade intensa gerada pelos modulares do pernambucano Rodrigo Coelho e os violoncelos de Jonas Moncaio.” A capa do disco, abaixo, também em primeira mão para o Trabalho Sujo, foi feita em conjunto´pelo diretor de arte do disco, Vinicius Leonel.

kastrup-pontodemutacao

Ele continua falando sobre o single, desta vez com ênfase no clipe. “Foi o resultado do feliz encontro com o cineasta carioca Christian Caselli, que concebeu e editou minuciosamente o clipe a partir de imagens de arquivo, muitas delas de nosso jornalismo alternativo e ativista, além das imagens do próprio filme, cedidas gentilmente pela produtora PFPictures e pelo próprio Chomsky – que me respondeu pessoalmente ao e-mail em menos de 24 horas, confirmando a lenda de que responde a todos os e-mails que recebe! O trecho que escolhi foi um que Chomsky fala dos ciclos viciosos de poder, onde as grandes corporações financiam os políticos que, por sua vez, criam leis que guinam o fluxo financeiro todo de volta às corporações, e conclui com o recado importantíssimo: ‘Se não houver reação popular, é isso que vai continuar acontecendo’. Penso que esse trecho tem uma ligação direta com os últimos fatos políticos no Brasil, e qualquer semelhança com o golpe de 2016, de contornos fascistas em 2018, não são mera coincidência! Achei que era importante trazer esse recado para a nossa realidade.”

Peço para ele me contar sobre a importância de seu trabalho com Elza Soares durante a realização deste novo disco. “A Mulher do Fim do Mundo foi uma experiência espiritual. Me senti o tempo todo envolto e empurrado por energias poderosas. Costumo dizer que eu entrei no furacão Elza – e nada é igual ao que era antes! Foi muito especial conviver com ela, como artista gigante e pessoa maravilhosa que é, e ainda ter a oportunidade de aprofundar a relação com esse grupo do Rômulo Fróes, Rodrigo Campos, Marcelo Cabral e Kiko Dinucci, especialmente, com quem fizemos também o Deus é Mulher, e que considero alguns dos maiores artistas dos nossos tempos. Além de tudo isso, adentrei muito mais de perto às questões dos movimentos negro e feminista, que Elza é uma grande porta-voz. Toda essa pororoca artística desse encontro provocou um turbilhão que virou minha vida de ponta a cabeça.”

Aproveito para lhe perguntar sobre o mercado independente brasileiro de música: “É um dos maiores do mundo. A produção é gigantesca e nós ainda somos um dos povos que mais consomem a própria música. As grandes questões ainda são a formação de público e o repasse do rendimento que essa música gera. Acho que estamos crescendo e nos profissionalizando em nossas redes, e temos bons exemplos disso como a Tulipa Ruiz, a Liniker e o Criolo, entre tantos outros que formaram e consolidaram seus públicos sem o suporte das grandes gravadoras. Ainda temos muito a crescer, pois o mercado é enorme, mas entendo que estamos caminhando bem nesse setor. Talvez o maior desafio seja contornar novamente o intermédio usurpador das majors, que migraram para as redes de streaming, e agora repassam ainda menos do que repassavam pela vendagem de discos. Acredito que havendo repasse justo de dividendos, a música independente é totalmente autossustentável.”

Outra questão específica relacionada ao seu trabalho é o fato de ele ser majoritariamente instrumental. “O Brasil é muito concentrado na canção. A canção aqui é uma entidade soberana! Novamente o problema maior é a formação de público. É conseguir furar o bloqueio das grandes mídias, das rádios e TVs, e chegar a quem tem real interesse, e formar um público novo que não consegue o acesso – se antes por falta de informação, agora por excesso dela. Já houve épocas em que atenção a música instrumental no Brasil foi muito grande. Na minha adolescência, Hermeto Pascoal, Naná Vasconcelos e Egberto Gismonti, por exemplo, lotavam grandes palcos como o Parque Lage e o Circo Voador. Agora, temos bandas como o Bixiga 70 que rejuvenesceram o seu público e abrem novas picadas nesse caminho. Esse mundo é dos persistentes e apaixonados. Continuamos seguindo. Persistentes e apaixonados.”

Você pode gostar...