#Instagramporescrito: viral sem querer e o 360º da ironia

A redescoberta da ingenuidade

Começou ainda no Alberta. Tentei postar uma foto tirada da cabine da pista da Noite Trabalho Sujo (a foto da Bárbara tirando fotos da cabine acima), como faço toda madrugada de sexta pra sábado e o Instagram não respondia. Pensei que fosse o sinal de Wi-Fi da casa, mas saí pra pegar ar e sinal de telefone – e o 3G também não dava sinal de vida no aplicativo. Desisti, voltei pra festa e quando acordei horas depois, retomei o ritual depois de fotografar o céu (“#CliMatias”, diz o Bruno). E nada. Pensei que o problema fosse só comigo, mas bastou abrir qualquer rede social para perceber que um certo volume considerável de pessoas resmungando sobre o fato. O Twitter do Instagram avisava que uma “tempestade elétrica” tinha tirado os servidores do ar. A mesma tempestade atingiu Netflix e Pinterest, que voltaram a funcionar aos poucos. Mas nada do Instagram. Como tinha um programa pré-almoço na agenda saturnina e não queria perder meu registro diário. Fui para o Twitter e twittei um instagram por escrito:

Em questão de segundos, minha fiel colaboradora do Sujo Gi Ruaro, lá de Londres (que recém casou, podem dar os parabéns), pegou carona na minha idéia e a expandiu em uma hashtag:

Como o meu tweet anterior já havia sido replicado algumas vezes, resolvi aproveitar carona na hashtag da Gi e tuitei meu instagram por escrito de fato:

Quando cheguei no Parque do Ibirapuera, onde iria me encontrar com um casal de amigos em um piquenique, o instinto me levou a procurar algum sinal de vida na rede social do aplicativo de fotos com filtro, ainda sem sucesso. Mas bastou passar pelo Twitter para ver que…

A hashtag havia colado. Tanto de maneira sincera – gente tuitando o que deveria estar postando no Instagram – quanto, principalmente, irônica – gente ridicularizando fotos e atitudes na rede social:

Até O Globo

…e a Fernanda Paes Leme entraram na onda:

A avalanche de tweets colocou a hashtag no topo dos trending topics no Brasil (meta pra muito xoxomidia tupiniquim) e explicitou três aspectos que já venho percebendo há algum tempo – dois óbvios, um nem tanto. Os dois primeiros beiram o ridículo da evidência: o Instagram popularizou-se de vez no Brasil a ponto de sua linguagem ter sido completamente assimilada pelo menos por quem está online (o que não é pouca gente) e que os trending topics do Twitter já não são o que foram um dia; medem o pulso de uma rede social específica, não mais o de toda comunidade online.

A terceira constatação é bem interessante e diz respeito à utilização da ironia. Diferente de uma forma de humor (como pensa a maioria dos que se acham irônicos), ironia é uma figura de linguagem que quer dizer justamente o contrário do que está sendo exposto. A frase “só uma pessoa muito inteligente para perceber isso”, por exemplo, é irônica ao sutilmente xingar de burra a pessoa em questão.

O problema é que a ironia funciona melhor em doses homeopáticas. Muita ironia cria a síndrome do menino que gritava lobo – e não é mais possível perceber se o que está sendo escrito ou dito é de verdade ou é só uma sacada esperta. Muitos tweets com a hashtag Instagramporescrito caminhavam nesse fio da navalha. Eram tão irônicos que poderiam ser de verdade. Não dava pra saber se o autor estava brincando ou sendo brincado. E assim completavam o loop da ironia – se a ironia é uma volta de 180 graus, a ironia da ironia é a volta completa para continuar no mesmo lugar.

E isso não era exclusividade da hashtag do sábado passado. O humor na internet quase sempre esbarra nesse duplo sentido e o que parece idiota para alguns, para outros é brilhante (exemplos abundam: Cersibon, o humor involuntário do Yahoo Respostas, Homem Aranha Anos 60), pulverizando assim o tal “bom gosto” do fazer rir ao tornar ainda mais tênue a distinção entre a grosseria e o humor politicamente incorreto ao mesmo tempo em que transforma qualquer grosseiro em novo “gênio do humor”.

Essas fórmulas estão se desgastando e o humor como provocação vai perdendo espaço para outro tipo de reação – que não necessariamente parte do humorismo – que também é típica da internet: o nonsense total, o esvaziamento do excesso de referências do século 21. Talvez seja uma redescoberta da ingenuidade ou só uma forma de exorcizar esse loop de significado protagonizado pela ironia da ironia. Não deixa de ser uma boa notícia.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Paulo Rená disse:

    Matias, certamente vou usar essa figura da ironia 360º. Ela ajuda a explicar os problemas jurídicos relacionados ao humor nesse fio da navalha, em especial na nossa cultura em que a liberdade de expressão tem de conviver com outros direitos fundamentais, já que não tivemos no Brasil um Larry Flint para esgarçar nosso limite do aceitável. Ironia 360º.

    Fora isso, cara, parabéns pela hashtag. Eu que ainda resisto ao instagram vou facilmente aderir ao #instagramporescrito. Sabe um outro aspecto que ele revela? Em tempos de convexão flutuante, um texto viaja mais que mil imagens 😉

  2. Alexandre Duque disse:

    Interessante. Acho que tudo está relacionado ao looping ( olha o termo aí de novo) dos ciclos que a humanidade tem ( doses cavalares de informação, ironia, e auto-afirmação [ai de você se não souber disso ou daquilo] provenientes dos anos 00; E provável volta da “inocência” e a redescoberta da simplicidade e minimalismo dos anos 10) que você e o Evangelista sempre falam…

    Com essa descoberta, dá pra escrever uma tese, Matias. 1° Lei da Ironia Internética:

  3. Alan disse:

    @sigapiovani com a frase:Not Sure if Humor ou Grosseria.#Instagramporescrito

  4. Gustavo disse:

    Curti. #facebookemcomentario

  5. Marco disse:

    Mathias e a criação do Instagram por escrito:

    Trendsetter ou Egomania?

  6. Paulo disse:

    Falando em viral, já viu o novo viral brasileiro?

    http://www.youtube.com/watch?v=p3XP4oR0-DU&feature=youtu.be

  7. sergio disse:

    Como prova de que idéias similares surgem em vários lugares diferentes:

    https://twitter.com/textinstagram

    Isso já existia há um tempo. 🙂

  8. disse:

    Porra, que foda!! Vc criou aquela hash? Cara… genial!!!! Vc é muito foda!!!! Eu vi aquilo e pensei: “isso é coisa de poeta, de gênio, de gente iluminada!” E esse texto no blog? Percebe-se que vc entende muito do comportamento humano na contemporaneidade. Bicho, és genius… Escreve um livro, broderzinho……… que puxa! :{

  9. disse:

    #QueTextoRuim,Mathias

  10. Fernando Coelho disse:

    Tudo isso pra dizer que você é um gênio?
    Ah, a gente já sabia. Próxima…

  11. Eduf disse:

    Acho que estamos assistindo à diluição da valorização social do sarcasmo e ironia. Assim como outros modos de expressão foram perdendo sentido ao longo do tempo, sarcasmo e ironia parecem que estão se tornando um tipo de poluição cognitiva. Ou, pelo menos, algo que está ficando desnecessário. Ou pesando demais na comunicação.

  1. 06/07/2012

    […] #Instagramporescrito: viral sem querer e o 360º da ironia, Trabalho Sujo; […]

  2. 06/07/2012

    […] #instagramporescrito: Simples e verdadeiro; […]