…e o Letters of Note virou um livro

charlotte-brown

Fonte interminável de inspiração, o blog Letters of Note (sempre comentado aqui no Trabalho Sujo) virou livro e foi lançado no Brasil. Escrevi sobre o belíssimo Cartas Extraordinárias – A Correspondência Inesquecível de Pessoas Notáveis do inglês Shaun Usher para a Ilustrada deste sábado. E a imagem que ilustra esse post é uma carta que Charles Schulz mandou para uma fã irritada com uma nova personagem chamava Charlotte Brown, que era o oposto do protagonista da tira Peanuts, Charlie Brown. Schulz concordou com a morte, não antes sem responsabilizar sua leitora pelo feito, ilustrado pelo pai do Snoopy como um machado da cabeça da ex-personagem.

Livro reúne pérolas emocionantes do universo das cartas
Versão em papel do blog Letters of Note, compilação traz correspondência enviada por pessoas notáveis

Um jovem chamado Leonardo oferece seus préstimos para o governador de Milão. Para isso, cita suas aptidões numa lista, sendo que só o décimo item comenta suas inclinações artísticas.

O líder de um movimento pela independência de um país asiático escreve para o líder de um país europeu, pedindo para que não vá além com suas intenções imperialistas.

O mundo digital ilude com a ideia da hiperconexão. Não é que não estejamos cada vez mais interligados graças à troca compulsiva de mensagens eletrônicas de toda espécie.

Mas nos esquecemos que, antes da internet, as pessoas também viviam conectadas.

E não deixa de ser irônico que um site tenha que virar livro para reforçar a importância das cartas. “Cartas Extraordinárias – A Correspondência Inesquecível de Pessoas Notáveis” é a versão impressa do blog “Letters of Note”, criado pelo inglês Shaun Usher.

Desde 2009, ele reúne pérolas emocionantes do universo da correspondência. A maioria delas é escrita por personalidades históricas de toda a sorte –políticos, artistas, cientistas, escritores, atores– em diferentes períodos de suas vidas, além de relatos anônimos de cortar o coração.

Dez dólares
Não faltam momentos históricos. Lemos um jovem Fidel Castro, aos 12 anos, em 1940, pedindo, em inglês, uma nota de dez dólares ao recém-reeleito presidente norte-americano Franklin Roosevelt.

Duas cartas são endereçadas a Marlon Brando: numa delas, de 1957, o escritor Jack Kerouac suplica para que o ator faça parte da adaptação de seu recém-lançado livro “Pé na Estrada”. Noutra, de 1970, Mario Puzo faz pedido semelhante para a versão cinematográfica de “O Poderoso Chefão”.

Há relatos tocantes, como uma carta de um ex-escravo para seu antigo dono. Outros hilários, como o do gerente de produto da Sopa Campbell a Andy Warhol, comentando o uso das latas da empresa em suas obras. Ele lhe oferece caixas com o enlatado.

Alguns outros são repugnantes, como a carta em que Jack, o Estripador, se apresenta à polícia londrina enviando um pedaço de uma de suas vítimas. Outros curiosos, como o de uma criança que sugere ao presidente norte-americano Abraham Lincoln que deixe a barba crescer.

Algumas cartas não são manuscritas. Um telegrama avisa aos militares na base de Pearl Harbor que as sirenes que estavam ouvindo não eram um teste –e sim o ataque que motivou a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial.

“Cartas Extraordinárias”, que traz fac-símile da maioria das 125 epístolas reunidas, é prazer tanto para ser folheado e lido casualmente quanto para ser devorado.

E entre as inúmeras surpresas pelo caminho, descobrimos que foi graças à uma carta que o governador de Milão contratou Leonardo da Vinci em 1483 e, dez anos depois, lhe encomendou a “Última Ceia”.

E que Gandhi tentou, por meio de uma carta, fazer com que Hitler desistisse de dominar a Europa e não provocasse a Segunda Guerra Mundial. “Pelo bem da humanidade.”

CARTAS EXTRAORDINÁRIAS
Organização Shaun Usher
Tradução Hildegard Feist
Editora Companhia das Letras
Quanto R$ 99,90

puzo-brando

O autor Mario Puzo escreve ao ator Marlon Brando, 1970.

Caro sr. Brando, Escrevi um livro chamado “O Poderoso Chefão” que teve algum sucesso e acho que o senhor é o único que pode fazer o papel Chefão com a força e a ironia (o livro é um comentário irônico sobre a sociedade americana) que o papel exige. Espero que o senhor leia o livro e goste dele o suficiente para usar todo o seu prestígio para conseguir o papel. Com essa finalidade estou escrevendo para a Paramount; pode ser que ajude. Sei que é muita presunção de minha parte, mas o mínimo que eu posso fazer pelo livro é tentar. Acho que o senhor seria fantástico. Não preciso dizer que admiro sua arte. Mario Puzo Um amigo comum, Jeff Brown, me deu seu endereço.

campbell-warhol

Carta enviada pelo gerente de produto das sopa Campbell ao artista Andy Warhol, em 1964.

Prezado sr. Warhol: // Venho acompanhando sua carreira há algum tempo. Sua obra tem despertado grande interesse aqui na Campbell Soup Company por motivos óbvios. Já tive a esperança de adquirir um de seus trabalhos com o rótulo de Campbell Soup, porém receio que seja caro demais para mim. Quero dizer-lhe, no entanto, que admiramos sua obra e que eu soube que o senhor gosta de sopa de tomate. Tomo a liberdade de enviar-lhe algumas caixas de nossa sopa de tomate, que serão entregues nesse endereço. Desejamos-lhe constante sucesso e boa sorte. Cordialmente, William P. MacFarland // Gerente de produto

Você pode gostar...