Cultura como resistência

plana2018

“São muitas armas e acho que elas devem ser usadas, essa é a nossa função”, me conta Bia Bittencourt, criadora da Feira Plana, explicando o aspecto multimídia (e multicultural) de seu filhote, a Feira Plana, que agora se rematerializa como um festival para além da mera venda e troca de publicações impressas independentes. O evento chega à sexta edição neste fim de semana, apresenta-se como um festival mais do que uma feira e reúne diversas manifestações culturais, incluindo apresentações musicais, uma mostra de cinema e vários debates e palestras que reforçam a importância da arte e da cultura como ferramenta de resistência, principalmente nesta época que estamos vivendo. A Plana ocupa a Cinemateca nos dias 23, 24 e 25 deste mês (veja a programação completa no site do evento) e eu bati um papo com a Bia num café perto da Paulista (note o barulho) sobre a importância da realização deste evento.

Foto: Thays Bittar

Foto: Thays Bittar

A partir desta edição que a Feira Plana abrange além do impresso?

Como surgiu a ideia do tema desta edição, a volta ao nada?

Então a troca entre curadores acontece durante o evento?

A questão do consumo te incomoda?

A Plana tenta buscar formatos menos “produtizáveis”?

Arte e produção artística é ativismo e resistência no Brasil em 2018?

plana

Como a Feira Plana se banca?

Qual o papel do artista nesta fase política que o Brasil está atravessando?

O público brasileiro é conservador? Como você o compara com o da Plana?

Quais são os destaques desta edição?

Você pode gostar...