“Isso é água”, por David Foster Wallace

agua

postei o trecho do clássico discurso “This is Water” do David Foster Wallace aqui anteriormente e há pouco reencontrei o vídeo que o destaca. Por isso, aproveito o calorão do verão 2015 para republicá-lo e, quem sabe, vê-lo traduzido para português. Se alguém se dispor, basta postar a tradução abaixo.

“There are these two young fish swimming along and they happen to meet an older fish swimming the other way, who nods at them and says “Morning, boys. How’s the water?” And the two young fish swim on for a bit, and then eventually one of them looks over at the other and goes “What the hell is water?”

The point of the fish story is merely that the most obvious, important realities are often the ones that are hardest to see and talk about. Stated as an English sentence, of course, this is just a banal platitude, but the fact is that in the day to day trenches of adult existence, banal platitudes can have a life or death importance. The plain fact is that you graduating seniors do not yet have any clue what “day in day out” really means. There happen to be whole, large parts of adult American life that nobody talks about in commencement speeches. One such part involves boredom, routine and petty frustration. The parents and older folks here will know all too well what I’m talking about.

By way of example, let’s say it’s an average adult day, and you get up in the morning, go to your challenging, white-collar, college-graduate job, and you work hard for eight or ten hours, and at the end of the day you’re tired and somewhat stressed and all you want is to go home and have a good supper and maybe unwind for an hour, and then hit the sack early because, of course, you have to get up the next day and do it all again. But then you remember there’s no food at home. You haven’t had time to shop this week because of your challenging job, and so now after work you have to get in your car and drive to the supermarket. It’s the end of the work day and the traffic is apt to be: very bad. So getting to the store takes way longer than it should, and when you finally get there, the supermarket is very crowded, because of course it’s the time of day when all the other people with jobs also try to squeeze in some grocery shopping. And the store is hideously lit and infused with soul-killing muzak or corporate pop and it’s pretty much the last place you want to be but you can’t just get in and quickly out; you have to wander all over the huge, over-lit store’s confusing aisles to find the stuff you want and you have to manoeuvre your junky cart through all these other tired, hurried people with carts (et cetera, et cetera, cutting stuff out because this is a long ceremony) and eventually you get all your supper supplies, except now it turns out there aren’t enough check-out lanes open even though it’s the end-of-the-day rush. So the checkout line is incredibly long, which is stupid and infuriating. But you can’t take your frustration out on the frantic lady working the register, who is overworked at a job whose daily tedium and meaninglessness surpasses the imagination of any of us here at a prestigious college.

But anyway, you finally get to the checkout line’s front, and you pay for your food, and you get told to “Have a nice day” in a voice that is the absolute voice of death. Then you have to take your creepy, flimsy, plastic bags of groceries in your cart with the one crazy wheel that pulls maddeningly to the left, all the way out through the crowded, bumpy, littery parking lot, and then you have to drive all the way home through slow, heavy, SUV-intensive, rush-hour traffic, et cetera et cetera.

Everyone here has done this, of course. But it hasn’t yet been part of you graduates’ actual life routine, day after week after month after year.

But it will be. And many more dreary, annoying, seemingly meaningless routines besides. But that is not the point. The point is that petty, frustrating crap like this is exactly where the work of choosing is gonna come in. Because the traffic jams and crowded aisles and long checkout lines give me time to think, and if I don’t make a conscious decision about how to think and what to pay attention to, I’m gonna be pissed and miserable every time I have to shop. Because my natural default setting is the certainty that situations like this are really all about me. About MY hungriness and MY fatigue and MY desire to just get home, and it’s going to seem for all the world like everybody else is just in my way. And who are all these people in my way? And look at how repulsive most of them are, and how stupid and cow-like and dead-eyed and nonhuman they seem in the checkout line, or at how annoying and rude it is that people are talking loudly on cell phones in the middle of the line. And look at how deeply and personally unfair this is.

Or, of course, if I’m in a more socially conscious liberal arts form of my default setting, I can spend time in the end-of-the-day traffic being disgusted about all the huge, stupid, lane-blocking SUV’s and Hummers and V-12 pickup trucks, burning their wasteful, selfish, 40-gallon tanks of gas, and I can dwell on the fact that the patriotic or religious bumper-stickers always seem to be on the biggest, most disgustingly selfish vehicles, driven by the ugliest [responding here to loud applause] (this is an example of how NOT to think, though) most disgustingly selfish vehicles, driven by the ugliest, most inconsiderate and aggressive drivers. And I can think about how our children’s children will despise us for wasting all the future’s fuel, and probably screwing up the climate, and how spoiled and stupid and selfish and disgusting we all are, and how modern consumer society just sucks, and so forth and so on.

You get the idea.

If I choose to think this way in a store and on the freeway, fine. Lots of us do. Except thinking this way tends to be so easy and automatic that it doesn’t have to be a choice. It is my natural default setting. It’s the automatic way that I experience the boring, frustrating, crowded parts of adult life when I’m operating on the automatic, unconscious belief that I am the centre of the world, and that my immediate needs and feelings are what should determine the world’s priorities.

The thing is that, of course, there are totally different ways to think about these kinds of situations. In this traffic, all these vehicles stopped and idling in my way, it’s not impossible that some of these people in SUV’s have been in horrible auto accidents in the past, and now find driving so terrifying that their therapist has all but ordered them to get a huge, heavy SUV so they can feel safe enough to drive. Or that the Hummer that just cut me off is maybe being driven by a father whose little child is hurt or sick in the seat next to him, and he’s trying to get this kid to the hospital, and he’s in a bigger, more legitimate hurry than I am: it is actually I who am in HIS way.

Or I can choose to force myself to consider the likelihood that everyone else in the supermarket’s checkout line is just as bored and frustrated as I am, and that some of these people probably have harder, more tedious and painful lives than I do.

Again, please don’t think that I’m giving you moral advice, or that I’m saying you are supposed to think this way, or that anyone expects you to just automatically do it. Because it’s hard. It takes will and effort, and if you are like me, some days you won’t be able to do it, or you just flat out won’t want to.

But most days, if you’re aware enough to give yourself a choice, you can choose to look differently at this fat, dead-eyed, over-made-up lady who just screamed at her kid in the checkout line. Maybe she’s not usually like this. Maybe she’s been up three straight nights holding the hand of a husband who is dying of bone cancer. Or maybe this very lady is the low-wage clerk at the motor vehicle department, who just yesterday helped your spouse resolve a horrific, infuriating, red-tape problem through some small act of bureaucratic kindness. Of course, none of this is likely, but it’s also not impossible. It just depends what you want to consider. If you’re automatically sure that you know what reality is, and you are operating on your default setting, then you, like me, probably won’t consider possibilities that aren’t annoying and miserable. But if you really learn how to pay attention, then you will know there are other options. It will actually be within your power to experience a crowded, hot, slow, consumer-hell type situation as not only meaningful, but sacred, on fire with the same force that made the stars: love, fellowship, the mystical oneness of all things deep down.

Not that that mystical stuff is necessarily true. The only thing that’s capital-T True is that you get to decide how you’re gonna try to see it.

This, I submit, is the freedom of a real education, of learning how to be well-adjusted. You get to consciously decide what has meaning and what doesn’t. You get to decide what to worship.

Because here’s something else that’s weird but true: in the day-to-day trenches of adult life, there is actually no such thing as atheism. There is no such thing as not worshipping. Everybody worships. The only choice we get is what to worship. And the compelling reason for maybe choosing some sort of god or spiritual-type thing to worship–be it JC or Allah, be it YHWH or the Wiccan Mother Goddess, or the Four Noble Truths, or some inviolable set of ethical principles–is that pretty much anything else you worship will eat you alive. If you worship money and things, if they are where you tap real meaning in life, then you will never have enough, never feel you have enough. It’s the truth. Worship your body and beauty and sexual allure and you will always feel ugly. And when time and age start showing, you will die a million deaths before they finally grieve you. On one level, we all know this stuff already. It’s been codified as myths, proverbs, clichés, epigrams, parables; the skeleton of every great story. The whole trick is keeping the truth up front in daily consciousness.

Worship power, you will end up feeling weak and afraid, and you will need ever more power over others to numb you to your own fear. Worship your intellect, being seen as smart, you will end up feeling stupid, a fraud, always on the verge of being found out. But the insidious thing about these forms of worship is not that they’re evil or sinful, it’s that they’re unconscious. They are default settings.

They’re the kind of worship you just gradually slip into, day after day, getting more and more selective about what you see and how you measure value without ever being fully aware that that’s what you’re doing.

And the so-called real world will not discourage you from operating on your default settings, because the so-called real world of men and money and power hums merrily along in a pool of fear and anger and frustration and craving and worship of self. Our own present culture has harnessed these forces in ways that have yielded extraordinary wealth and comfort and personal freedom. The freedom all to be lords of our tiny skull-sized kingdoms, alone at the centre of all creation. This kind of freedom has much to recommend it. But of course there are all different kinds of freedom, and the kind that is most precious you will not hear much talk about much in the great outside world of wanting and achieving…. The really important kind of freedom involves attention and awareness and discipline, and being able truly to care about other people and to sacrifice for them over and over in myriad petty, unsexy ways every day.

That is real freedom. That is being educated, and understanding how to think. The alternative is unconsciousness, the default setting, the rat race, the constant gnawing sense of having had, and lost, some infinite thing.

I know that this stuff probably doesn’t sound fun and breezy or grandly inspirational the way a commencement speech is supposed to sound. What it is, as far as I can see, is the capital-T Truth, with a whole lot of rhetorical niceties stripped away. You are, of course, free to think of it whatever you wish. But please don’t just dismiss it as just some finger-wagging Dr Laura sermon. None of this stuff is really about morality or religion or dogma or big fancy questions of life after death.

The capital-T Truth is about life BEFORE death.

It is about the real value of a real education, which has almost nothing to do with knowledge, and everything to do with simple awareness; awareness of what is so real and essential, so hidden in plain sight all around us, all the time, that we have to keep reminding ourselves over and over:

“This is water.”

“This is water.”

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. jaderpires disse:

    Publicamos lá no PapodeHomem, Matias! Traduça e vídeo legendado:
    http://www.papodehomem.com.br/isso-e-agua-david-foster-wallace-fala-sobre-a-vida-pare-tudo-4

    um abraço!

  2. Kenzo Miura disse:

    Vi a traduça do Papo de Homem (que curto altos) depois de acabar a minha versão. De qualquer forma tá aqui :

    “Dois jovens peixes estão nadando juntos, e eles acabam encontrando um velho peixe nadando na direção oposta, que acena com a cabeça e diz “‘dia, garotos. Como está a água?” E os dois jovens peixes nadam mais um pouco, até que finalmente um olha para o outro e fala “O que diabos é água?”

    A moral da história dos peixes é apenas que as realidades mais óbvias e importantes são muitas vezes as mais difíceis de se perceber e discutir. Largada assim desta forma, a frase parece um lugar-comum banal, mas o fato é que, nas trincheiras cotidianas da existência adulta, lugares-comuns banais podem ter uma importância de vida ou morte. A dura realidade é que vocês formandos ainda não têm qualquer idéia do que “dia após dia” realmente significa. Acontece que existem gigantescas partes inteiras da vida adulta norte-americana que ninguém fala em discursos de formatura. Uma dessas partes envolve tédio, rotina e frustração insignificante. Os pais e pessoas mais velhas aqui sabem muito bem do que eu estou falando.

    A título de exemplo, vamos dizer que é um dia adulto normal, e você se levanta de manhã, vai para o seu estimulante trabalho de escritório para graduados, e lá você trabalha duro por oito ou dez horas, e no final do dia você está cansado e um pouco estressado e tudo que você quer é ir para casa e comer um bom jantar e talvez relaxar por uma hora, e depois apagar mais cedo, porque, é claro, você tem que se levantar no dia seguinte e fazer tudo de novo. Mas então você se lembra que não há comida em casa. Você não teve tempo para fazer compras nesta semana por causa de seu trabalho estimulante, e agora, depois do trabalho você tem que entrar em seu carro e dirigir até o supermercado. É o fim do dia de trabalho e o tráfego tende a ser: muito ruim. Então, chegar ao mercado demora bem mais do que deveria, e quando você finalmente chega lá, o supermercado está muito cheio, porque – é claro – é a hora do dia em que todas as outras pessoas com empregos também tentar fazer algumas compras de supermercado. E a loja está horrivelmente iluminada e repleto de um muzak sem-alma ou pop corporativo e é praticamente o último lugar que você quer estar, mas você não pode simplesmente entrar e sair rapidamente; você tem que andar por todos os enormes corredores, confusos e mal iluminados, para encontrar as coisas que você quer e você tem que manobrar seu carrinho maltrapilho por todas essas outras pessoas apressadas e cansadas com carrinhos (et cetera, et cetera, cortando material porque esta é uma cerimônia longa) e, eventualmente, você recebe todas as suas provisões para a janta, só que agora parece que não há um número suficiente de caixas livres, mesmo que seja a hora do rush do mercado. Assim, a fila do caixa é incrivelmente longa, o que é estúpido e irritante. Mas você não pode descarregar sua frustração sobre a senhora trabalhando freneticamente na máquina registradora, que está sobrecarregada de trabalho num emprego cujo tédio diário e falta de propósito ultrapassa a imaginação de qualquer um de nós aqui em uma faculdade de prestígio.

    Mas de qualquer maneira, você finalmente chega à frente da fila do caixa, e você paga por sua comida, e dizem “Tenha um bom dia” para você com uma voz que é a própria voz da Morte. Então você tem que levar seus sacos plásticos assustadores e frágeis cheios de compras com seu carrinho que tem uma rodinha louca que puxa enlouquecedoramente à esquerda, através de todo aquele estacionamento aglomerado, instável e cheio de lixo, e então você tem que dirigir até sua casa através de um tráfego de hora de rush lento, pesado, cheio de SUV, et cetera et cetera.

    Todo mundo aqui já passou por isso, é claro. Mas ainda não tem sido parte da rotina de vida real de vocês, graduados, dia após semana após mês após ano.

    Mas será. E muitas outras rotinas mais tristes, irritantes, aparentemente sem sentido além dessa. Mas esse não é o xis da questão. O xis da questão é que bobagens mesquinhas, e frustrantes como estas são exatamente onde o ‘trabalho de escolher’ vai ser importante. Porque os engarrafamentos, e corredores lotados, e longas filas do caixa me dão tempo para pensar, e se eu não tomar uma decisão consciente sobre como pensar e no que prestar atenção, eu vou ficar puto e triste toda vez que tenho que fazer compras. Porque a minha configuração padrão natural é a certeza de que situações como esta são realmente sobre mim. Sobre o MEU apetite e MEU cansaço e MEU desejo de só chegar em casa, e isso vai parecer para todo o mundo como se todo o resto do mundo simplesmente estivesse no meio do meu caminho. E quem são todas essas pessoas em meu caminho? E olha como a maioria deles é repulsiva, e como eles parecem estúpidos e bovinos, de olhos mortos e inumanos, ali na fila do caixa, ou quão irritante e rude são as pessoas que estão falando alto no celular no meio da fila. E perceba o quão profundamente e pessoalmente isso é injusto.

    Ou, claro, se eu estou em uma forma mais socialmente consciente estilo-estudante-de-artes-liberais da minha configuração padrão, posso passar o tempo no tráfego de final de dia simplesmente enojado com todas as estúpidas caminhonetes V-12 e os SUV enormes bloqueando toda a pista, queimando seus tanques de 120 litros de combustível gastadores, egoístas, e eu posso investir no fato de que adesivos patrióticos ou religiosos parecem estar sempre nos maiores veículos, os mais repugnantemente egoístas, impulsionado pelos mais egoístas [respondendo à uma salva de palmas] (este é um exemplo de como não pensar, no entanto) e mais feios veículos, impulsionado pelos mais feios, desconsiderados e agressivos motoristas. E eu posso pensar em como os filhos de nossos filhos irão desprezar a gente por desperdiçar todo o combustível do futuro, e provavelmente estragar o clima, e quão mimados e estúpidos e egoístas e repugnantes todos nós somos, e como a sociedade moderna de consumo simplesmente é uma porcaria, e assim por diante, e assim por diante.

    Vocês sabem do que eu estou falando.

    Se eu escolher pensar desta forma em um mercado e na estrada, tudo bem. Muitos de nós fazem isso. Só que pensar desta forma tende a ser tão fácil e automático que não chega a ser uma escolha. É a minha configuração padrão natural. É a forma espontânea de eu experimentar as partes chatas, sufocantes e frustrantes da vida adulta quando estou operando na crença automática e inconsciente de que eu sou o centro do mundo, e que os meus sentimentos e necessidades imediatas são o que deve determinar as prioridades do mundo.

    A questão é que, é claro, existem formas totalmente diferentes de pensar sobre esses tipos de situações. Neste engarrafamento, todos esses veículos parados e em marcha lenta no meu caminho, não é impossível que algumas dessas pessoas no SUV possam ter estado em horríveis acidentes de carro no passado, e que agora acham que dirigir é tão terrível que seu terapeuta tentaram de tudo, menos pedi-los para comprar um enorme e pesado SUV para que eles possam se sentir seguros o suficiente para dirigir. Ou que o Hummer que acabou de me cortar talvez seja conduzido por um pai cujo filho pequeno está ferido ou doente no assento ao lado dele, e ele está levar o garoto para o hospital, e ele está com uma pressa maior e mais legítima do que eu: na verdade, eu que estou em SEU caminho.

    Ou eu posso me forçar a considerar a probabilidade de que todos na fila do caixa do supermercado estão tão aborrecidos e frustrados como eu, e que algumas dessas pessoas provavelmente têm vidas mais difíceis, mais tediosas e dolorosas do que eu.

    Mais uma vez, por favor, não pense que eu estou dando lições de moral, ou que eu estou dizendo que você deve pensar desta determinada forma, ou que esperam que você simplesmente faça isso automaticamente. Porque é difícil. É preciso vontade e esforço, e se você é como eu, em alguns dias você não será capaz de fazer isso, ou você simplesmente não vai querer.

    Mas na maioria dos dias, se você está consciente o suficiente para oferecer uma escolha para si mesmo, você pode escolher olhar de forma diferente para esta moça gorda, de olhar morto e cheia de maquiagem que acabou de gritar para o filho dela na fila do caixa. Talvez ela não seja normalmente assim. Talvez ela esteja acordada há três noites, segurando a mão do marido que está morrendo de câncer ósseo. Ou talvez essa mesma moça é a secretária subremunerada do DETRAN, que ontem ajudou a resolver um irritante problema burocrático horroroso do seu cônjuge através de algum pequeno ato de bondade burocrática. É claro que nada disso é provável, mas também não é impossível. Depende apenas do que você quiser considerar. Se você automaticamente tem certeza de que você sabe o que é a realidade, e se você estiver operando em sua configuração padrão, então você, assim como eu, provavelmente vai desconsiderar possibilidades que não sejam irritantes e miseráveis. Mas se você realmente aprender a prestar atenção, então você vai saber que existem outras opções. E vai realmente estar dentro do seu poder de experimentar um tipo de situação estilo-inferno-consumista quente, e lento, não apenas significativo, mas sacramentado num fogo de força semelhante à que fez as estrelas: o amor, a comunhão, a unidade mística de todas as coisas profundas.

    Não que essas coisas mística seja necessariamente verdade. A única coisa que é Verdade com V maiúsculo é que você decide como você vai tentar ver essas mesmas coisas.

    Isso, eu apresento, é a liberdade de uma educação autêntica, de aprender a ser equilibrado. Você começa a decidir conscientemente o que tem significado e o que não tem. Você começa a decidir o que vai louvar.

    Porque aqui vai outra coisa que é estranha, mas é verdade: nas trincheiras cotidianas da vida adulta, essa coisa de ateísmo simplesmente não existe. Essa coisa de não louvar simplesmente não existe. Todo mundo louva. A única opção que temos é o que louvar. E o único motivo coercivo para talvez se escolher algum tipo de deus ou coisa espiritual para adorar – seja ela JC ou Alá, seja YHWH ou a Deusa Mãe Wiccan, ou as Quatro Nobres Verdades, ou algum conjunto inviolável de princípios éticos – é que praticamente qualquer outra coisa que você louvaria o comeria vivo. Se você louva dinheiro e coisas, se é dali que você tira o real sentido da vida, então você nunca terá o suficiente, nunca sentirá que tem o suficiente. É a verdade. Adore o seu corpo e beleza e fascínio sexual e você sempre vai se sentir feio. E quando o tempo e a idade começarem a aparecer, você vai morrer um milhão de mortes antes que finalmente comecem a lamentar a sua morte. De certa forma, todos nós já sabemos dessas coisas. Já foram codificadas como mitos, provérbios, clichês, epigramas, parábolas; o esqueleto de toda grande história. O truque é ter a verdade na frente da nossa consciência diária.

    Louve o poder e você vai acabar se sentindo fraco e com medo, e você vai precisar de cada vez mais poder sobre os outros para entorpecê-lo de seu próprio medo. Louve o seu intelecto, ser visto como inteligente, e você vai acabar se sentindo estúpido, uma fraude, sempre à beira de ser descoberto. Mas a coisa insidiosa sobre essas formas de louvor não é que elas são más ou pecaminosas, é que elas são inconscientes. Elas são configurações padrão.

    Elas são o tipo de louvor que você gradualmente acaba adorando, dia após dia, sendo cada vez mais seletivo sobre o que você vê e como você mede o valor das coisas sem nunca ter plena consciência de que é isso o que você está fazendo.

    E o chamado mundo real não vai desencorajá-lo de operar em suas configurações padrão, porque o chamado mundo real dos homens, dinheiro e poder cantarola alegremente junto a uma piscina de medo e raiva e frustração e desejo e adoração de si mesmo. A nossa própria cultura atual tem aproveitado essas forças de maneiras que têm rendido extraordinária riqueza, conforto e liberdade pessoal. A liberdade que todos possam ser senhores de nossos pequenos reinos do tamanho de um crânio, sozinhos no centro de toda a criação. Esse tipo de liberdade tem muito a recomendar. Mas é claro que existem vários tipos diferentes de liberdade, e o tipo mais precioso é aquele que não muito falado no grande mundo externo de ‘querer’ e ‘conseguir’ …. O tipo de liberdade realmente importante envolve atenção e consciência e disciplina, e ser capaz de realmente se preocupar com outras pessoas e sacrificar-se para eles mais e mais numa miríade de maneiras mesquinhas, e nada sexys todos os dias.

    Esta é a verdadeira liberdade. Isto é ser educado, e entender como pensar. A alternativa é a inconsciência, a configuração padrão, a corrida de ratos, a sensação constante e desgastante de ter tido, e perder, algo infinito.

    Eu sei que essas coisas provavelmente não soam divertidas e alegres ou grandiosamente inspiradas da forma como um discurso de formatura deve soar. O que elas são, tanto quanto eu posso ver, é a Verdade com V maiúsculo, com uma série de sutilezas retóricas eliminadas. Vocês têm, é claro, a liberdade para pensar o que quiserem sobre isso. Mas por favor, não a rejeitem como um simples sermão moralista da Sheherazade. Nenhuma dessas coisas é realmente sobre a moral ou religião ou dogma ou grandes questões extravagantes sobre a vida após a morte.

    A Verdade com V maiúsculo é sobre a vida antes da morte.

    É sobre o real valor de uma educação autêntica, que tem quase nada a ver com o conhecimento, e tudo a ver com simples consciência; consciência do que é tão real e essencial, tão escondido em plena vista de todo mundo, o tempo todo, que temos de ficar nos lembrando cada vez mais:

    “Isto é água.”

    “Isto é água.”

  1. 24/01/2015

    […] Repostei outro dia uma versão editada do clássico discurso de David Foster Wallace "This is Water" em inglês e o Jader avisou que eles já tinham traduzido lá no Papo de Homem. Pois reposto essa tradução aqui: […]