Gui Amabis de perto

guiamabis2018

Lançado sem aviso há menos de uma semana, Miopia, o quarto disco de Gui Amabis, vem de encontro ao seu trabalho mais recente, Ruivo em Sangue, e traz, ironicamente em pleno 2018, um astral menos pesado e pessimista que seu antecessor. Batizado com o nome de sua primeira composição (“Miopia”, finalmente pública, já é uma das melhores músicas de 2018), o disco sacramenta sua parceria com os compadres Regis Damasceno, Dustan Gallas e Samuel Fraga, fiéis escudeiros ao forjar uma sonoridade particular, que o consolidou como mais que produtor e compositor, mas também como intérprete e músico. Bati um papo com ele sobre o novo álbum e ele aproveitou para dissecar Miopia faixa a faixa.

Como surgiu Miopia?

Miopia é uma espécie de antídoto de seu disco anterior, Ruivo em Sangue?

Você escolheu o repertório a partir de algum conceito?

Como você definiu os convidados para o disco?

Por que o disco chama-se Miopia?

Quem produziu o disco?

É um disco muito lírico pra época que estamos vivendo?

Qual o papel da arte no Brasil de 2018?

Gui Amabis – Miopia (2018), faixa a faixa

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *