A hora e a vez de Paula Santisteban

paulasantisteban

Paula Santisteban foi um presente que meu irmão Carlos Eduardo Miranda deixou para todos nós – o último disco com a produção do velhinho encerra seu legado musical com sutileza e candura, concentrando toda a beleza e a simplicidade da música em uma cantora única, que canta o antídoto musical perfeito para os dias tensos e fúteis que atravessamos. E, pessoalmente, é um presente que Miranda me deixou – cuido da direção artística deste lançamento a convite da própria Paula desde o meio do semestre passado por sugestão deste meu amigo, que tanto me falava deste trabalho e tanto apostava neste disco. O presente não foi a própria Paula nem o convívio com seu círculo social e sua arte, mas a própria ideia de acompanhar o lançamento de um disco e pensar em estratégias comerciais (quem faz a foto da capa? Quem lança o disco? Onde será o show? Qual será o repertório? Quem acompanhará o lançamento?) que partissem de questionamentos mais estéticos e reforçassem a delicadeza e precisão do disco. Cada novo contato é uma pequena aula sobre como encarar a música e a arte a partir de sua beleza. O disco, que já está nas plataformas digitais pela Warner Music, com capa feita por Bob Wolfenson, chega ao palco pela primeira vez neste domingo, no Auditório Ibirapuera, a partir das 19h, com uma miniorquestra de nove músicos e um repertório que inclui clássicos da música brasileira e uma versão para uma música de Elliott Smith (mais informações aqui). Estarei lá para acompanhar mais este passo de uma promissora escalada.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *