Johnny Marr: “I am the son and the heir”

E, de bobeira, Johnny Marr me aparece com Ron Wood noutra guitarra pra tocar um clássico dos Smiths no NME Awards na noite desta quarta, em Londres:

johnny-marr-ron-wood

O mais engraçado desse teórico encontro “aluno-mestre” é que o mestre no caso é o caçula: a importância de Johnny Marr para o rock inglês é muito maior que a de Ron Wood, coadjuvante da história do rock que deu a sorte de virar protagonista na história dos Stones.

Mas aê: se o Marr pintar daqui uns meses e mandar um David Gilmour, puxando uma turnê dos Smiths sem o Morrissey, você não iria? Ah iria… Ainda mais que Johnny tá lançando disco solo e não tem nenhum pudor ao voltar à obra da banda que lhe consagrou, como podemos ver no vídeo abaixo (e a história que ele conta – a origem de “Heaven Knows I’m Miserable Now” – é de cair o queixo):

Enquanto isso, o Morrissey continua apavorando na contramão da Fox News dizendo coisas como “não haveria guerras se mais homens fossem homossexuais“. Calma lá, bicho…

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Dwarf disse:

    … mandar um Gilmour…

    Mandou bem!!!

  2. João disse:

    “O mais engraçado desse teórico encontro “aluno-mestre” é que o mestre no caso é o caçula: a importância de Johnny Marr para o rock inglês é muito maior que a de Ron Wood, coadjuvante da história do rock que deu a sorte de virar protagonista na história dos Stones.”

    Muito antes de sonhar entrar pros Stones Ron Wood integrou os Faces, uma das maiores bandas de rock da história, liderada por ninguém menos que Rod Stewart. Pesquisar ás vezes faz bem.

    • Não me diga! Faces era tipo um Menswe@r no britpop daquela época, hein…. Ou vc quer colocar Faces no mesmo patamar de Stones, Beatles, Cream, Led Zeppelin, Yardbirds, Deep Purple, Love…?

      A carreira solo do Rod Stewart é bem melhor que o Faces todo. E o Ron Wood era coadjuvante INCLUSIVE no Faces – e no Jeff Beck Group, onde tocava antes.

      Sei bem do q eu tou falando, tu q prefere tomar o classico como intocavel.

      E, independente de todo esse histórico, o Ron Wood não fez NADA que se compare a qualquer riff clássico dos Smiths.

  3. Cleiton disse:

    O Ron Wood tá a cara do Fagner na foto.

  4. Paulo Diógenes disse:

    O que o Johnny Marr tem de cool, o Morrissey tem de mala…

  5. Cassiano disse:

    Não tem como pensar em Smiths sem o Morrisey, Matias. Por mais mala que ele seja, ou até por isso mesmo. Tanto é verdade que o Johnny Marr, que foi tão prolífico com os Smiths, caiu num ostracismo sem explicação para um músico tão bom. O Electronic era um sub New Order onde ele mal aparecia.