Impressão digital #102: Tecnologia e cultura

Aproveitei o gancho do holograma do Tupac Shakur e da volta do Arrested Development para falar do impacto da tecnologia na produção cultural humana na minha coluna no Link desta segunda.

Como a tecnologia molda nossa concepção de cultura
Show com holograma ainda é uma novidade

Em 1991, a cantora norte-americana Natalie Cole relançou a música “Unforgettable”, consagrada por seu pai, o crooner Nat King Cole, na década de 1960. Em sua versão, uma novidade: graças à tecnologia da época, foi possível colocá-la num dueto com seu próprio pai, falecido em 1965. A canção foi um sucesso e abriu caminho para outras colaborações da mesma natureza. Primeiro com os dois discos Duets, lançados em 1993 e 1994, em que Frank Sinatra cantava ao lado de nomes conhecidos da música pop – Stevie Wonder, Neil Diamond, Julio Iglesias, Bono Vox e o filho do cantor Frank Sinatra Jr. – sem que ele estivesse presente no estúdio (Sinatra, que morreria em 1998, já estava mal de saúde na época do lançamento desses discos). O projeto Anthology, dos Beatles, foi além e ressuscitou a voz de John Lennon, em 1996, para finalmente reunir o maior grupo da história da música pop.

Corta para 2012, mais especificamente para a semana passada, no domingo 15, quando, no festival de Coachella, que é realizado anualmente na cidade de Indio, na Califórnia, nos Estados Unidos, o rapper Snoop Dogg resolveu chamar um velho conhecido para o palco – o também rapper Tupac Shakur. O detalhe é que Tupac foi assassinado em 1996, mas isso não impediu que a tecnologia 3D o colocasse no palco ao lado de seu velho amigo, numa aparição digital que assombrou o público tanto pelo apuro tecnológico quanto pela morbidez da “ressurreição” holográfica.

Dois dias depois, o criador da série Arrested Development, Mitchell Hurwitz, apresentou as novidades da nova temporada. Cancelado em 2006, o seriado norte-americano tinha um público cativo e fiel, mas não grande o suficiente para permitir que ele continuasse na grade de programação da sua emissora, a Fox. Não adiantou os fãs se mobilizarem online para permitir que a série continuasse. Ela foi mesmo para as cucuias e, volta e meia, havia rumores sobre a possibilidade de o elenco e seus roteiristas se reunirem em um filme.

Mas no final do ano passado, seus fãs puderam comemorar. A locadora online Netflix, disposta a investir em produções próprias, convenceu os envolvidos na série a retomá-la, para que ela fosse veiculada em formato digital. E, na semana passada, Hurwitz contou algumas novidades da nova temporada, que começa a ser gravada agora no meio do ano e deve estrear em 2013, com um pequeno detalhe: todos os episódios estrearão no mesmo dia!

Mas o que “Unforgettable”, os duetos de Sinatra e a Anthology dos Beatles têm a ver com um holograma num show de rap ou uma série que estreará todos os episódios de uma vez só?

É simples. Quando o dueto de Natalie e Nat King Cole apareceu nas rádios e TVs da época, aquilo foi tratado com espanto e euforia, pois era algo nunca visto. Em menos de meia década, já havia sido assimilado por nomes estabelecidos no mercado de música.

Da mesma forma, uma série que apresenta seus episódios em uma só tacada pode se tornar um padrão em poucos anos – talvez em menos tempo que demorou para o dueto póstumo virar uma realidade. (Cabe até um parêntese: se uma série tem todos seus episódios exibidos de uma vez só, ela deixa de ser uma série para se tornar um longo filme?) E logo depois que Tupac Shakur apareceu digitalmente num show de Snoop Dogg, os fãs já brincaram com o cartaz do festival Coachella cogitando uma “hologram edition”, com shows de bandas e artistas que há muito não estão entre nós (uma piada ainda mais mórbida colocava até mesmo Jesus Cristo entre as atrações do evento). Não duvide se cogitarem algo parecido (talvez sem Jesus, por motivos óbvios) em eventos de um futuro próximo.

A tecnologia, bem ou mal, molda a cultura. Foi por conta do limite de tempo de gravação no início do século 20 (entre três e quatro minutos) que foi inventada a canção, um formato que não existia naquela época. O próprio livro, nem sequer paramos para pensar nisso, é uma invenção tecnológica que ainda não foi superada. Tais inovações determinam a forma como lidamos com a nossa própria cultura.

Você pode gostar...